Vendidos 540 cabazes de hortofrutícolas pela internet em Valongo desde dezembro

Vendidos 540 cabazes de hortofrutícolas pela internet em Valongo desde dezembro

O projeto “O Mercado”, de venda na internet de produtos hortofrutícolas iniciado em dezembro de 2020 em Valongo, já vendeu 540 cabazes a mais de 200 famílias, anunciou hoje a câmara, acrescentando a cooperativa terem superado as expectativas.

Resultado de uma parceria entre a autarquia de Valongo e a Cooperativa dos Produtores Agrícolas local, os cabazes são entregues semanalmente no Apeadeiro de Susão, à terça-feira, e em Ermesinde, na loja da cooperativa, à quinta-feira, junto à estação do comboio, no regresso das pessoas dos seus empregos, lê-se no comunicado do município.

Em ambos os casos a entrega das encomendas feitas em https://saude.cm-valongo.pt/pages/674 ocorre entre as 17:30 e as 19:00, acrescenta.

Destaca a autarquia que os cabazes estão disponíveis em duas versões: o “Família” — com uma variedade de cinco produtos que podem pesar até cinco quilogramas, com o preço de cinco euros, e o “Super Família”, que contém até sete variedades e nove quilogramas de peso, que custa oito euros, sendo sempre acompanhados por dicas e receitas saudáveis.

“Começou logo acima do que tínhamos estimado. Na primeira semana de dezembro entregámos mais de 70 cabazes quando o esperado eram entre 20 e 30. Atualmente registamos cerca de 30% de novos pedidos por semana”, relatou à Lusa o presidente da cooperativa, José Luís Dias.

Com cerca de 200 famílias a fazer encomendas regulares, o produtor explicou que os cabazes “não sempre iguais”, explicando dessa forma a “flutuação nos pedidos”.

“Já tivemos dias em que houve dificuldade em dar resposta aos pedidos porque no inverno a horticultura é mais fraca. Neste momento escoamos tudo o que produzimos. Vamos ver a partir de março ou abril, com mais produto disponível, se vamos continuar a ter uma adesão forte”, acrescentou.

Parte integrante do Plano de Ação da Saúde para o biénio 2019/2020 da autarquia, o projeto “O Mercado” pretende “promover a disponibilidade de hortofrutícolas, de produção local, fomentando a inclusão de produtos da época na dieta semanal das famílias”, destaca a nota de imprensa.

O Mercado está a ser “um sucesso e a superar as expectativas, sobretudo depois de o país ter entrado em janeiro no segundo confinamento”, vincou o presidente da câmara, José Manuel Ribeiro, citado pelo comunicado.

“É um projeto que tem três grandes virtudes: coloca na mesa dos valonguenses mais frutas e mais legumes frescos do que era habitual, é um processo totalmente digital na encomenda e até ao momento da entrega do cabaz e tem um preço muito acessível, possibilitando o acesso a todos os extratos socioecónomicos, precisamente para incutir novos hábitos que, a seu tempo, também irão beneficiar a economia local e a qualidade de vida da população”, acrescentou o autarca.

“Temos um protocolo de três anos com a câmara para a venda dos produtos, que não só é para cumprir como acredito que vamos além disso”, disse o responsável da autarquia.

No projeto estão envolvidos 22 produtores de Valongo, Gondomar e Paredes.

As encomendas continuarão a ser entregues nos locais habituais durante o estado de emergência ditado pelo combate à propagação da covid-19, garante a câmara.

Comente este artigo
Anterior O melhor vinho fortificado do mundo é português
Próximo Sistemas Agroflorestais, tema da nova edição da CULTIVAR publicada pelo GPP

Artigos relacionados

Últimas

Plano de eficiência hídrica do Alentejo atrasado um ano

Os baixos índices de precipitação observados no Alentejo no ano hidrológico de 2018/19 levou o Governo a encomendar um Plano Regional de Eficiência Hídrica (PREH), […]

Nacional

Compraram um terreno para fazer dele uma reserva natural nos arredores de Coimbra

A encosta é íngreme e a chuva que sobre ela caiu durante a manhã não ajuda. No entanto, o piso escorregadio não demoveu o grupo de cerca de 15 pessoas que se tinha juntado no topo do monte da Senhora da Alegria, […]

Nacional

Teresinha, as estufas e a praga de moscas da fruta no Sudoeste Alentejano

Teresinha Oliveira e o marido, Sérgio Oliveira, que trabalham numa herdade junto ao Brejão, e Adriana Novo, com um restaurante em São Teotónio, concelho de Odemira, têm um […]