A necessidade de uma maior formação de base para a nova vaga de Pequenos Agricultores – João Sousa

A necessidade de uma maior formação de base para a nova vaga de Pequenos Agricultores – João Sousa

Com o decorrer do confinamento obrigatório, consequente da pandemia de COVID-19, verificou-se uma nova vaga de pessoas que intensificaram, reativaram/reutilizaram ou até pela primeira vez começaram a cultivar as suas hortas e campos. Seja para usufruírem de uma atividade em que se possam distrair e dedicar tempo, seja por motivos alimentares e nutricionais houve uma corrida às cooperativas agrícolas e assistiu-se a um aumento exponencial na compra de sementes de várias espécies agrícolas e hortícolas.

Para se retirar o melhor proveito possível destes terrenos é preciso saber quando e como semear assim como quando e como colher as culturas, é preciso ter noções geológicas e mineralógicas do terreno, ter ideia de como a agricultura atual responde às sucessivas e bruscas variações climáticas, ter presente conceitos de combate a pragas, saber manusear os equipamentos e máquinas agrícolas, entre outras competências. É crucial realizar estas tarefas da forma mais sustentável, económica e menos poluente possível priorizando sempre a preservação ambiental e a saúde humana.

Estamos, então, perante a necessidade de formar estes novos agricultores. Através de ações conjuntas entre as Instâncias governamentais (Ministério da Agricultura) e as Instâncias locais (Câmaras Municipais e Juntas de Freguesia) poderia ser criada uma “rede” de ações de formação e sessões de esclarecimento pelo país inteiro. Esta rede seria totalmente vantajosa para todos os seus intervenientes pois ofereceria mais oportunidades de contacto e trabalho a peritos na área, como agricultores profissionais e engenheiros agrónomos, e sua interação com outras áreas da ciência (como a meteorologia, biologia e geologia) ao mesmo tempo que os novos agricultores ao serem ensinados por estes especialistas iriam adquirir fortes bases teóricas e práticas para executarem o seu trabalho e aproveitarem ao máximo as especificidades dos seus terrenos.

Estas formações iriam fomentar a união das comunidades, o estreitar de laços e principalmente contribuir para uma aprendizagem elevada para quem se quer iniciar na Agricultura e assim o poder fazer da forma mais eficaz possível a nível ecológico, ambiental, nutricional e economicamente rentável.

Que as práticas seculares realizadas pelos nossos avós, bisavós, e todos os nossos antepassados não fiquem esquecidas com o passar do tempo. Que as tradições continuem a passar para as gerações mais novas e que cada vez mais haja uma forte aposta na agricultura possibilitando uma maior dinâmica de pesquisas, permitindo assim a sua constante adaptação e sobretudo evolução.

Quando se junta a vontade de saber com a vontade de trabalhar temos as ferramentas necessárias para o sucesso. Saber gera saber, trabalho gera trabalho, e o conhecimento é um dos pilares fundamentais de uma sociedade pujante e evoluída.

Uma maior interação com a Natureza é a chave para um futuro melhor!

João Sousa

Finalista do Mestrado em Ecologia

Comente este artigo
Anterior Segurança alimentar: uma responsabilidade partilhada - Alexandra Bento
Próximo La demanda de porcino se reactiva provocando subidas en los precios

Artigos relacionados

Últimas

Los bajadas no dan tregua a los precios de los corderos


Los precios de los corderos en origen vuelven a bajar. Las ventas siguen siendo flojas y así se mantiene el signo negativo en los precios de los corderos, […]

Últimas

Problemas de água “podem resolver-se com água do Tejo”, mas ‘Projeto Tejo’ fica de fora do PNI 2030

A Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) acredita que os problemas de água nas regiões do Oeste, Ribatejo e Setúbal podem resolver-se com o aproveitamento da água do Tejo, […]

Nacional

Há cinco anos que a agricultura cresce mais que o resto da economia

[Expresso] Entre 2011 e 2015 o sector da agricultura, cresceu 2,4%, contra -0,9 no conjunto da economia. A produtividade aumentou 12% (0,3% na economia no seu todo). […]