Abate de bovinos nos Açores cresceu 4,1% nos primeiros sete meses do ano

Abate de bovinos nos Açores cresceu 4,1% nos primeiros sete meses do ano

O abate de bovinos nos Açores registou um crescimento de 4,1% nos primeiros sete meses do ano em comparação com o período homólogo, avançou esta sexta feira o Governo Regional.

“O total de bovinos aprovados para abate nos matadouros dos Açores registou, até julho, um crescimento de 4,1%, enquanto, no caso concreto da ilha do Faial, o aumento foi de 8,1%”, adiantou o secretário regional da Agricultura e Florestas, João Ponte, citado numa nota do Gabinete de Apoio à Comunicação Social do executivo açoriano.

O governante falava na ilha do Faial, à margem de uma visita a uma exploração de produção de carne de bovino, com cerca de 130 cabeças de gado.

Além do aumento dos abates de bovinos, João Ponte destacou o crescimento de 11% na expedição de carcaças para fora dos Açores, frisando que a expedição de carne representa 60% do total de abates efetuados.

Nos últimos dois anos, o abate de bovinos no arquipélago cresceu 17% e a expedição de carcaças 33%, o que para o secretário regional da Agricultura demonstra o dinamismo do setor e representa um aumento do rendimento dos produtores.

João Ponte considerou ainda que o acordo de comércio livre entre a União Europeia e o Mercado Comum do Sul (Mercosul), firmado no final de junho, constitui um desafio e uma oportunidade para os produtores de carne nos Açores.

“Desafio, desde logo, pela aposta contínua que tem de ser feita ao nível da qualidade e da diferenciação da carne açoriana, através do incremento do modo de produção biológica, da Identificação Geográfica Protegida e do reforço da valorização da marca Açores”, salientou.

Quanto às alterações ao POSEI (Programa de Opções Específicas para o Afastamento e a Insularidade nas Regiões Ultraperiféricas) para 2020, já remetidas à Comissão Europeia, o titular da pasta da Agricultura disse que foram feitos ligeiros ajustamentos no prémio ao abate, com redução do valor unitário da ajuda, para responder à necessidade de reduzir as taxas de rateios, uma vez que a dotação do programa até àquele ano se manterá inalterada.

Ainda assim, João Ponte salientou que foi mantida nesta ajuda a exclusão do rateio inicial aos primeiros 10 animais por semestre, o que permitiu que no último ano mais de 80% produtores tenham recebido o valor na totalidade.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Açoriano Oriental.

Anterior PSP detém quarteto em Elvas por furto em flagrante de 640kg de fruta
Próximo Mais de 200 operacionais combatem Incêndio em Vialonga

Artigos relacionados

Eventos

Tertúlia do Montado – Utilização de Tratamentos não convencionais para o controlo da infeção do sobreiro por Phytophora – 9 de novembro – Montemor-o-Novo

O ICAAM – Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas da Universidade de Évora vai realizar […]

Nacional

Agricultores do litoral alentejano temem “ano de calamidade” devido à seca

Os agricultores do litoral alentejano dizem que a seca deste ano é uma ”calamidade” por não haver água nas albufeiras de Campilhas e Alto Sado. […]

Dossiers

PDR 2020 abre apoios para observações em agricultura e territórios rurais

A entidade gestora do PDR 2020 já abriu as candidaturas à Operação 20.2.4 – Observações da agricultura e dos territórios rurais. […]