A joia do Mediterrâneo chamada azeitona

A joia do Mediterrâneo chamada azeitona

[Fonte: Anipla - fitotema]

Rica em ácidos gordos, vitaminas e antioxidantes, a azeitona é muito boa para a saúde e quando transformada em azeite, os benefícios são igualmente poderosos. É precisamente o que defende o médico Pedro Lôbo do Vale, na revista de saúde Prevenir.

No seu artigo, o médico refere que o azeite ajuda a reduzir o mau colesterol (LDL), mantendo o nível do bom colesterol (HDL); ajuda a prevenir o desenvolvimento de doenças cardiovasculares como a aterosclerose, trombose, enfarte cardíaco e acidentes vasculares cerebrais; ajuda a proteger o sistema digestivo ao prevenir o excesso de ácido no estômago; contribui para o bom funcionamento da vesícula biliar, promove a assimilação de nutrientes e ajuda a regular o trânsito intestinal, entre muitos outros benefícios.

Existem, atualmente, centenas de variedades de azeitonas, muitas para consumo à mesa, outras tantas para a produção de azeite. O azeite está também disponível numa grande variedade, sendo o extra-virgem, obtido a partir do óleo não refinado da primeira prensagem, o mais aconselhado.

Calcula-se que existam 800 milhões de oliveiras no mundo, 90% nos países junto ao Mar Mediterrâneo, onde estão os principais países produtores de azeitona: Portugal, Espanha, Itália, Grécia, França, Turquia, Marrocos e Tunísia. Mas começa a não ser estranho ver a oliveiras na China, Chile, Peru, Brasil, México, Angola, África do Sul, Uruguai, Afeganistão, Austrália e até nos EUA.

Ainda assim, há países que continuam a importar azeite. É o caso do Brasil, em relação ao qual o Conselho Oleícola Internacional (COI) estima que as importações de azeite e óleo de bagaço de azeitona deverão aumentar 28% (76.816 toneladas), mercado onde Portugal é o principal fornecedor com uma quota de 59%, tendo aumentado as exportações 5% em relação à campanha anterior. Espanha é o fornecedor que se segue, com uma quota de 16%, seguida de Itália (6%) e da Grécia (1%).

De acordo com a mesma entidade, já as importações de azeite da União Europeia (UE) deverão registar um crescimento de 89% nos dez meses da campanha 2017/2018, enquanto as compras dentro da UE deverão recuar 5% face à campanha anterior.

Cultivar oliveiras pode não ser para todos, visto que é uma cultura que precisa de tempo e paciência. Uma oliveira pode começar a dar fruto ao fim de oito anos ou até menos, mas habitualmente a sua capacidade produtiva só é alcançada ao fim de 15 ou 20 anos. E é preciso que pragas e doenças não ataquem estas árvores, nomeadamente o Olho de Pavão, Gafa, Cercosporiose, Fumagina, Tuberculose, Traça da Oliveira, Gorgulho da Oliveira, entre muitos outros. Isto, apesar de se tratar de uma das árvores mais resistentes a estas pragas e doenças.

Comente este artigo

O artigo A joia do Mediterrâneo chamada azeitona foi publicado originalmente em Anipla - fitotema

 

Saiba mais sobre a campanha →considere os factos←

Anterior 3ª Sessão de Divulgação - Fruticultura - 12 dezembro - Alcobaça
Próximo Syngenta ganha Prémio Inovação com fungicida Ampexio® WG Pepite

Artigos relacionados

Sugeridas

La bebida de soja no podrá venderse como lácteo

[Fonte: Efe Agro]
SENTENCIA DEL TRIBUNAL DE JUSTICIA DE LA UE

El Tribunal de Justicia de la Unión Europea (TJUE) determina que los productos puramente vegetales, como la leche de soja o la mantequilla de tofu, no pueden comercializarse bajo denominaciones como “leche” o “mantequilla”, […]

Sugeridas

Kiwi nacional é mais apreciado do que o importado

[Fonte: Vida Rural]

Os kiwis portugueses são mais apreciados do que os kiwis importados. Quem o diz é a Associação Portuguesa de Kiwicultores (APK) que, em parceria com a Escola Superior de Biotecnologia (ESB) da Universidade Católica Portuguesa, realizou recentemente um estudo para identificar os atributos físico-químicos e sensoriais que diferenciam o kiwi nacional. […]

Últimas

La revisión de la PAC, pero sobre todo los efectos del Brexit, marcarán 2017 para el campo en la UE

[Fonte: Agroinformacion]  La Unión Europea (UE) inicia un año de debates, en el que se conocerán las primeras propuestas sobre una nueva reforma de la Política Agrícola Común (PAC), aunque no será inicialmente hasta final de año cuando se den a conocer las propuestas planteadas al sector por parte de la CE, […]