Agricultura. Pandemia agravou condições de vida de imigrantes no Alentejo

Agricultura. Pandemia agravou condições de vida de imigrantes no Alentejo

A pandemia e a instabilidade laboral estão a deixar muitos imigrantes, que trabalham os campos no Alentejo, na mendicidade. Alguns ocupam casas vazias, outros podem perder o local onde vivem.

A pandemia, a antecipação da apanha da azeitona e a exploração de empresas de prestação de serviços estão a deixar muitos imigrantes que trabalham os campos no Alentejo em condições aflitivas. Ao Público, Isaurindo de Oliveira, presidente da Cáritas Diocesana de Beja, comenta a instabilidade laboral e o facto de grande parte destes imigrantes que trabalham na agricultura ter contratos sazonais e receber entre 2,5 a 3,5 euros por hora.

Os contratos de trabalho, com referência ao salário mínimo, “são pagos à hora, noutros [casos] à semana, à quinzena ou ao mês e, às vezes, com atrasos e irregularidades”, diz o presidente da Cáritas.

Continue a ler este artigo no Observador.

Comente este artigo
Anterior Oferta de emprego - Diretor de Fertirrega e Fitossanidade - Engenheiro Agrónomo - Alentejo Litoral
Próximo POSEI. Ilídia Quadrado defende reforço nos apoios aos produtores açorianos

Artigos relacionados

Nacional

Eduardo Cabrita diz que capacidade no combate aos fogos “é plena”

O ministro da Administração Interna disse esta segunda-feira que a capacidade no combate dos incêndios “é plena”, revelando que a […]

Opinião

Só existe um “mundo” – Nuno Oliveira

A ideia de que existe um “mundo rural” e um “mundo urbano”, monolíticos, opostos e autónomos é reveladora da realidade de que poucos clientes conhecem a realidade dos agricultores […]

Últimas

Incêndios: População de Bustelo no concelho de Ovar de regresso a casa

Moradores retirados hoje de suas casas em Bustelo, concelho de Ovar, no distrito de Aveiro, devido a um incêndio, já estão a regressar às habitações, […]