Açores associam-se a projeto internacional sobre mercados agrícolas e artesanais

Açores associam-se a projeto internacional sobre mercados agrícolas e artesanais

A Secretaria Regional da Agricultura e Florestas dos Açores celebrou um acordo com entidades da Madeira, das Canárias e do Senegal para execução do projeto “Mercamarkt” que visa melhorar a competitividade dos mercados agrícolas e artesanais, foi hoje anunciado.

Segundo uma nota do Gabinete de Apoio à Comunicação Social do Governo dos Açores, entre as atividades previstas no decurso deste projeto está a análise da procura e da oferta dos mercados, do impacto económico, ambiental e social destes espaços de consumo, assim como a definição de um programa de modernização dos mercados agrícolas e artesanais e outro de apoio direto aos produtores, através de ajuda técnica e comercial.

Feiras para promoção de produtos locais, demonstrações culinárias utilizando os produtos locais, campanhas nas escolas para valorizar o papel do agricultor na criação dos alimentos, manutenção dos agroecossistemas e valorização da designada “fruta feia” – ou seja, aquela que é rejeitada pela comercialização por ter um aspeto menos apelativo, mas que em nada compromete a qualidade – são outras das ações previstas.

A Direção Regional da Agricultura pretende ainda avançar com campanhas publicitárias, folhetos, ‘outdoors’, ‘workshops’ formativos para os agricultores na área da fruticultura subtropical e provas de degustação de produtos locais, como banana, maracujá, ananás, vinho, chá e as compotas, em grandes superfícies comerciais dentro e fora dos Açores.

Este projeto, que decorre no âmbito do Programa de Cooperação Territorial INTERREG V-A, tem como “objetivo principal repensar o conceito de mercados agrícolas, através da investigação, participação e cooperação, definindo um plano de competitividade para os mercados, para os produtores e melhorando a comercialização dos produtos locais”, explica o executivo açoriano.

Com duração aprovada até 2022, este projeto internacional conta com um orçamento global de 1,3 milhões de euros e um total de 12 sócios, na sua maioria Câmaras Municipais e outras entidades públicas dos Açores, da Madeira, das Canárias e do Senegal.

De acordo com a nota, nos Açores participam como sócios a Direção Regional de Agricultura e a Câmara Municipal de Vila Franca do Campo, em São Miguel, num projeto que visa também o “aumento da venda de produtos locais”.

O artigo foi publicado originalmente em Açoriano Oriental.

Comente este artigo
Anterior Produção de laranja atinge nível mais elevado em mais de 30 anos em 2018
Próximo O seu carro é a gasóleo? Combustível é responsável pela desflorestação e morte de animais

Artigos relacionados

Nacional

A floresta, para quem não a trabalha – Daniel Deusdado

[Fonte: DN] Era uma frase revolucionária: “A terra, para quem a trabalha”. Pudéssemos pegar nela e transformá-la para a floresta portuguesa e daríamos um salto civilizacional. […]

Nacional

Incêndios. Quinze aldeias da freguesia de Cardigos, Mação, ameaçadas pelas chamas

Quinze aldeias das 23 existentes na freguesia de Cardigos, Mação, estavam esta tarde em perigo devido às chamas que lavram naquele concelho do distrito de Santarém, […]

Últimas

THE BEGINNING OF A US-EU TRADE WAR?

The “hot autumn” for trade that we predicted in a previous post gets dangerously close, as it would seem the US got the WTO final green light to apply sanctions to EU exports, […]