Vinhos do Alentejo aumentaram 3,8% nas vendas em 2019

Vinhos do Alentejo aumentaram 3,8% nas vendas em 2019

Vendas de vinho tinto aumentaram 1,8% e representaram mais de 90,5 milhões de garrafas; vinho branco subiu 10,9%, para 24,7 milhões de garrafas e o vinho rosé cresceu 16,1%, atingindo 2,2 milhões de garrafas. 

De acordo com dados da Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA), a região do Alentejo colocou no mercado um volume correspondente a 117,4 milhões de garrafas de vinho certificado DOC Alentejo e Regional Alentejano, um aumento de 3,8% face a 2018. O volume total foi de 88,2 milhões de litros, entre vinho tinto, branco e rosé.

As vendas incluíram 70% de vinhos da colheita 2018, 21% da colheita 2017, 5% da colheita 2016 e 4% de colheitas anteriores, com os meses de fevereiro, abril e maio a terem maior actividade comercializadora com quantidades médias de 12,5 milhões de garrafas por mês.

As vendas de vinho branco e rosé em 2019 foram as mais elevadas dos últimos cinco anos e representaram, respectivamente, 21% e 2% do total, numa quantidade de 24,7 milhões de garrafas nos brancos e 2,2 milhões de garrafas nos rosés. Os vinhos tintos, que foram 77% do total, chegaram a 90,5 milhões de garrafas, menos 7 milhões do que a média dos cinco anos entre 2014-2018.

O vinho Regional Alentejano representou 78% da comercialização e o DOC Alentejo 22%, tendo o DOC registado crescimentos mais significativos nos vinhos originários das sub-regiões de Portalegre (+38%) e da Granja-Amareleja (+17%).  

Para Francisco Mateus, presidente da CVRA, “estes resultados revelam que a região está dinâmica e que as produções em cada ano influenciam o potencial comercial dos produtores, dado que a vindima de 2018 teve mais produção o que possibilitou mais vendas em 2019, situação que não se tinha verificado nos três anos anteriores”. 

Sobre o crescimento dos vinhos brancos e rosés, o presidente da CVRA adianta que “é uma evidência que o Alentejo está a afirmar-se nestas categorias e a conseguir cativar os consumidores, uma tendência que observamos desde há alguns anos com a importância de brancos e rosés a aumentar ano após ano desde 2014”.

Sobre o menor volume de vinhos tintos, por comparação com a média 2014-2018, Francisco Mateus explica “ver nesta diminuição uma conjugação entre preços no mercado nacional, pois o preço médio do vinho do Alentejo está valorizado acima da média nacional e também alguma prudência dos produtores na gestão dos stocks de vinho tinto”.

O artigo foi publicado originalmente em Vinhos do Alentejo.

Comente este artigo
Anterior Lá, como cá – Fogos na Austrália - João Adrião
Próximo O deputado Ascenso Simões e as celulose - Paulo Pimenta de Castro

Artigos relacionados

Nacional

Portugal quer aumentar 10 vezes a economia do espaço e criar mil empregos até 2030

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior assumiu esta terça-feira como objetivo aumentar 10 vezes a economia do espaço, criando também mil empregos, […]

Nacional

“Agenda do clima tem que estar na agenda todos os dias”

Em tempo de seca e de protestos juvenis, Sofia Guedes Vaz e Alfredo Cunhal Sendim falam de cidadania e ambiente na edição desta semana do programa Da Capa à […]

Últimas

Açores: regime jurídico da actividade de polícia florestal está em consulta pública

O Governo Regional disponibilizou hoje, 25 de Setembro, para consulta pública, no seu Portal, a ante-proposta de Decreto Legislativo Regional que define o regime jurídico da actividade de polícia florestal na Região Autónoma dos Açores. […]