A gestão da floresta como um condomínio

A gestão da floresta como um condomínio

“Só temos perceções da gestão conjunta da floresta. Com este trabalho queremos saber se existe gestão conjunta e identificar os seus modelos”, refere Luís Calaim, engenheiro florestal da Fenafloresta. No início das conversas com várias instituições do universo florestal esteve o facto de, após os incêndios de 2017, se falar muito na necessidade de Gestão Conjunta da floresta portuguesa.

Para isso, tornava-se fundamental identificar e estudar os diferentes modelos de sucesso atualmente existentes no setor, nomeadamente as empresas e as organizações de produtores florestais (associações e cooperativas) que praticam com sucesso a Gestão Conjunta da Floresta.

Foi a partir desta constatação que a Fenafloresta – Federação Nacional das Cooperativas de Produtores Florestais, a Associação Nacional de Empresas Florestais, Agrícolas e do Ambiente (ANEFA), o Fórum Floresta – Estrutura Federativa da Floresta Portuguesa, o Instituto Politécnico de Leiria (IP Leiria) e com a participação da Associação Florestal do Concelho de Ansião avançaram para o projeto [email protected]

Tem como objetivo definir e identificar os diferentes modelos de gestão conjunta, classificando-os de acordo com as suas estruturas e definir os responsáveis pela sua adequação, através do conhecimento aprofundado de 30 modelos de organização. A partir destes diferentes modelos de gestão, será criado um manual de gestão conjunta, transferindo bons exemplos e práticas em diferentes regiões de Portugal.

O trabalho começou com um inquérito com 28 perguntas a empresas, cooperativas, associações para depois se partir para a seleção e investigação dos potenciais case studies. Os resultados do mesmo serão apresentados em março de 2020 num evento público.

Fragmentação florestal

A fragmentação da propriedade florestal é um dos fatores que torna a gestão conjunta da floresta uma solução natural. Segundo os dados do ICNF, os espaços florestais — floresta, matos e terrenos improdutivos — ocupam atualmente 6,1 milhões de hectares (69,4%) do território nacional continental. Sendo a floresta, que inclui terrenos arborizados e temporariamente desarborizados — superfícies cortadas, ardidas e em regeneração –, o principal uso do solo nacional (36%). Destes, cerca de 85% pertencem a privados e apenas 15% são áreas públicas, das quais somente 2% (a menor percentagem da Europa) são do domínio privado do Estado.

Excetuando em termos genéricos o Alentejo, a floresta é detida por um elevado número de proprietários, detentores na sua grande maioria de propriedades de reduzida dimensão, o que faz da Gestão Conjunta o Santo Graal para os problemas da floresta. Há algumas razões para isso.

A gestão conjunta foi reconhecida pela Lei de Bases da Política Florestal, Lei nº 33/96. Competiria ao Estado dinamizar a constituição de explorações florestais com dimensão que possibilite ganhos de eficiência na sua gestão, através de incentivos ao agrupamento de explorações, ao emparcelamento de propriedades e à desincentivação do seu fracionamento.

Em 19 de março passado a associação ambientalista Zero revelou que teve acesso a dados dos apoios públicos à floresta, designadamente ao nível da execução de 2.865 candidaturas do Programa de Desenvolvimento Rural para o Continente 2014-2020 (PDR2020) e também das 28 candidaturas aprovadas pelo Fundo Florestal Permanente (FFP) para financiar a constituição de unidades de gestão florestal.

Concluía que os dados “comprovam que continua a existir uma fraca sensibilidade dos poderes públicos em relação à urgência de se atribuir prioridade a investimentos que promovam a gestão colaborativa dos espaços florestais do norte e centro do país, onde a pequena propriedade é dominante”. Até essa altura, o Fundo Florestal Permanente tinha disponibilizado 500 mil euros para a criação de Unidades de Gestão Florestal (UGF), apenas 25% tinham sido utilizados. O destaque ia para a Associação Florestal do Lima que propunha a criação de 20 UGF que totalizavam 11 923 hectares geridos de forma coletiva.

Os vários modelos

São vários os modelos válidos para a promoção desta desejável Gestão Conjunta. Em Portugal, existe um considerável historial de figuras e modelos que tendem a promover e potenciar a gestão conjunta da floresta, dos quais se destacam historicamente, os Baldios, as Organizações de Produtores Florestais (OPF’s), atualmente encontram-se registadas no ICNF 150 OPF, em agosto de 2019, outras associações florestais, as cooperativas florestais, as empresas florestais, e as Organizações de Comercialização de Produtos Florestais (OCPF). Para além destas figuras, têm sido promovidas pelos sucessivos governos, vários instrumentos de promoção e operacionalização da Gestão Conjunta, das quais se destacam as ZIF – Zonas de Intervenção Florestal (com cinco alterações regulamentares desde a sua fundação em 2005), as Unidades de Gestão Florestal (UGF), as Entidades de Gestão Florestal (EGF).

Contudo é o próprio governo a reconhecer no seu programa que, “embora a grande maioria das áreas florestais de minifúndio se encontre já coberta por instrumentos de planeamento, como os Planos de Gestão Florestal e Planos Específicos de Intervenção Florestal (PEIF), continua a verificar-se um enorme défice de gestão conjunta e de ordenamento. Assim, urge promover uma gestão profissional conjunta das áreas florestais de minifúndio, com base num modelo de negócio sólido”.

O artigo foi publicado originalmente em ECO.

Comente este artigo
Anterior Marcelo defende aumento de salário mínimo perante preocupações de dirigentes agrícolas
Próximo Black Week Jungheinrich: PROFISHOP em Portugal com preços especiais

Artigos relacionados

Nacional

“A Wisecrop disponibiliza um conjunto de ferramentas para os agricultores tomarem as melhores decisões”

Flávio Ferreira, representante da Wisecrop perante uma palestra dedicada à cultura do Mirtilo, organizada pela Revista Voz do Campo em parceria com a AGIM e o Município de Sever do Vouga. […]

Nacional

Agricultores dos Açores recebem 22 ME de ajudas no último dia do ano

No caso concreto do POSEI, os pagamentos correspondem à ajuda aos produtores de ananás, à ajuda aos produtores de culturas arvenses, […]

Últimas

Após dois anos à espera do Governo, empresa desiste das obras de ampliação do Hospital de Viseu

A empresa que ganhou a que foi adjudicada a obra de ampliação do Hospital de Viseu esperou tanto tempo para que o Governo autorizasse o início dos trabalhos que acabou por desistir, […]