A lagarta na cultura da figueira – Alerta

A lagarta na cultura da figueira – Alerta

Na atual campanha de 2021, têm sido observados ataques significativos de lagarta na folha da figueira, pelo que se alerta sobre duas lagartas que atacam a cultura da figueira, a lagarta da folha da figueira (Choreutis nemorana) e a broca dos ramos figueira (Azochis gripusalis), para que os produtores estejam atentos aos seus pomares e possam tomar as medidas de controlo mais adequadas.

A lagarta da folha da figueira (Choreutis nemorana) já foi detetada na Região, observando-se, inclusive, ataques significativos na atual campanha, faz-se, em seguida, uma breve descrição da mesma.

O adulto de C. nemorana tem uma envergadura de até 20 mm, caracterizada por apresentar asas castanho-avermelhadas (fig. 1).

A lagarta chega a 20 mm de comprimento, apresenta cor amarelo-esverdeado pálido, uma cabeça amarela com pontos pretos na parte superior, sendo a principal responsável pelos danos causados (fig. 2).

As lagartas alimentam-se das folhas das figueiras (Ficus carica), nas quais causam danos muito importantes, apenas deixando as nervuras mais duras, deixando-as parecida a uma espécie de rendilhado (fig. 3).

O seu comportamento consiste em manter-se na parte central superior da folha, onde constrói um abrigo de seda branca para pupar (fig. 4). Tecem uma teia, no interior da qual forma um casulo, completando o ciclo, descendo na primavera/verão até ao solo por um fio de seda, emergindo posteriormente no estado adulto.

Geralmente, tem duas gerações por ano. A primeira geração surge em finais de maio, na parte terminal dos lançamentos do ano, nas folhas mais jovens.

Controlo

É prudente conhecer a biologia das referidas espécies e seus habitats para que, em caso de hipotéticos ataques severos, sejam tomadas as devidas medidas de proteção.

Não existindo produtos fitofarmacêuticos homologados, poder-se-á intervir culturalmente, retirando as folhas que apresentem sinais da praga, queimando-as ou enterrando-as a uma profundidade superior a meio metro.

O adulto é uma pequena borboleta, medindo cerca de 30 mm de envergadura (fig. 5).

A postura dos ovos é realizada sobre os ramos ou na base do pecíolo das folhas, geralmente de outubro a fevereiro, podendo se estender até abril. Dos ovos eclodem pequenas lagartas que se alimentam, no início, da casca tenra dos ramos, passando para a parte lenhosa dos ramos, restringindo seu ataque à medula (fig. 6).

Os excrementos são inicialmente expelidos pelo orifício de entrada da galeria e vão obstruir a galeria depois, protegendo a broca de humidade e de seus inimigos naturais.

Danos

À medida que a broca penetra no ramo, as folhas vão murchando e os frutos vão atrofiando e secando, podendo comprometer totalmente a produção.

Controlo

Deve ser feito de forma integrada, associando-se os métodos:

Culturais

  • Poda rigorosa dos ramos e queima posterior;

Físicos

  • Com o emprego de armadilhas luminosas providas de lâmpadas fluorescentes ultravioletas, que exercem controle em uma área de, aproximadamente, 7 hectares para cada armadilha;

Químicos

  • Pulverizações quinzenais com deltametrina ou abamectina a partir da época da postura da praga.

Miguel Teixeira

Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural

Divisão de Assistência Técnica Agronómica

O artigo foi publicado originalmente em DICAs.

Comente este artigo
Anterior Webinar: Boas práticas agrícolas para a biodiversidade no contexto das alterações climáticas - 12 e 13 de outubro
Próximo Incêndios: Mais de 70 concelhos do interior Norte e Centro e do Algarve em risco máximo

Artigos relacionados

Sugeridas

Entrevista a Nuno Mocinha: “Mais importante que o impacto económico, é o conhecimento que o InnovPlantProtect está a criar em Elvas”

Convicto de que o fator mais determinante para o desenvolvimento de um território é o conhecimento, Nuno Mocinha foi um dos grandes impulsionadores da instalação […]

Nacional

Vantagens do Medronho divulgadas em manual

Facebook
Twitter
Google+
Pinterest
WhatsApp


A REN – Redes Energéticas Nacionais, em parceria com a Escola Superior Agrária de Coimbra (ESAC) e a Cooperativa Portuguesa do Medronho (CPM) publicaram o Manual do Medronho. […]

Comunicados

Governo lança novo Programa Nacional de Investimentos para 2030

O Governo apresentou hoje, em Lisboa, o Programa Nacional de Investimentos (PNI) 2030. Trata-se de um instrumento fundamental no planeamento da aplicação dos próximo dois quadros de […]