Agência do Ambiente diz que Espanha cumpriu caudais acordados para o rio Tejo

Agência do Ambiente diz que Espanha cumpriu caudais acordados para o rio Tejo

A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) avançou hoje que Espanha obedeceu à Convenção de Albufeira no ano hidrológico 2018/2019, pelo que o caudal integrado obtido no final de cada trimestre “foi cumprido”.

Em comunicado, a APA refere que “tudo parece indicar o cumprimento do regime de caudais anuais definido na Convenção em ano sem condições de exceção”, apesar de o boletim anual a realizar pelas partes “ainda estar em execução e validação de informação” para ser aprovado.

“De acordo com a informação neste momento existente, sendo que o último trimestre está ainda em validação, houve cumprimento dos regimes semanais, trimestrais e tudo parece indicar que o valor anual previsto na Convenção para a secção à entrada de Portugal também foi”, pode ler-se no esclarecimento da APA.

Segundo o organismo, o regime anual “foi cumprido no limite” e, por isso, a validação dos dados “é essencial para perceber este facto”.

O proTejo – Movimento pelo Tejo alertou na segunda-feira que Espanha não cumpriu a Convenção de Albufeira no ano hidrológico 2018/2019, que terminou em setembro, apontando menos água lançada no Tejo e prejuízos económicos e ambientais decorrentes dos baixos caudais.

“Neste ano hidrológico, que começou em outubro de 2018 e terminou em setembro de 2019, Espanha não cumpriu com os caudais acordados com o nosso país na Convenção de Albufeira, isto apesar das enormes descargas de água que realizaram nos meses de agosto e setembro, um terço do total do caudal previsto para todo o ano hidrológico, na tentativa de alcançar o seu cumprimento”, disse na segunda-feira à Lusa Paulo Constantino, porta-voz do movimento ambientalista com sede em Vila Nova da Barquinha, no distrito de Santarém.

De acordo com o comunicado da APA, o regime de caudais trimestrais, tendo por base os caudais afluentes a Fratel, “foram cumpridos”, assim como o regime de caudais semanais “também foi cumprido”.

A APA avança ainda que, quando Portugal foi informado da pretensão de Espanha para cumprir o regime anual da Convenção “à custa da descida no nível em Cedillo sem qualquer compensação de montante foram enviadas várias notas e solicitação de esclarecimentos a Espanha”.

“A ausência de precipitação condiciona fortemente as afluências, no entanto, os caudais na secção de fronteira não estão a zero”, esclarece o documento.

Segundo a APA, a nível nacional foi determinado à concessionária das barragens de Fratel e Belver “o lançamento de um volume mínimo diário que tem sido cumprido, a jusante de Belver desde junho de 2017”.

Ainda de acordo com a Agência Portuguesa do Ambiente, a informação veiculada na segunda-feira pelo Movimento pelo Tejo refere-se “a uma estação de um rio afluente à albufeira de Cedillo na parte espanhola da bacia e não aos caudais lançados para Portugal, nem ao volume da albufeira de Cedillo”.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24 .

Anterior No ‘magical’ alternative to glyphosate in the next 5 years, Bayer official says
Próximo Programa Apícola Nacional 2020-2022

Artigos relacionados

Comunicados

Portugal e a produção de leite – até quando ficaremos na cauda da Europa?

O que irá acontecer com a produção de leite no futuro? Numa Europa de 28 é aceitável que Portugal seja o país da União Europeia com o MENOR preço pago ao produtor, […]

Dossiers

Criada Associação Portuguesa de Ciência Avícola para promover “conhecimento avícola”

Portugal conta agora com uma Associação Portuguesa de Ciência Avícola (APCA). De acordo com a organização, esta associação nasce da “necessidade de criar um espaço de debate sobre Ciência Avícola, […]

Nacional

Proença-a-Nova: Centro Ciência Viva da Floresta apresenta “Cogumelos em Selos”

São mais de 2.500 os selos de diferentes cogumelos de dezenas de países e mais de 750 as peças filatélicas, entre blocos, […]