AgroVida julho – Agricultura a caminho da irrelevância – editorial de Teresa Silveira

AgroVida julho – Agricultura a caminho da irrelevância – editorial de Teresa Silveira

Primeiro foi o esvaziamento do super-Ministério da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território, tutelado por Assunção Cristas (PSD-PP).

Quando o Governo seguinte (PS) tomou posse, a 26 de novembro de 2015, aquele Ministério desmembrou-se. Desapareceu a pasta da Alimentação, ocupada por Nuno Vieira e Brito no tempo de Cristas. O Mar autonomizou-se, ganhou honras de Ministério, tutelado por Ana Paula Vitorino, e até saiu da Praça do Comércio, estando desterrado em Algés. A Agricultura, passou a ser tutelada pelo ex-eurodeputado que negociou em Bruxelas a atual Política Agrícola Comum (PAC), Luís Capoulas Santos, e ganhou a designação – e as atribuições – da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural.

Com a posse do atual Executivo a 26 de outubro de 2019, o dito Ministério sofreu um emagrecimento abrupto. Ficou reduzido a mínimos: Ministério da Agricultura. É tutelado por Maria do Céu Albuquerque, desconhecida no setor e sem peso político no Executivo de António Costa, o Primeiro-Ministro que também transferiu as Florestas para o Ambiente.

Vá-lá, num lampejo de bom senso de última hora, Costa manteve a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Rural e a gestão do PDR 2020 na alçada da Agricultura. Isto, embora a repartição de fundos de Bruxelas entre ministérios seja um enigma e um “calvário” para muitos e a negociação da próxima PAC esteja a ser feita a dois ministérios (Agricultura e Mar) mas articulada a três (Agricultura, Mar e Ambiente). O futuro ainda vai dizer se esta tripartição trará ganhos para Portugal.

A legislatura leva uma ‘gestação’ de nove meses, mas veio juntar-se-lhe uma crise sanitária, económica e social que ninguém nas últimas décadas foi capaz de antecipar e a governação passa agora por um enorme sobressalto orçamental.

Bem sabemos que há setores mais devastados do que outros. A restauração, hotelaria e o turismo, por exemplo, fizeram uma paragem brusca e estão a sofrer muitíssimo mais do que a agricultura e o agroalimentar, que nunca pararam e que, nalguns subsetores, até reforçaram a faturação.

Mas isso não justifica o desprezo a que é votado este setor no Plano de Estabilização Económica e Social (PEES) aprovado pelo Governo. O agroalimentar nem sequer é referido no documento. Já a agricultura é tocada de raspão, com três medidas “claramente insuficientes” e, mais grave, que até já estavam previstas antes da Covid-19 (linha de crédito BEI).

Subscrevo as palavras de Francisco Gomes da Silva neste “AgroVida”: “o PEES apenas torna por demais evidente a irrelevância que o setor agrícola tem para o atual Governo”.

→ Suplemento AgroVida de julho de 2020 ←

Comente este artigo
Anterior Cotações – Ovinos e Caprinos – Informação Semanal – 29 Junho a 5 Julho 2020
Próximo Plant tissue engineering improves drought and salinity tolerance

Artigos relacionados

Últimas

Governo dos Açores abre aviso para cessação de atividade agrícola e instalação de jovens agricultores

O Secretário Regional da Agricultura e Florestas, João Ponte, afirmou hoje que será aberto um aviso específico destinado aos jovens que se queiram instalar pela primeira vez na Agricultura nos […]

Nacional

Milho Bt permitiu uma produção adicional de 1,89 milhões de toneladas na Península Ibérica

O economista agrícola Graham Brookes esteve recentemente em Portugal, num seminário promovido pelo Centro de Informação de Biotecnologia, para apresentar os resultados de um estudo de impacto económico do milho Bt nas economias portuguesa e espanhola. […]

Projetos em curso

Hortofruticultura – Polimax

Polimax – Promoção e aumento da eficiência da Polinização entomófila em macieiras, pereiras e cerejeira