A Certificação promove a rentabilidade florestal

A Certificação promove a rentabilidade florestal

A 2BForest dinamiza a certificação FSC® para grupos de gestão florestal e para empresas de exploração e comercialização de produtos florestais

“A floresta tem de ser rentável para que os proprietários se sintam incentivados a fazer investimentos nela, nomeadamente adubações, plantações, limpezas, manutenção, e a certificação promove a rentabilidade. A certificação é uma ferramenta para melhorar as operações na floresta, e no final, a madeira de eucalipto certificada é valorizada pela indústria” – é desta forma que Susana Brígido, diretora-geral da 2BForest, explica a importância dos processos de certificação, aos quais se dedica esta empresa, que tem escritório Lisboa mas atua em todo o país com a colaboração de seis parceiros regionais.

“A certificação promove a rentabilidade da floresta, sendo que a madeira de eucalipto certificada é valorizada pela indústria”, diz Susana Brígido.

A 2BForest é uma empresa especializada na área da certificação florestal. A sua atividade centra-se na dinamização de grupos de certificação para a gestão florestal, e para empresas de exploração e comercialização de produtos florestais. O Grupo de Certificação Florestal, 2BForest Group, foi formado em 2017 e integra atualmente 242 proprietários, com terrenos que vão dos 0,2 hectares até aos 3 000 hectares, numa rede que se estende de Vila Nova de Cerveira (Minho) a Monchique (Algarve).

“Damos um apoio muito próximo ao produtor, que se traduz na apresentação de um plano de gestão florestal dentro dos parâmetros da lei e todo o acompanhamento durante a sua implementação”, explica Susana Brígido. A adesão à certificação traz ainda outras vantagens, como o acesso facilitado a fundos comunitários e parcerias que têm o apoio da indústria ou do sistema internacional de certificação FSC® (Forest Stewardship Council®).

Como aderir à certificação

Na 2BForest a adesão ao Grupo de Gestão Florestal Certificado começa numa conversa entre o proprietário florestal e um técnico ou parceiro da empresa, onde se faz a caracterização da propriedade. Com a assinatura da documentação de adesão é assumido o compromisso de pelo menos 5 anos no grupo e um compromisso de longo prazo com a gestão florestal. Durante este processo devem ficar definidos os limites do terreno e demonstrada a titularidade dos mesmos.

“A propriedade não tem de estar perfeita, mas o proprietário assume o compromisso com a gestão do seu terreno e o cumprimento de medidas mínimas, como a defesa da floresta contra incêndios. Para tal, conta com o acompanhamento dos nossos técnicos e ainda ajudamos noutras medidas, com as parcerias estabelecidas, nomeadamente o programa Limpa & Aduba ou os apoios para áreas de conservação”, adianta a responsável da 2BForest.

Certificação para fornecedores de produtos

A ação da empresa também abarca a Certificação de Cadeia de Custódia para fornecedores de produtos florestais. “Esta certificação é destinada a apoiar pequenas empresas – até 15 trabalhadores e um volume de negócios até 1 milhão de euros. Iniciámos com 9 empresas em 2017 e hoje trabalhamos com cerca de 40”, refere Susana Brígido, sublinhando as vantagens para as empresas madeireiras certificadas: “Apoio no cumprimento da legislação de higiene e segurança no trabalho, beneficiam de formação específica e ganham estatuto junto do poder local e junto dos proprietários.”

A bolsa de madeireiros certificados é uma garantia de que as operações que são feitas nos terrenos florestais cumprem as melhores práticas.

Esta bolsa de madeireiros certificados é uma garantia de que as operações que são feitas nos terrenos florestais cumprem as melhores práticas, em prol da preservação dos recursos naturais, linhas de água e biodiversidade. Como resultado final, a produção de madeira certificada vai dar origem a produtos rotulados. A rotulagem vai permitir ao consumidor final optar por produtos com origem em áreas florestais onde é praticada uma gestão responsável, ao nível ambiental, social e económico.

O artigo foi publicado originalmente em Produtores Florestais.

Comente este artigo
Anterior Bioeconomia circular para aumentar o valor da floresta
Próximo Banco de terras de cooperativa de Mangualde atribui primeira exploração a um pastor

Artigos relacionados

Sugeridas

Consultation européenne sur la Pac « La prochaine Pac n’interviendra pas avant 2023 » estime l’eurodéputé M. Dantin

« Fournir une alimentation de qualité et en quantité suffisante à 500 millions d’européens reste la première vocation de cette politique » ont déclaré Michel Dantin et Angélique Delahaye. […]

Últimas

Cotações – Cortiça – 11 a 17 de outubro de 2021

Na semana em análise, prosseguiu a campanha de comercialização da cortiça 2021 na área de mercado de Trás-os-Montes […]

Últimas

Açores interditam caça ao coelho-bravo na zona ocidental de São Miguel

“A Secretaria Regional da Agricultura e Florestas, através da Direção Regional dos Recursos Florestais, vai proceder a alterações no calendário venatório 2019/2020 relativo à […]