Agricultores dos Açores recebem 22 ME de ajudas no último dia do ano

Agricultores dos Açores recebem 22 ME de ajudas no último dia do ano

[Fonte: Açoriano Oriental]

No caso concreto do POSEI, os pagamentos correspondem à ajuda aos produtores de ananás, à ajuda aos produtores de culturas arvenses, ao prémio à vaca leiteira e à vaca aleitante, ao suplemento ao prémio aos produtores de leite, ao prémio ao abate de bovinos relativo ao primeiro semestre e ao prémio aos produtores de ovinos e caprinos, o que totaliza 18,4 milhões de euros, dos quais 692 mil euros são verbas próprias da Região.

 Quanto ao PRORURAL+, estão em causa as medidas agroambiente e clima, agricultura biológica e o pagamento do valor relativo à manutenção da atividade agrícola em zonas desfavorecidas.

Os pagamentos do PRORURAL+ aos agricultores açorianos totalizam 3,3 milhões de euros, dos quais 465 mil euros são fundos próprios da Região.

 As medidas do PRORURAL+ visam compensar os meios de produção mais amigos do ambiente, nomeadamente a agricultura biológica e a manutenção da atividade agrícola em zonas desfavorecidas, contribuído também para o desenvolvimento económico e para a fixação das populações em meios rurais.

 Já a atribuição das ajudas no âmbito do POSEI insere-se numa política europeia de compensação pela produção em zonas desfavorecidas e ultraperiféricas, assim como pela produção de géneros alimentícios de qualidade a preços acessíveis a todos os consumidores.

 Recorde-se que, este mês, a Comissão Europeia aprovou todas as propostas de alteração ao POSEI para 2019 apresentadas pelos Açores, à semelhança do ocorrido em 2017 e 2018, uma decisão que se revela muito positiva para os agricultores, permitindo dar continuidade  ao ajustamento das ajudas à dinâmica de crescimento e a garantir a sustentabilidade do setor agrícola na Região, com, por exemplo, a introdução de critérios de discriminação positiva das pequenas produções e de majoração de produções de qualidade.

 Assim, em 2019, o POSEI terá um financiamento de quase 70,3 milhões de euros da União Europeia, a que acrescem 4,8 milhões do Orçamento Regional.

 Como é público, a dotação orçamental comunitária do POSEI nos Açores tem-se revelado insuficiente para fazer face ao crescimento que as produções agrícolas têm registado, originando rateios em algumas produções, e até 2020 o valor do orçamento comunitário deste programa irá manter-se inalterável.

 O Governo dos Açores continuará a trabalhar junto das instâncias nacionais e europeias pelo reforço da dotação orçamental para o POSEI 2021-2027, apesar de já estar assegurada a manutenção do atual envelope financeiro.

Comente este artigo

O artigo Agricultores dos Açores recebem 22 ME de ajudas no último dia do ano foi publicado originalmente em Açoriano Oriental

Anterior O leite já é nacional, falta o preço justo - Carlos Neves
Próximo Juntos por los Bosques denuncia la marginación de los espacios forestales en la aplicación de la PAC

Artigos relacionados

Sugeridas

Adiantamentos pedido único da campanha 2017

[Fonte: IFAP]
Em 30 de outubro de 2017, o IFAP procedeu aos pagamentos dos adiantamentos de 70% nos Pagamentos Diretos e 75% nas ajudas do Desenvolvimento Rural, previstos no Calendário Indicativo de Pagamentos publicitado no Portal, num montante de 434 milhões de euros. […]

Últimas

Douro indignado com mais área de vinha

[Expresso] Lavoura e comércio insurgem-se contra a decisão do Governo de aumentar a mancha de plantação. São só 150 hectares, mas é um sinal “de desprezo e desrespeito” pela região.
Os agentes vitivinícolas do Douro estão revoltados com o Ministério da Agricultura. Lavoura e comércio insurgem-se contra a decisão de aumentar em 150 hectares a mancha plantada e já escreveram a reivindicar a revogação da portaria que choca com as recomendações do Conselho Interprofissional (CI) e pressiona os produtores de uma região com um excesso de 40 milhões de litros por colheita. […]

Últimas

Quatro em cada 10 pessoas comem doces todos os dias

Lisboa, 25 jul (Lusa) — Quatro em cada 10 pessoas inquiridas pela Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor comem doces todos os dias, com o chocolate no topo da lista, e a maioria consome menos fruta e legumes do que devia.

Comente este artigo
#wpdevar_comment_6 span,#wpdevar_comment_6 iframe{width:100% !important;} […]