A floresta é muito mais que um “eterno” armazém de carbono – António Cláudio Heitor

A floresta é muito mais que um “eterno” armazém de carbono – António Cláudio Heitor

É importante recuperar o esforço na plantação de “mais florestas”, mas ainda mais relevante será investir e apoiar quem gere a floresta e o faz com ganhos a nível social, ambiental e económico.

Nestes tempos de novas estratégias, à floresta tem sido entregue o papel de “armazém” de carbono. Penso que ninguém nega essa importância e que tal papel de relevo deveria ser reforçado e compensado.

 

Continue a ler este artigo no Observador.

Comente este artigo
Anterior Promoção de vinhos em mercados de países terceiros - Relatório de execução final e pedido de pagamento - Segunda prorrogação de prazo
Próximo Estudo pretende reabilitar reputação das vespas, demonstrando que são essenciais aos ecossistemas e à saúde

Artigos relacionados

Últimas

UE regista queijo Rögös túró da Hungria como nova especialidade alimentar tradicional

A partir de hoje, 1 de Agosto, o “rögös túró”, um requeijão húngaro típico, figura no registo oficial de especialidades tradicionais garantidas da União Europeia. […]

Últimas

InovMilho: Dia de Campo mostra inovação na cultura do milho a 4 de Setembro

O InovMilho — Centro Nacional de Competências das Culturas do Milho e Sorgo vai levar a cabo no próximo dia 4 de Setembro, […]

Últimas

CAP propõe criação de estruturas regionais dedicadas à promoção da produção agrícola nacional no estrangeiro

A CAP – Confederação dos Agricultores de Portugal propõe a criação de estruturas regionais dedicadas à promoção e à valorização da produção agrícola nacional, nas quais estes produtores […]