Agricultores do Baixo Alentejo: Reitor de Coimbra “está a ensinar o quê? O fundamentalismo? A imprecisão?”

A FAABA — Federação das Associações de Agricultores do Baixo Alentejo “reclama ética e honestidade intelectual em defesa do sector agrícola”. Critica o Reitor da Universidade de Coimbra e o primeiro-ministro, António Costa, que também já defendeu a “abolição da carne nas refeições oficiais do Governo”.

Em reacção às declarações do reitor da Universidade de Coimbra que decidiu acabar com a carne de vaca nas ementas das cantinas escolares, os agricultores do Baixo Alentejo questionam: “a informação descontextualizada, por parte de uma instituição universitária está a ensinar o quê? O fundamentalismo? A imprecisão? Ou pode ter uma leitura de imposição em vez do estímulo ao aprofundar do conhecimento?”.

A FAABA defende “honestidade intelectual. Trabalho conjunto. Empenho político que valorize as boas práticas dos agricultores porque estes são os principais interessados e estão na linha da frente no combate às alterações climáticas”.

Costa sem carne nas refeições oficiais

E lamenta “profundamente as afirmações do reitor da Universidade de Coimbra, bem como as declarações públicas nesta quarta-feira, do primeiro-ministro de Portugal sobre a abolição da carne nas refeições oficiais do Governo”.

“O primeiro-ministro, mesmo enquanto candidato, deveria defender um sector tão importante e tão relevante em termos económicos, ambientais e sociais como é a pecuária nacional. E a agricultura no seu todo”, dizem aqueles agricultores.

“Promoção de inverdades”

Diz a FAABA, em comunicado que “o Homem é um animal racional. Um homem, ou uma mulher, com responsabilidades políticas ou académicas, entre outras, é um cidadão comprometido com questões éticas. Declarações infundadas, precipitadas, sensacionalistas, com promoção de inverdades, só porque caem bem na opinião pública são, no mínimo, escandalosas. Para não dizermos puníveis”.

É, por isso, com “profunda indignação” que a Federação reage às declarações do reitor da Universidade de Coimbra, na abertura de mais um ciclo académico “perante os seus alunos, e perante os cidadãos, cada vez mais incrédulos do nosso País”.

Relembre-se que o Reitor explicou que a carne de vaca será substituída “por outros nutrientes que irão ser estudados, mas que será também uma forma de diminuir aquela que é a fonte de maior produção de CO2 que existe ao nível da produção de carne animal”.

Sequestro de dióxido de carbono

“Tais declarações, apresentadas de forma descontextualizada, configuram-se enganosas. Embora seja reconhecida a emissão de gases de efeito de estufa (GEE) por parte dos bovinos, também importa salientar que os sistemas de produção desta espécie, associados ao pastoreio, contribuem de forma muito positiva para o sequestro de dióxido de carbono e para o aumento da matéria orgânica e fertilidade dos solos”, realça o comunicado da Federação.

Para os Agricultores do Baixo Alentejo, a produção de conhecimento baseado na investigação científica está entre os alicerces mais importantes de uma instituição universitária. “É, por essa razão, muito grave, que o representante da Universidade de Coimbra veicule alarmismo, possa colocar em causa princípios de rigor científico e proferir afirmações sem sustentação objectiva”.

“Emergência climática”

“Vivemos um tempo de “emergência climática”. Sim, e declarações infundadas e alarmistas a este respeito colocam em causa o desenvolvimento do sector agrícola no seu todo, a sua rentabilidade, o equilíbrio do espaço rural, a produção nacional e a soberania alimentar do País”, realçam aqueles agricultores.

Para a FAABA, a emergência climática é uma questão científica mas é também política. E pode tornar-se “uma emergência social se não forem criados mecanismos que combatam a falácia e a desinformação. Há estudos de universidades europeias que já fazem referência negativa aos efeitos globais de uma alimentação puramente vegetal, nomeadamente às suas nefastas consequências mundiais a nível económico, ambiental e nutricional”.

Dieta mediterrânica

Acrescenta o comunicado da Federação que “há evidência científica que demonstra os benefícios ambientais e sociais da actividade agrícola no combate à desertificação, ao despovoamento rural e à promoção da biodiversidade nos nossos ecossistemas. Estão comprovadas as mais-valias do pastoreio e das pastagens, na prevenção contra incêndios, no enriquecimento do solo em matéria orgânica, no seu contributo objectivo para o sequestro de carbono e para as metas da neutralidade carbónica, conforme preconizado no Roteiro Nacional sobre esta matéria”.

Por outro lado, há reconhecidas organizações internacionais a “demonstrar que o consumo adequado de carne é benéfico para a saúde. Prova disso é a distinção da dieta mediterrânica, onde se inclui a carne de vaca, como uma das mais saudáveis e equilibradas do mundo, agora inscrita pela UNESCO na lista representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade”.

Agricultura e Mar Actual

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Anterior FAABA reclama ética e honestidade intelectual em defesa do setor agrícola
Próximo Sapec Agro Business passa a ser Rovensa

Artigos relacionados

Últimas

Regantes precários no EFMA

A conclusão da Barragem de Alqueva veio criar expectativas de disponibilidades de água para todos os fins e no âmbito agrícola um factor de produção sem constrangimentos, […]

Sugeridas

Presidente da CAP critica falta de interesse dos políticos pela agricultura

[Fonte: Diário de Notícias]
O presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) criticou hoje a falta de interesse pelo setor por parte dos deputados no parlamento nacional e europeu, […]

Nacional

Produção mundial de vinho atinge os 292,3 milhões de hectolitros em 2018

A produção mundial de vinho atingiu, em 2018, os 292,3 milhões de hectolitros (mhl), segundo dados recentes da Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV), […]