AgroVida março – Quem cuida dos 10,8 mil milhões de euros das importações? – editorial de Teresa Silveira

AgroVida março – Quem cuida dos 10,8 mil milhões de euros das importações? – editorial de Teresa Silveira

Mal o INE dispara os números do comércio internacional lá para o dia 10 de cada mês, as notícias sucedem-se nos portais institucionais e nos meios de comunicação. Todos relatam o comportamento das vendas de bens para o exterior nos vários setores de atividade. Umas vezes as percentagens sobem e agradam, outras as percentagens descem e desagradam, cada setor tem desempenhos diferentes, mas o tema merece invariavelmente abundantes reflexões de comentadores, políticos e jornalistas.

Entrados em 2020, tomámos conhecimento do volume total das exportações de bens do país em 2019. Portugal atingiu, pela primeira vez, um valor superior a 90 mil milhões de euros. E o complexo agroalimentar (agricultura e indústrias agroalimentares, bebidas e tabaco), cujas exportações subiram de 6,9 mil milhões de euros em 2018 para 7,1 mil milhões de euros em 2019 (+ 2,4%), é um dos grandes responsáveis pelos números nacionais.

A ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, lembrou-o esta quarta-feira de visita ao SISAB, ao dizer que os produtos nacionais “têm a confiança dos consumidores, nomeadamente nos países terceiros, graças à sua qualidade nutricional e à segurança alimentar que apresentam” e que “a plataforma de negócios da fileira agroalimentar representou, nos últimos cinco anos, 10,7% das exportações portuguesas”.

Mas, e como se têm comportado as importações no agroalimentar?

O tema é escasso no espaço público. Quase um tabu na comunicação social e mesmo entre os operadores do setor, de tão focados que estão no esforço de incrementar as vendas para o exterior.

Os dados do Ministério da Agricultura e do INE estão à vista. As importações de bens alimentares voltaram a crescer em 2019. Subiram 2,1%, tendo passado de 10,6 para 10,8 mil milhões de euros.

Se é certo que a subida se ficou pelos 200 milhões de euros face a 2018, o montante total das compras anuais de bens alimentares que fazemos ao estrangeiro – 10,8 mil milhões de euros! – não nos deixa descansados.

Mais do que pôr em causa a meta do equilíbrio da balança comercial agroalimentar em 2020 traçada há cinco anos, e de gerarem concorrência aos produtores nacionais e impactarem negativamente na competitividade das empresas que focam a atividade no mercado nacional, este défice revela algo mais grave. É a soberania alimentar de Portugal que está em causa.

→ Suplemento AgroVida de março de 2020 ←

Comente este artigo
Anterior Desafios da Agricultura de Precisão em análise
Próximo Beira Serra aprova avisos com 1,4 milhões de ajudas ao sector agrícola

Artigos relacionados

Nacional

Inspeção Regional do Ambiente realizou 157 inspeções em 2018

A Inspeção Regional do Ambiente dos Açores realizou 157 inspeções em 2018, das quais cerca de duas dezenas foram incluídas em ações não programadas, […]

Últimas

Secretário de Estado da Agricultura sai por incompatibilidade com ministra

Nuno Russo deixa as funções de secretário de Estado da Agricultura e do Desenvolvimento Rural por incompatibilidade com a ministra M​​​aria do Céu Antunes, enquanto a saída de Teresa Ribeiro da […]

Últimas

Sessão de esclarecimento em Vagos sobre apoios para diversificação de actividades na exploração agrícola

A Biblioteca Municipal de Vagos recebe, a 6 de Junho, pelas 17h00, uma sessão de esclarecimento sobre a apresentação de candidaturas à […]