Alimentação saudável – distribuição de fruta nas praias

Alimentação saudável – distribuição de fruta nas praias

Em plena época balnear, o Continente vai ao encontro dos portugueses, que se encontram a fazer praia, para lhes oferecer 24.000 peças de fruta. A iniciativa pretende sensibilizar a população para a importância do consumo de frescos e promover a adoção de uma alimentação saudável.

A ação já se encontra no terreno e decorre até dia 20 de agosto, passando pelas praias de Lisboa, Porto e Algarve, prevendo-se a oferta de 16.000 pêssegos e 8.000 mini tomates. A expectativa é que este ato simbólico contribua para posicionar a fruta como um alimento fundamental das marmitas de praia e como uma alternativa saudável aos conhecidos snacks de verão.

A ação promete refrescar os dias de praia de milhares de portugueses e enquadra-se na estratégia de comunicação dos Frescos Continente, que dá protagonismo à nova geração de produtores e consumidores. É também reveladora do empenho do Continente na sensibilização da sociedade para a importância de se adotarem hábitos de consumo saudáveis, uma causa que a insígnia abraça na qualidade de especialista na comercialização de produtos frescos.

*Calendário da distribuição de fruta:

 

 

Comente este artigo
Anterior Reacendimento "complexo" em Tábua mobiliza mais de 400 bombeiros e 7 meios aéreos
Próximo Prisão preventiva para jovem suspeito de incendiar floresta em Barcelos

Artigos relacionados

Nacional

Navigator sensibiliza crianças em Setúbal para a importância da floresta

[Fonte: Agricultura e Mar]
A The Navigator Company, no âmbito do projecto “Dá a Mão à […]

Últimas

Pera rocha e queijo de S.Jorge entre produtos protegidos por acordo comercial UE-Japão

Bruxelas, 06 jul (Lusa) — A pera rocha e o queijo de S. Jorge são produtos portugueses com indicações geográficas protegidas (IGP) que beneficiarão do acordo de comércio livre entre a União Europeia e o Japão, […]

Últimas

“Ainda só não me acusaram de ser responsável pelo falhanço do acordo entre Donald Trump e a Coreia do Norte”, diz Pedro Marques

[Fonte: ECO – fundos comunitários]
“É possível e desejável que haja receitas próprias europeias para evitar taxar mais os portugueses ou as PME”, […]