Acordo inédito entre Brasil e Europa

Acordo inédito entre Brasil e Europa

Agricultores e processadores brasileiros e indústria europeia estabelecem plano de ação integrado para produção e comércio de soja sustentável

Aprosoja, Abiove, Fediol, Fefac e IDH, parceiros da cadeia de valor da soja, assinam memorando de entendimento para fortalecer a cooperação na área de produção sustentável de soja

No passado dia 19 de Janeiro, a Aprosoja, ABIOVE, FEDIOL, FEFAC e a IDH assinaram um memorando de entendimento para apoiar e ampliar a produção de soja sustentável no Brasil e sua promoção no mercado europeu. É a primeira vez que um relacionamento de trabalho é formalizado entre a cadeia da soja brasileira e importantes compradores europeus, compartilhando uma visão mútua e um plano de ação que promove a produção de soja sustentável no Brasil e seu consumo na Europa.

O acordo reúne uma das maiores entidades representativas dos agricultores brasileiros – a Aprosoja – e organizações que representam a indústria de óleos vegetais e rações animais do Brasil (Abiove) e da Europa (Fediol e Fefac). Este acordo do setor privado, o qual conta com o suporte do IDH, a Iniciativa de Comércio Sustentável, apoia vários objetivos do Código Florestal Brasileiro, destacando-se o de preservação de habitats naturais, por meio da promoção de práticas agrícolas sustentáveis  em fazendas de soja.

A assinatura do memorando é o reconhecimento por parte da Europa de que o programa de gestão rural Soja Plus, desenvolvido pela Aprosoja e pela Abiove, é a iniciativa mais adequada para o estabelecimento da soja mato-grossense como um produto “sustentável”, atendendo a preceitos definidos pela Fefac em seu programa “Soja Responsável”.

As partes reconhecem que as atuais iniciativas setoriais de soja sustentável na Europa e no Brasil são complementares. Acreditam que, ao alinhar sua visão e suas ações, vão acelerar a produção de soja sustentável no Brasil e o comércio do produto na Europa.

O Brasil produziu, em 2016, mais de 95,4 milhões de toneladas de soja (fonte:CONAB). A UE é a segunda maior importadora de soja do Brasil. Em 2015, a Europa importou 5.8 milhões de toneladas de soja e 8.4 milhões de toneladas de farelo de soja do Brasil (fonte: Oil World).

Criado em 2011, o programa Soja Plus leva orientação aos agricultores para que adequem suas propriedades rurais às exigências da legislação ambiental, fundiária e trabalhista. Atualmente, 1.084 produtores rurais de Mato Grosso participam do programa, que também está presente nos estados de Minas Gerais, Bahia e Mato Grosso do Sul.

Com a assinatura do memorando, o Programa Soja Plus passa a ser reconhecido com um programa de produção sustentável, servindo como passaporte da soja brasileira para o mercado europeu”, enfatiza Endrigo Dalcin, presidente da Aprosoja.

O presidente da Abiove, Carlo Lovatelli, diz: “Os europeus reconhecem o trabalho do Soja Plus, programa de gestão econômica, social e ambiental da propriedade rural, para melhorar, de modo prático e objetivo, a sustentabilidade na sojicultura. O programa visa orientar o produtor para o atendimento da legislação ambiental brasileira e, dessa forma, contribui para o fornecimento de soja e farelo que agregam serviços ambientais. Produtores e processadores têm interesse em fortalecer a imagem da soja brasileira na Europa, maior mercado importador de farelo proteico para a indústria de ração animal”.

O presidente da Fediol, Henri Rieux, comenta sobre a ação.  “O ponto forte desse acordo é que empresas importantes estão se comprometendo com uma abordagem em cadeia para lidar com a questão da produção sustentável de soja no Brasil e a aceitação desses produtos na Europa. Estamos confiantes de que esse diálogo aprimorado terá um impacto positivo e nos permitirá atender melhor às necessidades das partes interessadas na Europa”.

 Com este acordo, podemos apoiar proativamente avanços de agricultura sustentável no nível das fazendas de soja no Brasil e nos aproximar mais de uma transição de mercado convencional do fornecimento físico responsável de soja para a Europa.”, destaca Ruud Tijssens, presidente da FEFAC.

