‘Agricultura do futuro’ poderá produzir alimentos com base na tecnologia RNAi

‘Agricultura do futuro’ poderá produzir alimentos com base na tecnologia RNAi

[Fonte: Vida Rural]

Foi na passada semana que se realizou a terceira edição da conferência anual iPlanta, um evento promovido pelo Centro de Informação de Biotecnologia (CiB) e pelo Laboratório de Biotecnologia de Células Vegetais do ITQB Nova. Em debate esteve o futuro da agricultura e da produção de alimentos, nomeadamente a tecnologia RNAi, da Drozophilla Suzukii, uma mosca da fruta que é responsável pela perda de vários tipos de frutos e que não é possível controlar com pesticidas tradicionais.

Cerca de 120 investigadores, de 26 países, debateram, assim, “as potencialidades do uso de RAN de interferência (RNAi) na agricultura – seja por modificação genética seja por aplicação tópica de moléculas – e divulgaram os aspetos científicos e técnicos desta tecnologia, de forma a se efetivar a sua utilização na proteção das culturas agrícolas contra pragas e doenças.”

Foram ainda apresentadas novas estratégias para a utilização de pequenos RNA ou de RNA de cadeia dupla para o controlo de pragas e doenças em culturas agrícolas, assim como aspetos relacionados com a regulamentação e segurança destas tecnologias e o seu interesse para a atividade agrícola.

Pedro Fevereiro, presidente do CiB, Professor Auxiliar do Departamento de Biologia Vegetal na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e Diretor do Laboratório do Grupo de Biotecnologia Vegetal no ITQB NOVA, sublinha que apesar destas soluções já se encontrarem numa fase de pré-comercialização, os investigadores esperam agora que estas tecnologias não sejam consideradas, na União Europeia, mais arriscadas do que as técnicas convencionais de controlo de pragas e doenças, uma vez que “as biomoléculas em que se baseiam estas tecnologias são ubíquas e degradam-se rapidamente na natureza”.

Para o investigador, “as tecnologias baseadas nestas biomoléculas têm um enorme potencial, não só porque terem uma ação mais específica para as pragas e doenças que se pretende controlar, mas também por serem seguras, quer para os organismos não alvo, quer para o ambiente.”  porque as biomoléculas em que se baseiam estas tecnologias são ubíquas e degradam-se rapidamente na natureza. Além disso, os diferentes organismos, incluindo o Homem, têm uma enorme familiaridade com estas biomoléculas.”

Comente este artigo

O artigo ‘Agricultura do futuro’ poderá produzir alimentos com base na tecnologia RNAi foi publicado originalmente em Vida Rural.

Anterior Reutilização da água na irrigação agrícola deverá aumentar com novas regras europeias
Próximo Un error informático deja sin pastos y con un menor ingreso por el cobro de la PAC a muchos ganaderos

Artigos relacionados

Últimas

Fogo em Pedrógão Grande destruiu 20 casas e afetou 100 postos de trabalho, dados provisórios

Lisboa, 22 jun (Lusa) — O incêndio que deflagrou no sábado em Pedrógão Grande destruiu totalmente cerca de 20 habitações e afetou uma centena de postos de trabalhos, […]

Últimas

Lactarius deliciosus e Lactarius chrysorrheus: as diferenças e a contribuição desta espécie comestível para o desenvolvimento socioeconómico do interior

[Fonte: Gazeta Rural]

Trabalho de José Luís Gravito Henriques, Eng.º Agrónomo, recentemente concluído onde, para além de outros aspectos, […]

Últimas

Trem de aterragem em baixo causou acidente com avião na barragem de Castelo de Bode

[Fonte: Correio da Manhã]

O relatório dos investigadores do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários sobre o acidente ocorrido a 3 de julho, […]