Ainda se lembram? O ‘countdown’ de Pedrogão – João Adrião

Ainda se lembram? O ‘countdown’ de Pedrogão – João Adrião

O tempo passa, e enquanto nem as bermas de estrada estão limpas, a vegetação vai crescendo e acumulando combustível, numa salganhada impenetrável. O pior que podia acontecer… está mesmo a acontecer.

Jornal «A  Regeneração», 1961

A citação remete-nos à tragédia de Vale do Rio, quando um devastador incêndio atingiu três aldeias, riscando uma do mapa (Casalinho), num rasto de morte e destruição. Nessa década de 1960, o fogo ceifou pelo menos 8 vidas e desalojou centenas, só no Pinhal Interior. Em Boticas, em 1962, mais 4. Em 1966, Nova tragédia, em Sintra, onde 25 militares perderam a vida. E nesse mesmo ano, um enorme incêndio em Monchique, além de uma vítima mortal, destrói habitações, currais, animais, culturas, etc.

O flagelo não amainou nos anos seguintes: 1974 e 75 foram anos terríveis de incêndios, a marcar os anos da revolução… Em 75, um incêndio com mais de uma semana, na Serra do Açor, destrói a aldeia de Cepos (sede de freguesia do concelho de Arganil), com a morte de 2 mulheres e dezenas de casas devastadas. As tragédias de Armamar (14) e Águeda (16), em 1985 e 86, respondem por 30 mortes. No Pinhal Interior, Vila do Rei (1986) e Arganil (1987) foram também palco de enormes incêndios.

Prejuízos de centenas de milhões de euros, pelo menos 38 mortes… Não foram assim há tanto tempo os anos infernais de 2003 e 2005. E logo em 2006, na Serra da Estrela, mais um episódio trágico levou a vida a 5 bombeiros chilenos e 1 luso. Cifras negras que continuaram nesta década, com 4 mortes em 2013 no Caramulo, ou com as 3 de 2016, na Madeira, correndo mundo as imagens do fogo a entrar no Funchal…

E assim, chega a manhã do dia 18 de Junho de 2017: os portugueses ligam a televisão e as notícias dizem que um incêndio começado no dia anterior, como tantos outros, havia feito dezenas de mortos numa estrada…

Eis a mensagem do sr. Presidente da República: “Não era possível fazer mais, há situações que são situações imprevisíveis (…)”

Imprevisível?

Décadas de alertas para os problemas do abandono e do consequente crescimento desenfreado de matos, inúmeros estudos, ensaios, experiências, envolvimento internacional, teses publicadas, ferramentas criadas? Tudo desprezado…

O fogo, como todos, lá se apagou. Seguiram-se as visitas aos locais, as palavras de esperança, a reconstrução, o memorial, a promessa de medidas.

Enfim, nada de novo: também em 1964 o então Presidente da República Américo Tomaz foi inaugurar a reconstruida aldeia de Vale do Rio; em 1970 é o Presidente do Conselho, Marcelo Caetano, a visitar as áreas ardidas de Arganil, Góis, Lousã e Pampilhosa, tal como em 1973 o secretário de Estado da Agricultura ou em 1992 o ministro da Administração Interna; Turismo, em 1964, novas sombras em 1973, reforço de meios em 1985, “como a fénix, fazer renascer das cinzas o que o fogo destruiu” dizia em 1987 o presidente da Câmara de Arganil e o secretário de Estado do Ambiente… palavras, leva-as o vento!; memoriais vão-se multiplicando; e, claro, profundas mudanças legislativas, que chegaram a várias dezenas de diplomas no rescaldo de 2003 e 2005, e que continuaram, por exemplo em 2013 ou 2016…

“A coisa pior que pode acontecer é que a floresta volte a crescer como estava. Todos hoje sabemos bem que deixar a floresta crescer livremente é criar condições para que ela seja combustível e que não seja aquilo que deve ser — uma fonte de riqueza e de valorização económica” foram as palavras de António Costa, a 28/06/2017 numa reunião com autarcas do Pinhal Interior.

Sr. Primeiro Ministro, o tempo passa, e enquanto nem as bermas de estrada estão limpas, enquanto de um lado vão culpando eucaliptos e do outro terroristas, enquanto anunciam os maiores dispositivos de sempre, ou se vangloriam com resultados de medidas em condições benignas, a vegetação vai crescendo e acumulando combustível, numa salganhada impenetrável de eucaliptos, giestas, pinheiros, tojos, acácias, urzes, carvalhos, misturados, desordenados, abandonados…

O pior que podia acontecer… está mesmo a acontecer.

Passaram três anos. Não, ao contrário do que diz o mapa do ICNF, estas ainda não são zonas perigosas… Mas, o ‘countdown’ está ligado!

Ouvido por este jornal nessa altura, prognosticava o arq. Henrique Pereira Dos Santos: “Vão todos dizer que as medidas estão a ser um grande êxito até ao fogo homérico de 2030”. Não são precisos grandes dotes de adivinhação, basta não ter memória curta. Caramba, são décadas e décadas deste triste fado.

E os leitores, já se esqueceram? Quantas vezes mais aceitarão que lhes digam que era imprevisível?

João Adrião
Gestor Ambiental e Florestal

O artigo foi publicado originalmente em Observador.

Comente este artigo
Anterior Três anos após a tragédia de Pedrógão, Portugal encontra-se “mais bem preparado” mas longe de estar imune ao risco de grandes incêndios
Próximo Pedrógão Grande. Foi há três anos

Artigos relacionados

Comunicados

Azeite de Moura DOP biológico surge com primeira garrafa 100% reciclada e reciclável do mundo

A Cooperativa Agrícola de Moura e Barrancos acabou de comemorar o seu 65º aniversário e aproveitou a data […]

Últimas

‘From Farm to Fork’ strategy on sustainable food

The ‘Farm to Fork’ strategy is one of the initiatives announced in President Ursula von der Leyen’s political guidelines for the new Commission […]

Últimas

UTAD é parceira de projeto europeu no âmbito da regeneração das florestas

Nos dias 18 e 19 de novembro foi realizada em Saragoça a primeira reunião do projeto ForManRisk (Forest Management and natural Risks), […]