4 Tendências de dados para o Agronegócio em 2020

4 Tendências de dados para o Agronegócio em 2020

A análise de dados será a nova revolução na agricultura? Os analistas internacionais acreditam que sim. Do lado dos produtores, utilizar os dados para aplicar os produtos certos, nas medidas corretas e na hora certa é o desafio. Mas do lado da distribuição também é importante perceber o potencial dos dados para comprar estrategicamente e garantir o posicionamento correto.
Jeff Bradshaw, CTO da Proagrica, analisou as grandes tendências nesta área na publicação Precision Ag, e deixa quatro previsões para o setor agrícola em 2020:
1. Mais produtividade depende de mais conectividade

A agricultura e a saúde animal são, tradicionalmente, mais lentas na adoção de novas tecnologias. Esta é uma realidade em mudança, pois cada vez mais as empresas aproveitam os benefícios da comunicação instantânea, eficiente e autónoma, quer com clientes quer com parceiros da cadeia de abastecimento. A conectividade aumenta a produtividade e reduz a ineficiência. Por exemplo, as empresas que dependem de operações manuais dedicam muitos recursos para manter o seu sistema ERP (Enterprise Resource Planning), para além de perderem produtividade.

De acordo com um relatório publicado pela Gartner, o custo de processamento de faturas é reduzido em 20% quando realizado eletronicamente. Através da combinação do sistema de faturação, CRM e plataforma logística é possível criar uma fonte de informação única  e centralizada, garantindo uma visão completa das práticas de negócios, o que ajuda a erradicar ineficiências e a delegar recursos a áreas que criam o maior valor agregado.

“Juntar-se a uma rede digital que ligue, sem esforço, os sistemas e dados da sua empresa a uma rede de negócios mais ampla, em toda a cadeia de fornecimento, será transformador para a agricultura e para a saúde animal. As oportunidades de eficiência e agregação de valor são enormes”, afirma Bradshaw.

2. Proporcionar conhecimentos aplicáveis

“Conhecimentos aplicáveis são o Santo Graal dos dados de qualquer negócio”, comenta Bradshaw. “A análise de dados não só fornece insights chave para um negócio, mas também estabelece um caminho claro para decisões práticas e bem consolidadas”.

A análise de dados, através de sistemas internos ou através de uma rede, tem a capacidade de gerar informação útil. Podem permitir a identificação e visualização dos melhores/piores fornecedores, classificar as lojas por eficiência, ver a cotação de mercado das empresas em tempo real e justificar o motivo da cotação.

A análise de dados também pode prever a procura de determinados bens, ou alertar sobre surtos de pragas, garantindo que todos os envolvidos na cadeia de abastecimento tenham esta informação.

3.Acessibilidade à informação deve ser a norma, não um privilégio 

A relação entre agricultores e fornecedores tem por base a confiança, mas um relatório McKinsey de 2019 destaca algumas áreas nas quais essa relação poderia ser reforçada.

Os recursos de dados inteligentes podem ajudar, garantindo a sincronização de dados em tempo real de preços e detalhes de produtos, para que os retalhistas agrícolas possam assegurar a disponibilidade de informações precisas sobre as compras. Esta oportunidade permitirá impulsionar as vendas, o lucro e garantir maior confiança.

“Fechar essa lacuna de informação entre o agricultor e o seu retalhista agrícola é uma ferramenta poderosa, pois beneficia cada ator da cadeia”, acrescenta Bradshaw.

4.Integração é a prioridade para os utilizadores

A integração – capacidade de diferentes soluções digitais trabalharem em conjunto e utilizarem os mesmos conjuntos de dados, mesmo quando feitas por fornecedores diferentes – há muito que é exigida por parte dos clientes agrícolas.

A maioria dos agricultores quer realizar as suas tarefas diárias através da utilização de apenas um dispositivo. Contudo, a maioria precisa alternar entre várias aplicações ou dispositivos, o que se reflete na diminuição da produtividade. Para a agricultura e saúde animal esta possibilidade seria uma função importante para o sucesso do negócio, pois permitiria conectar e compartilhar informações e dados entre dispositivos.

Internet of Things (IoT) tem crescido devido a dispositivos inteligentes, cada vez mais capazes de oferecer esta integração. Em 2020, de acordo com a agência Gartner, 20,5 mil milhões de dispositivos conectados deverão estar em funcionamento, em 2016 eram 6 mil milhões . As empresas que utilizam a conectividade nos seus processos operacionais e dispositivos estão bem posicionadas para fornecer uma oferta produtiva e lucrativa no mercado.

Contudo, a maioria dos agricultores não está à procura de mudanças significativas, procura apenas que os sistemas já existentes funcionem melhor.

Os fornecedores de soluções para agronegócios devem considerar seu papel neste processo e investigar como poderão garantir uma experiência mais simplificada para o agricultor, o que, por sua vez, levará a uma maior interação e confiança na cadeia.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior Oferta de emprego - Gestor Bio - Engenheiro Agrónomo
Próximo Seca. CAP exige medidas para combater "muito dura realidade"

Artigos relacionados

Nacional

Pampilhosa da Serra neutralizou meia centena de ninhos de vespa asiática desde julho

“Com recursos próprios, o município tem conseguido proceder à eliminação dos diversos ninhos identificados, encontrando-se já a definir estratégias para uma célere neutralização dos restantes ninhos ativos”, […]

Nacional

Incêndios: Ministro espera que ‘drones’ de vigilância voltem à normalidade “daqui a uns dias”

O ministro da Defesa Nacional afirmou hoje no Algarve que espera que os ‘drones’ de vigilância florestal da Força Aérea Portuguesa (FAP) voltem à normalidade “daqui a uns dias”. […]

Nacional

Fibrenamics da UMinho desenvolve soluções para preservação de alimentos frescos

A Fibrenamics, plataforma internacional da Universidade do Minho, apresenta o Saferfood, o projecto de inovação com base em materiais […]