Agricultura madeirense cresceu 18% em 2018

Agricultura madeirense cresceu 18% em 2018

A agricultura da Madeira registou um crescimento de 18% em 2018. De acordo com o JM Madeira, os números foram avançados pelo presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, que afirmou ainda que os dados mostram que a região “está a crescer em todas as áreas da agricultura, com mais rendimento para os agricultores, melhor produção e melhor colocação no mercado”.

As declarações foram proferidas à margem de uma visita à Feira Agropecuária do Porto Moniz, que decorreu durante este fim de semana.

Miguel Albuquerque aproveitou também a ocasião para agradecer o contributo de todos os técnicos e funcionários da Direção Regional de Agricultura, que, ao longo dos últimos anos, “têm feito um trabalho extraordinário”.

Recorde-se que, no início do ano, o presidente do Governo Regional da Madeira reforçou o seu compromisso com “o apoio à agricultura” da região, garantindo a concessão de apoios e ainda a intenção de criar, em cada um dos concelhos da região, uma ‘Loja do Agricultor/Balcão SRAP’ para descentralizar alguns serviços da Secretaria da Agricultura e Pescas.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural .

Anterior Acabou-se o plástico. Embalagens da Tetra Pak passam a ter palhinhas de papel
Próximo Cotações – Cortiça – Informação Semanal – 8 a 14 Julho 2019

Artigos relacionados

Eventos máquinas agrícolas

Prevenção de Acidentes Agrícolas com Tratores e Máquinas Agrícolas – 15 de Março 2018 – Sernancelhe

A CONFAGRI, em colaboração com a ADIVAT – Associação de Desenvolvimento Integrado Vale do Távora e a Caixa de Crédito Agrícola de Vale do Távora e Douro realizam, […]

Últimas

Agricultura biológica. Formandos da TAGUS visitam EDPRA

Os alunos do curso de operador agrícola – agricultura biológica visitaram a Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes, com a TAGUS. […]

Nacional

No Tejo, Espanha deve cumprir com Portugal o mesmo a que se obriga internamente

A semana passada ficou marcada por mais um stress hídrico no Tejo. Parece um déjà vu, uma repetição daquilo que aconteceu na seca de 2017. […]