Agricultura não pode parar! – João Dinis

Agricultura não pode parar! – João Dinis

A Agricultura não pode parar com especial atenção pela Agricultura Familiar. É que falar em Agricultura é falar em alimentação, e quando se produz bens agroalimentares em proximidade com o consumo, isso é uma mais-valia. E em tempos de crise, mais ou menos aguda, ainda é mais estratégico.

A Agricultura Familiar também é decisiva para o Mundo Rural. E o problema no Mundo Rural Português não é haver Agricultura Familiar a mais, é havê-la a menos.

As ruas da minha Aldeia não são como as ruas de Lisboa, Madrid, Uhan. As ruas da minha Aldeia andam vazias e a maioria das suas casas está oca de Gente e desde há já vários anos. E as ruas de Lisboa e Madrid, agora já menos Uhan, estão com falta de Gente também porque até há dois meses atrás andavam com (muita) Gente a mais…

O maior problema das ruas da minha Aldeia continua a ser o não nos cruzarmos com alguém horas e horas a fio… É uma tristeza !

Nas ruas da minha Aldeia, podemos espirrar constipados que não “infectamos” o vizinho…porque este vive a pelo menos 50 metros de nós… Por isso mesmo, não podem violar a singeleza da minha Aldeia e enfiá-la num vestido forçado, assim como um “colete-de-forças” sanitário ou não.

O maior “inimigo” do Mundo Rural continuam ser o isolamento, a desertificação humana e ambiental.

Porém, por causa de um “bicho ruim” (pior que as cobras…), o tal “corona vírus” na sua estirpe “covid 19”, vieram obrigar-nos a irmos para a gaiola. “Fiquem em casa !” – dizem-nos. E porque quem nos diz isso são “homens honoráveis”, e nos dizem que é para nosso bem, nós acomodamo-nos, e ficamos por casa. Mas, assim, mais aumenta o isolamento…

Sim, a Agricultura não pode parar !

Para os campos da minha Aldeia eu quero ir. Eu quero enfiar as mãos pela terra dentro, e cheirá-la, e prepará-la para que ela produza aquelas “pérolas” que eu e os meus, e outros ainda, poderemos comer, até sem ter de as lavar, a muitas delas. E por produzirmos esses Produtos, em família, não teremos que ir comprar outro tipo de comida, lá mais para o Verão, nos grandes hipermercados “carregados” de Gente a atropelar-se com os carrinhos das compras… Assim, têm menos lucros esses hipermercados. Paciência, até porque “eles” gostam de se travestir de instituições de caridade aliás como agora volta a acontecer…

Para os campos da minha Aldeia eu quero ir a espairecer !

Eu quero ir para os campos da minha Aldeia onde os pássaros do campo não sabem do tal “bicho ruim” e voam e cantam e gritam alto apenas confinados ao desenho do seu voo. Não querem gaiolas ainda que lhes digamos que é para os proteger das intempéries…

Eu sou como os pássaros do campo. Fujo de gaiolas. O meu problema é que já aprendi a voar sozinho de tão poucos “pássaros do campo”, como eu, já haver nos campos da minha Aldeia.

Sim, também em tempos de crise :

Viva a Agricultura Familiar !

João Dinis

Membro da Direção da CNA, Confederação Nacional da Agricultura

Comente este artigo
Anterior Bem-vindos à agricultura!
Próximo Continúa la estabilidad en los precios en origen del aceite

Artigos relacionados

Últimas

Vasco Cordeiro destaca “empenho” dos agricultores açorianos

“Se estivéssemos a viver tempos normais, estaríamos hoje a celebrar o Dia Nacional da Agricultura, numa iniciativa conjunta da Associação Agrícola de São Miguel e da Confederação dos Agricultores de Portugal. […]

Nacional

TOP 3 – Atelier de Hortofruticultura

A Inovisa e o Crédito Agrícola dão inicio à 4ª Edição do Prémio Empreendedorismo e Inovação Crédito Agrícola. O primeiro encontro teve lugar na Cooperativa de Alcobaça com o workshop dedicado à fileira Hortofruticultura. Os 3 projetos mais votados foram os […]

Últimas

MAI diz que Portugal é parceiro ativo na construção do Mecanismo Europeu de Proteção Civil

“Portugal já tem módulos registados na Reserva Europeia de Proteção Civil” e a possibilidade de prestação de ajuda internacional “não está […]