Açores: Vigilantes da Natureza têm drones para monitorização e fiscalização ambiental

A secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo dos Açores entregou hoje, 4 de Julho, no Faial, nove drones ao corpo de Vigilantes da Natureza para uso em acções de monitorização e fiscalização ambiental, permitindo a disponibilidade de um por cada ilha dos Açores.

“Estes equipamentos versáteis, facilmente transportáveis e robustos, equipados com câmaras termográficas, permitem, através da obtenção de dados térmicos, uma acção mais eficaz na monitorização, vigilância e fiscalização em áreas protegidas, na rede hidrográfica e no território em geral, bem como em acções de localização de pessoas em zonas densamente arborizadas ou de difícil acesso”, salientou Marta Guerreiro.

Formação dos Vigilantes da Natureza

A governante, que falava na entrega dos drones, no dia em que decorreu a formação dos Vigilantes da Natureza para a sua utilização, sublinhou “o investimento do Governo dos Açores no reforço da capacidade técnica e operativa dos Serviços de Ambiente, com destaque para o corpo de Vigilantes da Natureza”.

Nesse sentido, apontou como exemplo o facto de, nos últimos anos, o efectivo do corpo de Vigilantes da Natureza dos Açores ter sido aumentado em 50%, contando actualmente com 44 elementos.

A titular da pasta do Ambiente adiantou que estão em curso procedimentos para a contratação de mais oito Vigilantes da Natureza ainda este ano.

Para além do aumento do corpo de Vigilantes, a Secretária Regional reforçou o investimento feito na sua capacitação e equipamento, quer através do ajustamento dos uniformes às suas necessidades, quer na aquisição, até ao momento, de 10 viaturas eléctricas.

Disponibilização de equipamentos móveis

Marta Guerreiro salientou também a disponibilização de equipamentos móveis, com características para trabalho em ambiente natural, desmaterializando todos os formulários, bem como a utilização do SICAMB – Sistema Integrado de Comunicações dos Serviços de Ambiente, enquanto rede de comunicação digital de apoio à fiscalização e vigilância e de resposta a emergências e catástrofes.

A secretária Regional destacou o papel dos Vigilantes da Natureza, que todos os dias se encontram no terreno “na gestão cuidada e permanente do património ambiental de todas as ilhas do arquipélago”.

“Não é possível dissociar a qualidade ambiental que temos – e que ambicionamos manter – da actividade dos Vigilantes da Natureza, que, tanto estão na primeira linha na detecção e resolução dos pequenos problemas ambientais que ainda ocorrem nas nossas ilhas, a desempenhar actividades de sensibilização ambiental, de recuperação de habitats ou espécies ou a prestar informações a residentes e turistas sobre as nossas áreas protegidas, os trilhos pedestres ou o património natural”, frisou Marta Guerreiro.

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior AGRIBUSINESS: 6ª Edição da Pós-Graduação - ISEG em parceria com o ISA e a CONSULAI
Próximo “Num futuro próximo a carne será paga também com base na sua qualidade”

Artigos relacionados

Nacional

Multinacionais comprometem-se a agir para proteger a biodiversidade

Chama-se ‘One Planet Business for Biodiversity’ (OP2B) e foi apresentada esta segunda-feira (23 de setembro) pelo CEO da Danone, Emmanuel Faber, […]

Últimas

Mudanças à mesa. Alterações climáticas já estão a ter impacto na nossa produção de alimentos

Numa década, o mapa agrícola mundial já não será o mesmo, tornando alguns produtos mais caros, outros mais raros, e muitos deles diferentes. Como, afinal, isso afetará as nossas refeições […]

Nacional

Alentejo prevê subida na produção de vinho

ALENTEJO PREVÊ SUBIDA NA PRODUÇÃO DE VINHO
A região do Alentejo poderá ter na vindima deste ano um aumento entre 5% e 10% na produção de vinho, […]