A água na cidade: adeus seca, ou talvez não! –  Frederico Meireles Rodrigues

A água na cidade: adeus seca, ou talvez não! – Frederico Meireles Rodrigues

Parece estar a chegar ao fim a seca mais severa dos últimos anos. As perdas económicas relacionadas com os seus efeitos estão na ordem do dia. No centro deste problema está a redução das reservas de água no solo e a capacidade de abastecimento de água em quantidade suficiente que supra as necessidades das pessoas e da produção de alimento. Há perdas na agricultura, floresta e terríveis consequências para as pessoas.

Na cidade o problema da escassez de água é subavaliado, mas por norma agrava-se. A cidade é menos permeável do que o campo, devido à maior concentração de edifícios e à rede extensa de acessos pavimentados. Resulta que, para além de impedirem a infiltração da água no solo, os materiais inertes com que edificamos têm uma reação à radiação solar que propicia maior absorção e armazenamento de energia. Por conseguinte, arrefecem mais lentamente e mantém temperaturas mais altas, por períodos mais longos.

Ao mesmo tempo, o meio urbano tende a ser mais seco do que o meio rural, já que, para além do problema anterior, os sistemas artificiais de drenagem desviam rapidamente a água do solo para os cursos de água, que depressa a devolvem ao mar.

Uma das consequências destas alterações atmosféricas é o aumento da evapotranspiração das plantas, que assim regulam a temperatura e humidade à sua volta, tal como nós arrefecemos o nosso corpo quando transpiramos. Em resultado, a cidade ganha um eficiente ar condicionado à custa da bombagem natural de água, do solo para o ar. Quando falta água no solo, acontece o chamado stress hídrico que, no caso das plantas, quando este é prolongado, pode causar a sua morte. Vemos muitos sinais alarmantes, como o aspeto murcho, as folhas concavas e queimadas, ramos terminais secos e frutos mirrados.

Ora, se, por um lado precisamos de uma cidade permeável e dotada de espaços verdes, que contribuam para moderar o clima e respondam a picos de escassez de água, por outro, para que estes espaços se mantenham verdes, tem sido necessário prever a irrigação das plantas na sua manutenção.

É aqui que a qualidade do desenho do espaço exterior urbano e do seu plano de manutenção assumem enorme relevância. Estes projetos devem ponderar gastos mínimos de água, a diminuição da velocidade da sua drenagem e a maximização da sua infiltração no solo. Os espaços verdes da cidade devem ser pensados que nem esponjas, que absorvam e retenham a água, para então a disponibilizarem lentamente.

Para a gestão da água é também importante desenvolver apreciação por uma estética ecológica, associada às condições locais, onde há alterações específicas ao longo do tempo e em que naturalmente a vegetação revela contrastes sazonais. Em vez do espaço verdejante a todo o custo, precisamos de cultivar o deleite pelo espaço rústico, diverso e resiliente, concebido para a incorporar plantas cujos requisitos naturais estão adaptados às condições de seca e calor estival intensos, adequadas às condições da região. Um espaço destes poupa horas de manutenção, produz menos resíduos e consume menos água. Um estudo sobre esta temática, conduzido na região da Califórnia, concluiu que a redução da água de rega pode chegar aos 90%. Recorde-se que o clima desta região em muito se assemelha àquele que encontramos em todo o sul da Europa e norte de África.

A conservação da água é uma prioridade para a qual toda a sociedade deve estar sensibilizada. Devemos consequentemente pensar nos espaços verdes em rede, promovendo os corredores ecológicos e maior continuidade de solo permeável, procurando integrar uma estrutura de vegetação tolerante à seca. Devemos incluir florestas no planeamento das cidades, que constituam os grandes pulmões verdes, e arborizar ao longo das ruas e avenidas, pois as árvores ajudam a regular a temperatura, reduzir a evaporação, aumentar a recetividade do solo para reter água e são filtros que aumentam o tempo de concentração da água. Devemos implementar sistemas de drenagem que procurem a infiltração da água e sua conservação no solo.

Espera-nos o tempo de chuva e quiçá de inundação, que é por norma tanto mais intensa quanto mais prolongada a seca. Talvez a abundância nos faça encontrar estas razões.

 

Frederico Meireles Rodrigues

Arquiteto Paisagista

Professor da UTAD

 

Comente este artigo
Anterior Noruega penaliza Brasil por aumento da deflorestação
Próximo SIMAB renova Selo Portugal Sou Eu

Artigos relacionados

Opinião

O futuro da PAC pós 2020 – Phil Hogan

A Política Agrícola Comum (PAC) é a história de uma parceria dinâmica entre cidadãos, agricultores e a União Europeia. A PAC trouxe a Europa de um tempo de escassez de alimentos para a situação de hoje onde os cidadãos Europeus desfrutam dos mais altos padrões de qualidade e segurança alimentar do mundo. […]

Opinião

Alho – Cânfora dos pobres – Bruno Estêvão

As origens do alho remontam a cerca de 6.000 anos. Há imprecisão e controvérsia na definição da sua origem, que pode ter sido a Europa mediterrânea ou o continente asiático. A maioria dos estudos indica a Ásia como local de origem do alho. Julga-se que tenha surgido no deserto da Sibéria, […]

Opinião

Será que a floresta portuguesa precisa de reforma? – António Gonçalves Ferreira

Devíamos primeiro tentar saber o que é preciso para que a floresta portuguesa se torne mais forte, e sobre isso há muitas vozes concordantes:

Melhorar a defesa da floresta, à escala da paisagem e não à escala da unidade de exploração. As ZIF (Zonas de Intervenção Florestal) são o exemplo óptimo deste tipo de acção, […]