Viveiros já preparam as plantas de amanhã

Viveiros já preparam as plantas de amanhã

Na Herdade de Espirra iniciou-se o processo de estacaria das novas plantas de Eucalipto globulus que serão vendidas a partir do outono.

“Nunca estou parada, nem a fazer a mesma coisa muito tempo”, confessa Maria Jesuína, coordenadora florestal nos Viveiros Aliança da The Navigator Company, em Pegões. O trabalho de viveirista muda com as estações, as condições climatéricas, as encomendas. É uma constante adaptação e a verdade é que não há nada que Maria Jesuína não saiba fazer no processo produtivo de plantas florestais.

Após o período de Inverno, em que é preciso podar, limpar, adubar e espalhar herbicida na produção clonal de eucalipto da Herdade de Espirra, é nesta altura do ano – entre maio e setembro – que os viveiristas andam atarefados a apanhar os rebentos no Parque de Pés-Mãe para um novo ciclo de plantas.

A ganhar raiz e força no Verão

Antes que termine o verão, é preciso levar os rebentos para a biofábrica e fazer a estacaria de novas plantas. Mas também é preciso manter as várias Casas de Sombra, que se espalham por 48 mil metros quadrados, sempre fechadas e com elevado grau de humidade. Lá dentro, cerca de 2,5 milhões de estacas precisam de ganhar raiz e força durante os meses menos frios.

Depois, mais tarde, será preciso deslocar as plantas de novo para o exterior, para provarem que conseguem sobreviver aos elementos. E, no inverno, as mais pequenas, que não foram selecionadas para venda, têm de voltar a ser recolhidas, por causa da geada. Nenhum cuidado é pouco para manter o ciclo da natureza e obter plantas mais resistentes.

A azáfama das encomendas de plantas, sobretudo Eucalipto globulus, a espécie florestal que assegura maior retorno financeiro aos produtores, surge com as primeiras chuvas. É preciso fazer a triagem das pequenas novas plantas que se encontram nos tabuleirões, mudá-las para paletes de transporte e carregá-las nos camiões. Num único dia muito ocupado, Maria Jesuína pode coordenar o carregamento de 150 mil a 170 mil plantas.

O eucalipto clonal é uma planta melhorada e adaptada a diferentes condições de solo e clima, que garante a produtividade e a resiliência dos povoamentos florestais.

“Espirra faz parte da minha vida”, exclama a viveirista, que começou a trabalhar na Herdade de Espirra com 15 anos e nos viveiros já leva 27 anos a cuidar das plantas que estão a renovar a floresta nacional.

Numa área de 3,7 hectares estão cerca de 171 mil pés de eucalipto, divididos por cores que correspondem a cada clone, uma planta melhorada e adaptada a diferentes condições de solo e clima. E uma garantia de produtividade e resiliência para os povoamentos florestais.

O artigo foi publicado originalmente em Produtores Florestais.

Comente este artigo
Anterior Madeira aprova 76 candidaturas do PRODERAM no valor de 12,1 milhões de euros
Próximo Miguel Bastos Araújo: Ainda não conseguimos harmonizar os interesses da ecologia e da economia

Artigos relacionados

Sugeridas

Redução de 50% no preço das carcaças abatidas no matadouro municipal

A Câmara de Miranda do Douro aprovou uma redução de 50% nos preços das carcaças de animais abatidos no matadouro municipal, esperando que […]

Cotações ES

Sin apenas variaciones en el precio en origen del aceite de oliva


Las lluvias han interrumpido las labores de recolección pero los precios en origen del aceite de oliva se han mantenido firmes, […]

Últimas

Novo concurso do Portugal 2020 na área da Investigação e Desenvolvimento Tecnológico com parcerias internacionais

Projectos poderão ter duração de 36 meses, devem ser liderados por um empresa portuguesa e garantir a participação de pelo menos duas entidades não empresariais nacionais e um investigador americano. […]