A importância da utilização de produtos fitofarmacêuticos homologados

A importância da utilização de produtos fitofarmacêuticos homologados

A utilização de produtos fitofarmacêuticos (PF) não homologados é muito grave, tendo em conta os riscos elevados que estes produtos representam para o meio ambiente, a saúde e a segurança dos consumidores, pois estes produtos não passam pelos rigorosos testes de segurança que são necessários para serem colocados no mercado.

A homologação de um PF é da responsabilidade da Direção Geral de Alimentação e Veterinária, através da Direção de Serviços de Meios de Defesa Sanitária, que efetua a respetiva avaliação, no que respeita ao seu comportamento e influência nos ecossistemas e aos seus resíduos nos produtos agrícolas, tendo em vista a segurança do consumidor, a preservação do ambiente e o estabelecimento das suas condições de utilização, de acordo com os princípios das Boas Práticas Fitossanitárias, concluindo o processo com a concessão (ou não) de uma autorização de venda.

Para cada pedido de autorização entrado na DGAV, é organizado um processo, o qual é sujeito a uma triagem inicial, para a verificação da existência dos elementos base exigidos. Os processos considerados completos são depois sujeitos a uma avaliação detalhada, que incide na identidade, nas propriedades físico-químicas, nos métodos de análise, na eficácia biológica e na segurança dos usos propostos, dos pontos de vista toxicológico, ambiental, ecotoxicológico e para o consumidor. É estipulado o prazo de um ano para a conclusão da avaliação e é emitida a autorização de venda, com as indicações para a rotulagem e para, então, ser colocado no mercado. A rotulagem é da responsabilidade do titular da autorização de venda.

No rótulo encontram-se as condições de utilização do PF, os riscos potenciais existentes, que dependem das propriedades físico-químicas do produto, da sua natureza toxicológica e da exposição a que os organismos ficam sujeitos.

Não existem PF inócuos, existem sim PF homologados, que, quando devidamente manuseados e utilizados, poderão ter comportamentos sem riscos.

Avelino Freitas
Divisão de Inovação Agroalimentar
Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural

O artigo foi publicado originalmente em DICAs.

Comente este artigo
Anterior European Commission may green light GM crop imports rejected by EU Parliament
Próximo “RURAL AWARDS 2021” distinguem boa práticas

Artigos relacionados

Sugeridas

Ministra da Agricultura presidiu ao Agrifish e apresentou as prioridades da Presidência Portuguesa

A Ministra da Agricultura presidiu, segunda-feira, dia 25 de janeiro, à Videoconferência Informal dos Ministros da Agricultura e das Pescas (“AGRIFISH”), no âmbito da Presidência Portuguesa da União Europeia. Hoje, Maria do Céu […]

Nacional

Microvegetais e flores comestíveis à medida dos chefs

Tudo começou com uma ideia na cadeira de marketing do curso de gestão. Hoje, com 25 anos, Tomás Lancastre, CEO e fundador da MicroGreens, […]

Últimas

Medronheiro: manual de boas práticas para a cultura

[Fonte: Rede Rural Nacional] A REN – Redes Energéticas Nacionais, a Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Coimbra, […]