Vinhos do Alentejo e Águas de Portugal querem combater alterações climáticas

Vinhos do Alentejo e Águas de Portugal querem combater alterações climáticas

A Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA) anunciou hoje que assinou um protocolo com a empresa Águas de Portugal (AdP Valor) que visa mitigar as alterações climáticas, combater a desertificação do Alentejo e promover a economia circular.

Em comunicado, a CVRA explica que a cooperação entre as duas entidades surge como “resposta” à crescente desertificação do Alentejo, com a agricultura a ser responsável pelo uso de “75%” da água gasta em Portugal.

No documento é explicado que, em março, arrancou o primeiro projeto desta parceria, denominado por “AQUA VINI”, e que tem como objetivos “fomentar a reutilização” de água na atividade vitivinícola.

O projeto, financiado pelo Fundo Ambiental do Ministério do Ambiente, está a decorrer na Herdade da Ravasqueira.

O protocolo celebrado entre as duas entidades pretende ainda “reforçar” as ações no âmbito da reutilização de águas residuais, “reaproveitamento” de lamas de estações de tratamento de águas residuais (ETAR), a sustentabilidade e economia circular e projetos de inovação, conforme o Programa de Sustentabilidade dos Vinhos do Alentejo (PSVA), lançado em 2015.

Durante os dois anos de duração do protocolo, as duas entidades esperam ainda desenvolver projetos de investigação e desenvolvimento, estando já inserido nesta estratégia o projeto “AQUA VINI”.

De acordo com os promotores, aquele projeto tem ainda como missão a “promoção” de candidaturas a programas de financiamento, de âmbito nacional e comunitário, de projetos de investigação, desenvolvimento e inovação, “potenciar” a participação conjunta em projetos cofinanciados, “dinamizar” atividades de sensibilização, workshops e conferências e “promover” iniciativas que fomentem a economia circular no Alentejo.

“O AQUA VINI é um projeto pioneiro que permitirá estudar a reutilização de água na atividade de regadio, os efeitos desta aplicação no desenvolvimento das culturas irrigadas e o impacto nos recetores ambientais solo e recursos hídricos, bem como nos sistemas de rega”, esclarece por sua vez a AdP VALOR no documento.

Citado no comunicado, o coordenador do PSVA, João Barroso, alerta que a agricultura “é uma das maiores responsáveis” pelo gasto de água em Portugal, recordando que “cerca de 75%” da água ao nível nacional é utilizado por esta área.

“Percebemos que a nossa responsabilidade é acrescida, que precisamos de agir e agir hoje no desenvolvimento de tecnologias e projetos que garantam que, no futuro, teremos uma viticultura que é sustentável em todo o país, possibilitando um futuro mais risonho para as pessoas, para os negócios e para o planeta”, refere.

Comente este artigo
Anterior Relâmpago mata 68 cabras em Arcos de Valdevez
Próximo Previsão período alargado - Continente - 12 abr. a 09 mai. 2021

Artigos relacionados

Últimas

Agricultores devem 3,6 milhões de euros ao Alqueva

Um em cada quatro regantes está em dívida para com a empresa que fornece a água. […]

Sugeridas

Cada vez mais produtores de leite abandonam o setor

Cerca de 400 produtores de leite devem abandonar a profissão este ano, denunciou à Antena 1 a associação que representa os produtores de leite em Portugal […]

Nacional

Produção de azeitona para azeite cresce 20% com dificuldades na gestão do bagaço da azeitona

As previsões agrícolas do Instituto Nacional de Estatística (INE), em 30 de Novembro, apontam para um aumento na produção de azeitona para azeite (+20%), […]