Agricultores e campos de golfe abertos a usar águas residuais tratadas

Agricultores e campos de golfe abertos a usar águas residuais tratadas

[Fonte: TSF] Presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal alerta para problemas

A Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) não vê qualquer problema em usar águas residuais tratadas, como sugeriu esta quarta-feira o ministro do Ambiente devido à seca, para a rega. Em declarações à TSF, Eduardo Oliveira e Sousa, presidente da confederação, destaca ainda que essa “não é a solução” para o problema da seca.

“É impossível pensar que a agricultura do futuro no nosso país possa ser abastecida maioritariamente com água proveniente desses tratamentos”, atirou.

O presidente da CAP explica que “não há volume [de água] suficiente” para essa solução, ao qual se juntam os “custos associados” à utilização dessa água. Assim Eduardo Oliveira e Sousa explica que esse recurso pode ser utilizado “em regime de proximidade da origem” e em “regime de culturas ou atividades que tenham um valor acrescentado elevado”.

Exemplos deste último regime são a “rega dos campos de golfe” e “alguma agricultura mais intensiva, como estufas”.

Campos de golfe têm evoluído

Depois da reunião interministerial desta quarta-feira, sobre a seca, tanto o ministério do Ambiente como o da Agricultura pediram maior eficiência no consumo de água nas autarquias, na agricultura e no turismo algarvio, em concreto nos campos de golfe.

No que diz respeito a estes últimos, o secretário-geral da Federação Portuguesa de Golfe, Miguel Franco Sousa, explica que em perto de 40 campos de golfe, apenas dois ou três são regados com água tratar por uma ETAR e garante que já foram tomadas medidas para reduzir o consumo de água.

“O consumo de água dos campos de golfe do Algarve ronda os 2% do consumo total de água na região”, explica o secretário-geral, que classifica o consumo de “muitíssimo baixo” em relação ao total.

Um campo de golfe consome cerca de 400 mil metros cúbicos de água por ano, ainda assim “menos 30% do que há 15 anos”.

Entre as medidas tomadas para melhorar o consumo dos campos está “a escolha de um tipo de relva mais adequado à região”, que exigem menos água, a diminuição da área relvada e a crescente eficiência dos sistemas de rega utilizados.

Comente este artigo
Anterior João Ponte: Diversificação agrícola nos Açores tem grande potencial para continuar a crescer
Próximo III Fórum da Pioneer®, a divisão de sementes da Corteva Agriscience™, junta mais de 750 agricultores em Santarém

Artigos relacionados

Nacional

Área Demarcada para a Xylella fastidiosa foi redefinida após novas deteções

Na sequência da primeira deteção da presença da bactéria Xylella fastidiosa subsp. multiplex (janeiro 2019) numa sebe ornamental de Lavandula dentata, em Vila Nova de Gaia, […]

Sugeridas

UÉ desenvolve ferramenta inovadora de zootecnia de precisão

A Universidade de Évora (UÉ) desenvolveu uma ferramenta pioneira que utiliza tecnologia “smart-sensing” […]

Sugeridas

Colheita da amêndoa confirma aumento de produção em 55%

A colheita da amêndoa veio confirmar o expressivo aumento de produção inicialmente previsto, estimando-se que possa atingir as 34 mil toneladas (55% acima do valor alcançado em 2018), […]