Vinhos do Alentejo aumentaram 3,8% nas vendas em 2019

Vinhos do Alentejo aumentaram 3,8% nas vendas em 2019

Vendas de vinho tinto aumentaram 1,8% e representaram mais de 90,5 milhões de garrafas; vinho branco subiu 10,9%, para 24,7 milhões de garrafas e o vinho rosé cresceu 16,1%, atingindo 2,2 milhões de garrafas. 

De acordo com dados da Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA), a região do Alentejo colocou no mercado um volume correspondente a 117,4 milhões de garrafas de vinho certificado DOC Alentejo e Regional Alentejano, um aumento de 3,8% face a 2018. O volume total foi de 88,2 milhões de litros, entre vinho tinto, branco e rosé.

As vendas incluíram 70% de vinhos da colheita 2018, 21% da colheita 2017, 5% da colheita 2016 e 4% de colheitas anteriores, com os meses de fevereiro, abril e maio a terem maior actividade comercializadora com quantidades médias de 12,5 milhões de garrafas por mês.

As vendas de vinho branco e rosé em 2019 foram as mais elevadas dos últimos cinco anos e representaram, respectivamente, 21% e 2% do total, numa quantidade de 24,7 milhões de garrafas nos brancos e 2,2 milhões de garrafas nos rosés. Os vinhos tintos, que foram 77% do total, chegaram a 90,5 milhões de garrafas, menos 7 milhões do que a média dos cinco anos entre 2014-2018.

O vinho Regional Alentejano representou 78% da comercialização e o DOC Alentejo 22%, tendo o DOC registado crescimentos mais significativos nos vinhos originários das sub-regiões de Portalegre (+38%) e da Granja-Amareleja (+17%).  

Para Francisco Mateus, presidente da CVRA, “estes resultados revelam que a região está dinâmica e que as produções em cada ano influenciam o potencial comercial dos produtores, dado que a vindima de 2018 teve mais produção o que possibilitou mais vendas em 2019, situação que não se tinha verificado nos três anos anteriores”. 

Sobre o crescimento dos vinhos brancos e rosés, o presidente da CVRA adianta que “é uma evidência que o Alentejo está a afirmar-se nestas categorias e a conseguir cativar os consumidores, uma tendência que observamos desde há alguns anos com a importância de brancos e rosés a aumentar ano após ano desde 2014”.

Sobre o menor volume de vinhos tintos, por comparação com a média 2014-2018, Francisco Mateus explica “ver nesta diminuição uma conjugação entre preços no mercado nacional, pois o preço médio do vinho do Alentejo está valorizado acima da média nacional e também alguma prudência dos produtores na gestão dos stocks de vinho tinto”.

O artigo foi publicado originalmente em Vinhos do Alentejo.

Comente este artigo
Anterior El mercado del aceite se reactiva pero sin presionar a los precios
Próximo O deputado Ascenso Simões e as celulose - Paulo Pimenta de Castro

Artigos relacionados

Nacional

Candidaturas ao Prémio Newbie prolongadas até 31 de Janeiro

Foi prolongado até 31 de Janeiro de 2020 o período de candidaturas à edição de 2019 do Prémio Newbie. Este galardão europeu visa «premiar novos modelos de negócio agrícolas que resultam de formas inovadoras de ultrapassar as barreiras com que os novos empresários agrícolas se deparam quando se tentam estabelecer». […]

Últimas

Syngenta quer implementar Operation Pollinator também nas cidades

Durante o evento “Biodiversidade e agricultura, uma aliança necessária: 10 anos de Operation Pollinator”, a responsável de Registo e Assuntos Corporativos da Syngenta em Portugal afirmou que «um dos próximos objectivos da Syngenta é […]

Últimas

Évora apresenta alterações climáticas em 30 imagens

Enquanto em Madrid prossegue a Cimeira das Nações Unidas sobre o clima (COP25), em Évora, inaugura-se, esta quinta-feira, a exposição de fotografia sobre alterações climáticas, […]