AgroVida junho – Biliões que excluem as PME do pescado – editorial de Teresa Silveira

AgroVida junho – Biliões que excluem as PME do pescado – editorial de Teresa Silveira

Os números volumosos que envolvem milhões, biliões ou triliões tendem a iludir-nos e a toldar-nos o raciocínio.

A Comissão Europeia revelou, na última semana, a última proposta de envelope financeiro para 2021-2027: conterá 1,85 biliões de euros, dos quais 1,1 biliões oriundos do orçamento comunitário e os restantes 750 mil milhões de um Fundo de Recuperação que o Conselho Europeu concordou criar com dívida europeia comum, para salvar a Europa e os setores e áreas geográficas mais fustigadas pela hecatombe económica gerada pela pandemia da Covid-19.

As estimativas dos serviços técnicos da Comissão atribuem a Portugal 15,53 mil milhões de euros até 2027em subvenções (a fundo perdido) e 10,84 mil milhões sob a forma de empréstimos.

Não esqueçamos: é, ainda, uma proposta. Carece de unanimidade dos 27 países da UE e está longe de estar fechada nos atuais moldes e valores, ou não fossem conhecidas as sérias reticências à solidariedade europeia dos Países Baixos, Áustria, Dinamarca e Suécia, o chamado grupo dos frugais.

Uma má notícia parece, porém, certa no futuro orçamento: as micro, pequenas e médias empresas (MPME) de transformação de pescado vão ficar excluídas dos apoios a fundo perdido no próximo QCA.

Ainda que o Ministro do Mar – visivelmente incomodado – venha dizer que estas MPME, até aqui apoiadas a fundo perdido, podem vir a aceder a empréstimos, com bonificações de juros e garantias do Estado ou através de capital de risco, não é a mesma coisa. Todos sabemos: um apoio a fundo perdido não tem de ser devolvido e um empréstimo, mesmo em condições vantajosas, tem de ser integralmente reembolsado e com juros.

No conjunto do agroalimentar, a transformação de pescado, conservas de peixe sobretudo, não é de somenos. Mostrou, aliás, a sua relevância económica durante esta pandemia. “Multiplicámos os pedidos aos fornecedores, criámos planos de contingência e prevenção em todas as linhas de produção e privilegiámos o abastecimento dos mercados nacionais face aos internacionais”, disse à “Vida Económica” em abril José Maria Freitas, Presidente da ANICP – Associação Nacional dos Industriais de Conservas de Peixe.

São hoje 15 unidades industriais (já foram cerca de 400 no início do século passado), empregam mais de 3500 pessoas e faturam mais de 300 milhões. As exportações valem 226 milhões (2019) e o atum, cavala e sardinha são os seus maiores volumes.

Excluir das subvenções estas empresas portuguesas, sabendo que as importações do setor já valem 207 milhões e estão a crescer, é enfraquecer a indústria nacional, retirar-lhe vantagem competitiva e abrir a porta ao desequilíbrio da balança comercial.

→ Suplemento AgroVida de junho de 2020 ←

Comente este artigo
Anterior Lista de espera com 2.500 pessoas para cultivar uma horta no Grande Porto
Próximo Empresa de Ambiente do Pinhal Interior faz recolha seletiva de lixo orgânico na Lousã

Artigos relacionados

Últimas

Portugal Tasting no Melting Gastronomy Summit

De 14 a 16 de novembro o Portugal Tasting esteve no Melting Gastronomy Summit […]

Sugeridas

Reportagem RTP. Condições de vida dos imigrantes em Odemira

As condições de higiene que a reportagem da RTP foi encontrar num alojamento de imigrantes em Odemira são deploráveis. Num compartimento pequeno vivem oito […]

Últimas

Oferta de emprego – Técnico Comercial Agrícola – Engenheiro Agrónomo – Trás-os-Montes e Alto Douro

Descrição: Somos uma empresa especializada na venda de fatores de produção agrícola e de serviços de consultoria, e pretende admitir para reforço da sua equipa um Técnico Comercial para a zona do Alto Douro Vinhateiro e Trás-os- […]