A lógica do cluster foi determinante

A lógica do cluster foi determinante

[Fonte: Jornal de Negócios]

O agroalimentar é o terceiro setor em termos de exportações e o segredo esteve “na crise”, revela Amândio Santos, presidente da Portugal Foods. “O setor estava muito fechado e confortável com o mercado interno e as empresas não olhavam para os mercados externos como alavanca e pensamento para as estratégias no futuro”, analisa.
“Quando o nosso próprio mercado nos destrói pela força da distribuição moderna que em 2008-2010, com a crise despontar, tinha uma grande resistência para a melhoria de margens para o setor, associada à quebra de consumo, obrigou as empresas a olhar para os mercados externos”. Assim, as exportações passaram de 3,5 mil milhões para 6,9 mil milhões em dez anos.

Mas só aproveitou a oportunidade porque “estava preparado”. A indústria portuguesa tem processo, competências, modernização, capacidade, produto, mas “nós não promovíamos a indústria agroalimentar, a agricultura portuguesa como resultado de todo um trabalho de investimento e de modernização tecnológica que nos permitia competir com os mais avançados mercados, por exemplo, europeus”, salienta Amândio Santos.

Há meia dúzia de anos não exportávamos pequenos frutos, em 2018 ultrapassou-se os 100 milhões em exportações. Amândio santos
Presidente da Portugal Foods 

Quando se percebeu que a marca Portugal estava ao nível das internacionais, “não com o valor acrescentado da Itália, ou com a dimensão e a dinâmica da Espanha, mas percebemos que as frutas e legumes podiam crescer rapidamente. Há meia dúzia de anos não exportávamos pequeno frutos, em 2018 ultrapassou-se os 100 milhões em exportações, o vinho continuou a crescer apesar do mercado do Novo Mundo, como a Austrália e a Nova Zelândia”, analisa Amândio Santos. Além disso, conseguiu-se, depois de um longo processo, que se pudessem exportar carne para a China e com “um impacto enorme em toda a cadeia de valor, com o preço do porco a aumentar brutalmente”. Hoje exporta-se agroalimentar para um dos mercados mais exigentes do Mundo que é o Japão.

Há dez anos havia vários mercados fechados mas quando se criou esta dinâmica de cluster, os governantes acordaram e foram-se fazendo acordos com vários países e para dezenas de produtos. Por isso, “a lógica de cluster foi determinante”, sublinha Amândio Santos.

No caso da agroalimentar foi importante porque, como diz Amândio Santos, se criou o conceito de empresa-locomotiva, as empresas fortes do setor fazem-se acompanhar de outras empresas, “abriram a informação sobre os mercados a uma rede de empresas com potencial exportador”. A estratégia de eficiência coletiva que foi traçada há dez anos foi a base dos setores tradicionais considera Amândio Santos. Em 2008 o país estava presente em 100/110 eventos internacionais e era feito pelo AICEP, hoje com o modelo de financiamento com as associações, o país faz 700 em todos os setores.

Este gestor, oriundo da Derovo, referiu-se ainda à capacidade de gestão do setor agroalimentar e às capacidades de os empresários de “preparar a sucessão é exemplar, foram capazes de perceber que a nova geração tinha as competências que lhes começavam a faltar, ajudou ao grande salto qualitativo do setor”.

O futuro está na inovação

O futuro passa pelas plataformas e os clusters, porque “fazer investigação pré-competitiva em setores tradicionais é um investimento pesado para as empresas, se olharmos para o capital tecnológico e de conhecimento investido nos promotores de conhecimento e o colocarmos ao serviço das empresas em rede, isto tem de criar valor, produto. Nós investimos em ciência e em conhecimento, mas investimos em inovação, portanto é essencial que o paradigma desta relação entre as empresas e as universidades, passe pela capitalização daquilo que se investiu em conhecimento criando valor em produto, e este é o grande desafio do setor agroalimentar. Tem de pensar produto, cliente, consumidor”, refere Amândio Santos.

Comente este artigo

O artigo A lógica do cluster foi determinante foi publicado originalmente em Jornal de Negócios

Anterior Fábrica de canábis medicinal cria 200 postos de trabalho em Cantanhede
Próximo Agricultores acusam ambientalistas de “desinformação” sobre o trabalho do setor no combate às alterações climáticas

Artigos relacionados

Últimas

Programa de revitalização deve ser aprovado até meados de agosto – PM

Sertã, Castelo Branco, 19 jul (Lusa) – O primeiro-ministro, António Costa, afirmou hoje que o programa de revitalização e reordenamento da floresta da zona afetada pelos incêndios de Góis e de Pedrógão Grande deve ser aprovado até meados de agosto.

Comente este artigo
#wpdevar_comment_4 span,#wpdevar_comment_4 iframe{width:100% !important;} […]

Últimas

Câmara de Comércio Portugal-Cuba recebe Missão Inversa Cubana do sector alimentar

[Fonte: Agricultura e Mar]
A Câmara de Comércio Portugal-Cuba (CCPC) vai receber entre os dias 27 e 31 de Maio, uma Missão Inversa Cubana do sector alimentar.
Esta missão é a primeira de quatro missões inversas sectoriais a realizar no âmbito do Projecto “Internacionalização de PME’s para Cuba”. […]

Últimas

Feira Nacional de Agricultura recebe seminário “Agricultura, mundo rural e estatuto da agricultura familiar”

[Fonte: Gazeta Rural]

No próximo dia 14 de Junho, a CNA promove um seminário
dedicado ao tema “Agricultura, Mundo Rural e Estatuto da Agricultura Familiar”,
no espaço da Feira Nacional da Agricultura, em Santarém.
A iniciativa decorre entre as 10h15 e as 13h00, […]