“A campanha que tem existido contra o olival moderno não faz qualquer sentido e não tem fundamentação científica nenhuma”, afirma presidente da EDIA (C/SOM)

“A campanha que tem existido contra o olival moderno não faz qualquer sentido e não tem fundamentação científica nenhuma”, afirma presidente da EDIA (C/SOM)

No passado dia 9 de junho, BE, PCP, PEV e PAN apresentaram à Assembleia da República projetos de lei e de resolução com vista à regulamentação discriminatória do olival, sendo o Alqueva uma das zonas mais referenciadas. Todas as propostas foram chumbadas.

Em entrevista à Rádio Campanário, José Pedro Salema, presidente do Conselho de Administração da EDIA – Empresa de Desenvolvimento e Infra-Estruturas do Alqueva, questionado sobre a posição da EDIA em relação a esta matéria, afirmou que a empresa “está do lado da ciência, por isso não tomamos partidos. Não queremos ver uma cultura valorizada ou destacada, mas também não queremos ver nenhuma cultura desvalorizada sem qualquer razão” e acredita que “a campanha que tem existido nos últimos tempos contra o olival moderno não faz qualquer sentido e não tem fundamentação científica nenhuma”.

O presidente da EDIA frisou que a oliveira “é talvez a espécie de utilização agrícola mais antiga da Península Ibérica e faz-se azeite na região do Alqueva há milénios. Portanto, estamos a falar de uma árvore completamente adaptada ao nosso clima e solo e o que fazemos atualmente no século XXI é que usamos o conhecimento e a técnica para potenciar o desenvolvimento da oliveira, tal como fazemos em toda a agricultura”.

“Hoje, o olival moderno no Alqueva utiliza água e com isso consegue rendimentos fantásticos. Depois consegue ser muito mecanizada, o que aumenta o rendimento de trabalho e isso é positivo, porque conseguimos gerar mais riqueza e mais produto na região”, afirma o dirigente.

José Pedro Salema não tem dúvidas que “o impacto que muitas vezes é apontado ao olival é o facto de ter transformado a paisagem”, mas garantiu que “foi a paisagem tipicamente de sequeiro e de muito baixo rendimento que quisemos mudar com o Projeto Alqueva”.

“O Alqueva foi intencional. Não podemos ficar surpreendidos com uma mudança que foi planeada e desejada. Este projeto foi sonhado pelos alentejanos e pelo país e por isso não se pode ficar surpreendido com estas mudanças, porque está a acontecer exatamente aquilo que nós queríamos que acontecesse”.

O dirigente referiu que as propostas para regulamentação discriminatória do olival “prejudica principalmente a imagem do setor, de forma que considero injusta” e enalteceu que “apontar o olival moderno como sendo uma atividade destrutiva do ambiente é falso. O que é danoso para o meio ambiente são as más práticas, que pode haver em qualquer atividade”.

“Por exemplo, eu posso deitar o lixo para a rua e ser um selvagem e fazer com que o espaço à minha volta esteja sujo. Ou posso pegar no lixo e fazer a reciclagem. É a mesma coisa se eu traduzir estas atitudes para a atividade agrícola e industrial. Para a prática da olivicultura eu tenho de usar os produtos que estão á disposição para tratar as doenças e controlar as pragas de forma responsável, de acordo com as normas que os técnicos ensinam, colocar a dosagem certa, nas condições meteorológicas adequadas, minimizando o uso de produtos tóxicos para o ambiente. Tudo isto chama-se proteção integrada e a esmagadora maioria dos agricultores em Alqueva estão neste modo de produção e têm obrigações muito rigorosas relativamente à produção de produtos e de respeito pelo meio ambiente”, referiu José Pedro Salema.

O presidente da EDIA afirma que “para tentarmos classificar um setor inteiro, porque houve um ou dois malandros que fizeram asneira, não pode pagar o justo pelo pecador. E aqui no olival o que nós sentimos é que estão a pintar um quadro a partir de uma exceção e isso não fica bem”.

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Campanário.

Comente este artigo
Anterior Leilão de Novilhos Reprodutores Qualificados em Estação de Testagem - 20 de junho - Évora
Próximo Reunião debate possíveis alterações ao sistema de seguros agrícolas

Artigos relacionados

Nacional

Mais de 500 milhões de abelhas mortas em três meses

Mais de 500 milhões de abelhas morreram no Brasil num espaço de três meses. Investigadores dizem que o uso de pesticidas é […]

Nacional

Bagaço de azeitona: Situação de Fortes “pode multiplicar-se”

A Associação Ambiental dos Amigos das Fortes reagiu às notícias de que “produção de azeite pode parar no Alentejo”, uma vez que os “tanques das […]

Últimas

Live-stream: Webinar Projeto Tejo

Sabe o que é o Projeto Tejo? Fique a saber qual o impacto previsto deste projeto de fins múltiplos que pretender levar água a 300.00 hectares nas […]