O diretor do programa de soja do IDH, Lucian Peppenelenbos, ressalta a importância da iniciativa. Este acordo é um importante passo para que os produtores e a cadeia de soja prestem uma contribuição direta e verificável às ambiciosas metas do governo Mato Grossense que se comprometeu a parar o desmatamento ilegal en 2020 e reduzir o desmatamento em 90% na Amazônia e em 95% no Cerrado até 2030. Será também uma contribuição significativa para os objetivos nacionais do Brasil como parte do Acordo Climático de Paris.”  

Sobre entidades:

APROSOJA – A Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) é uma entidade que congrega mais de 5.000 agricultores. Criada em 2005, é uma entidade do terceiro setor focada para a busca de programas e iniciativas que garantam segurança jurídica para a atividade agrícola e que levem à sustentabilidade da sojicultura no estado. Atualmente, a Aprosoja representa 9.396.349 de hectares de área plantada com soja e um volume de 30.469.579 toneladas produzidas do grão, colocando-a como representante de 9,02% da soja mundial. Os dados são relativos a safra 2016/17 e foram levantados pelo Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea).

ABIOVE –  A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (ABIOVE) congrega 13 empresas processadoras de soja e produtoras de biodiesel, responsáveis por 60% do processamento e exportação da oleaginosa. O Complexo Soja (soja em grão. farelo e óleo) liderou a pauta das exportações brasileiras em 2015, com ingresso de US$ 28 bilhões.

 FEDIOL – A FEDIOL, associação industrial de óleo vegetal e farelo proteico, representa os interesses das esmagadoras de sementes oleaginosas, refinadores de óleo vegetal e engarrafadores europeus. Os membros da FEDIOL são 12 associações nacionais e empresas associadas em 5 outros países da UE. Com cerca de 150 instalações na Europa, o setor oferece 20.000 empregos diretos. Seus membros processam aproximadamente 55 milhões de toneladas, por ano, de produtos básicos de origem europeia e são importados para outros trinta países comerciais. O setor processa, principalmente, colza, semente de girassol, soja e linhaça, que se transformam em óleos e farelos para comida, ração e uso técnico e de energia, especialmente no mercado europeu. www.fediol.eu.

 FEFAC – A Federação Europeia de Fabricantes de Ração Composta, representa 23 associações nacionais em 22 estados-membro da UE, além de associações na Suíça, Turquia, Sérvia, Rússia e Noruega com status de membro observador/associado. O setor europeu de ração composta emprega cerca de 110.000 pessoas em aproximadamente 4.000 unidades de produção, geralmente em áreas rurais que oferecem menos oportunidades de emprego. www.fefac.eu

 IDH – A Iniciativa de Comércio Sustentável (IDH) é uma organização sem fins lucrativos que reúne empresas progressistas, organizações da sociedade civil e governos em parcerias público-privadas para transformar mercados no sentido de alcançar produção, comércio e consumo com maior sustentabilidade ecológica e social. A IDH opera globalmente em 11 setores de commodity e em 11 cenários em mais de 40 países. Com seus mais de 500 parceiros, a IDH desenvolve, conduz, cofinancia e avalia modelos de negócios inovadores que têm o potencial de gerar sustentabilidade, do nicho ao convencional. www.idhsustainabletrade.com.

 

Comente este artigo
Anterior Leite português vai ter rotulagem obrigatória de origem
Próximo Protesto de Produtores de Leite em Bruxelas

Artigos relacionados

Comunicados

Pela Agricultura Familiar Portuguesa – CNA

Face à publicação ontem, no Diário da República, do Despacho que cria a Comissão Interministerial com vista à elaboração do “Estatuto para a Pequena Agricultura Familiar”, […]

Dossiers

PAC pós 2020 – Contributo do IFAP para o tema da “Digitalização” no setor Agrícola

[Fonte: IFAP]
PAC PÓS 2020 – CONTRIBUTO DO IFAP PARA O TEMA DA “DIGITALIZAÇÃO” NO SETOR AGRÍCOLA
Recentemente apresentada, […]