Agricultores temem falências e perdas de colheitas se greve continuar

Agricultores temem falências e perdas de colheitas se greve continuar

O presidente da Confederação dos Agricultores alertou este sábado para possíveis falências e perdas de colheitas caso a greve dos motoristas de matérias perigosas se mantenha, admitindo que o setor só estava preparado para resistir 3 a 5 dias.

“O setor estava preparado para resistir, sobreviver e trabalhar com calma durante 3,4 ou 5 dias”, disse à Lusa o presidente da Confederação de Agricultores de Portugal (CAP), Eduardo Oliveira e Sousa.

“Se agora for para continuar a greve por mais um período sem fim à vista, a situação pode complicar-se e eu nem sei o que é que pode acontecer”, admitiu, lembrando que “no setor agrícola, a consequência imediata é a perda total”.

Os motoristas de matérias perigosas cumprem hoje o sexto dia de uma greve convocada por tempo indeterminado, depois de ter falhado um acordo mediado pelo Governo numa reunião que durou cerca de 10 horas e terminou esta madrugada.

Face à situação, o presidente da CAP adiantou que os agricultores terão de apelar para o Governo.

“Se a greve for para se manter, vamos ter de fazer uma solicitação ao Governo no sentido de ponderar o significado de uma entrada em colapso de uma parte do setor, caso os serviços mínimos ou a requisição civil tenham falhas, assim como já tiveram”, afirmou.

Os produtos frescos, avançou, vão faltar no momento em que for interrompida a cadeia de ajuda mútua através das reservas feitas pelos agricultores.

“A principal preocupação que temos neste momento é o facto de estarmos em colheitas que não passam pelo frigorifico. Como não há possibilidade de criar uma espécie de espera, os produtos, a partir do momento em que não sejam colhidos ou transportados ou recebidos, estragam-se”, explicou Eduardo Oliveira e Sousa.

Neste momento, disse, “o setor está totalmente ao rubro”, já que “fica a depender, em absoluto, do funcionamento restrito quer dos serviços mínimos quer de uma requisição civil”.

Lembrando que é muito fácil falharem os serviços mínimos ou a requisição civil, o presidente da CAP avisou que o setor agrícola acabará por ser mais prejudicado do que o setor que está em litígio.

Se o plenário marcado para domingo pelo sindicato dos motoristas de matérias perigosas para discutir os próximos passos com os seus trabalhadores não suspender a greve, Eduardo Oliveira pretende pedir “uma reunião de urgência ao senhor primeiro-ministro” na segunda-feira.

“Vou-lhe dar este retrato, com valores, e ele é que nos tem de dizer a nós até que ponto o Governo está disposto a deixar que esta greve – que já ultrapassou uma luta laboral para passar a ser um braço de ferro contra o Governo – continuar”, referiu, acrescentando que “se a coisa se agravar, o Presidente da República terá também de ser chamado a pronunciar-se porque o país entrará numa situação muito complicada”.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Açoriano Oriental.

Anterior A “Iniciativa Liberal” e o ambiente: e se usarmos mais o cérebro A?
Próximo Rio diz que Costa estava de férias quando morreram “mais de 60 pessoas", primeiro-ministro nega

Artigos relacionados

Últimas

Bombeiros lamentam que Proteção Civil não tenha regularizado dívidas em 24 horas

“Não foram regularizados os pagamentos e alertamos os portugueses que, caso aconteça uma situação anormal, a responsabilidade deve ser única e exclusivamente atribuída à […]

Nacional

Apostar na ferrovia, acabar com os plásticos e reduzir as perdas de água. O plano do PS para o Ambiente

Estas são algumas das medidas que a direção dos socialistas acredita corresponderem ao caminho em discussão na Cimeira das Nações Unidas do Clima, […]

Nacional

Candidaturas abertas à Oficina do Empreendedor da IBR Guimarães

Etapa dirigida a qualquer pessoa que pretende lançar-se como empresário/a no ramo agrícola, pecuário, florestal, agroindustrial e serviços conexos.
A partir do dia 13 de janeiro, […]