Viver sem plástico, carne e emissões de CO2 é o repto para a Hora do Planeta

Viver sem plástico, carne e emissões de CO2 é o repto para a Hora do Planeta

A Hora do Planeta converteu-se “num movimento que vai muito mais além” do que apagar a luz, explicou à agência noticiosa Efe Miguel Ángel Valadares, da WWF, entidade que espera voltar a envolver milhares de cidadãos em todo o mundo.

Milhares de autarquias e empresas de quase 190 países juntar-se-ão ao apagão mundial de uma hora que se realiza desde 2007.

A novidade este ano inclui três apelos adicionais para todo o dia: não comer carne, não consumir plásticos e não emitir CO2, como contributos particulares para ajudar a reduzir a perda de biodiversidade.

A partir das 20h30 (menos uma nos Açores) de sábado, edifícios, monumentos, anúncios luminosos e luzes artificiais, tanto de empresas como de particulares, vão apagar-se durante 60 minutos, algo que “não deve assustar nada”, sublinhou Valadares, já que este apagão é “um símbolo que põe em contexto” a Hora do Planeta e apela para o compromisso ambiental.

Apagar da luz, é “apenas um gesto, mas muito forte”, porque conecta “centenas de milhões de pessoas” e lhes pede para refletirem sobre “o que pode fazer cada um para evitar a destruição da natureza”.

Com esta iniciativa, que se organiza no último sábado de março de cada ano, a WWF quer “impulsionar uma série de hábitos que vão além do ato de apagar a luz” e, “superando o simbolismo”, assinalar e enfrentar os problemas que causam as alterações climáticas e a perda de biodiversidade.

No caso do repto do dia sem carne, tratar-se de sublinhar “a enorme ocupação do sistema alimentar, da agricultura e da pecuária intensivas”, cujas atividades se estendem por “34% da superfície terrestre” e exercem uma pressão que se traduz em “destruição de ecossistemas, emissão de CO2 e diminuição dos recursos hídricos”.

Com o dia sem plástico pretende-se recordar que “todos os anos mais de 100 milhões de toneladas” de resíduos deste tipo acaba na natureza, incluindo nos oceanos, pelo que é preciso “eliminar o uso de plástico de uma só utilização e reduzir o uso de plásticos em geral”.

A Hora do Planeta começou há 12 anos em Sidney, onde se estima que mais de dois milhões de pessoas colaboraram com o apagão para uma poupança de 2% a 10% da energia consumida na cidade.

A WWF organizará atividades numa quinzena de grandes cidades por considerar que há que conservar, mas também há que conversar sobre a conservação, disse Valladares.

Continue a ler este artigo no Açoriano Oriental.

Comente este artigo
Anterior Agricultores de Pombal exigem apoios ao Governo para combater prejuízos de javalis
Próximo GNR já deteve 20 pessoas por crime de incêndio florestal

Artigos relacionados

Dossiers

Bolsa do Porco – Semana 51/2020

Na mesma semana em que a Comissão Europeia apresentou as suas previsões para a próxima década, antecipando uma quebra da produção suinícola em 3% no velho continente até 2030, soube-se que no mês de Novembro foram abatidos […]

Dossiers

Governo pondera crédito para produtores afetados pelo temporal no Centro e Norte

A ministra da Agricultura reconhece que ainda é cedo para decretar o estado de calamidade. […]

Nacional

Voluntários dinamizaram limpeza e plantação de espécies autóctones em Torres Vedras

As margens da Ribeira da Conquinha, afluente do Rio Sizandro, foram alvo de uma ação de voluntariado no passado dia 29 de dezembro. […]