Universidade de Évora (UÉ) com dois novos projetos aprovados na área da investigação e combate aos incêndios florestais

Universidade de Évora (UÉ) com dois novos projetos aprovados na área da investigação e combate aos incêndios florestais

PyroC.pt e FUEL-SAT são os acrónimos dos dois projetos liderados pela Universidade de Évora (UÉ) aprovados para financiamento pela Fundação para Ciência e a Tecnologia (FCT) na 3ª edição do Concurso para Projetos de Investigação Científica e Desenvolvimento Tecnológico no âmbito da Prevenção e Combate de Incêndios Florestais, com um total de financiamento de 520.000  para um período de 3 anos.

Ambos coordenados por investigadores do Pólo de Évora do Centro Ibérico de Investigação e Combate aos Incêndios Florestais (CILIFO), contaram ainda com a colaboração de mais três Unidades de I&D  sediadas na UÉ: o Instituto de Ciências da Terra (ICT), o Instituto Mediterrâneo para a Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento (MED) e o Centro de Investigação em Matemática e Aplicações (CIMA).

O projeto PyroC.pt- Modelação de fogos florestais para avaliação de riscos e estudo da piroconvecção em Portugal –  coordenado pelos investigadores do ICT Rui Salgado e Flávio Couto, estuda o efeito dos incêndios na atmosfera e na propagação e severidade do próprio fogo e tem como principal objetivo obter uma melhor representação da piro-convecção (responsável por nuvens criadas pelo próprio fogo) em previsão numérica do tempo (PNT). O projeto espera avanços significativos na representação numérica mais realista dos incêndios florestais e no impacto da piroconveção na atmosfera, na microfísica das nuvens e na química da atmosfera com vista a desenvolver uma metodologia mais precisa de avaliação que possibilite uma avaliação sazonal do risco de incêndios.

Por sua vez, o FUEL-SAT, coordenado pelos investigadores Sérgio Godinho (MED/ICT) e Nuno Gracinhas (MED) pretende investigar a caracterização e classificação dos combustíveis. Através de dados de satélite multiespectrais, LIDAR, e RADAR, os investigadores esperam conseguir desenvolver e testar uma metodologia que permita observar, medir, mapear e monitorizar como, quando e onde os combustíveis florestais são mais propensos a queimar. O seu intuito é estudar o comportamento do fogo, em muito dependente da quantidade e distribuição (vertical e horizontal) do combustível disponível, bem como das principais características do mesmo (tipo de vegetação, estrutura e teor de humidade).

Recorde-se que esta linha de investigação tem vindo a ser desenvolvida na UÉ pelo Centro Ibérico para a Investigação e Combate aos Incêndios Florestais (CILIFO), através do Programa de Cooperação Transfronteiriça Interreg V-A Espanha-Portugal (POCTEP), tendo como principais objetivos contribuir, através de uma perspetiva multidisciplinar, para  a promoção da investigação científica e inovação com vista a fortalecer as competências técnicas e a contribuir para o desenvolvimento da formação, sensibilização, investigação e cooperação no combate aos incêndios florestais.

Comente este artigo
Anterior La pugna por los fondos para la PAC sigue abierta: Piden a los eurodiputados que pasen de las palabras a los hechos y aprueben mejoras
Próximo Revista FitoSíntese n.º 12 - julho de 2020

Artigos relacionados

Últimas

UÉvora desenvolveu processo tecnológico para a produção em massa de túberas

Com utilização em diversos setores, como farmacêutico, cosmético, alimentação e agricultura, investigadores da Universidade […]

Internacional

EPA proposes herbicide tiafenacil as ‘low-risk’ alternative to control glyphosate-tolerant weeds

EPA proposes tiafenacil for pre-plant and pre-emergence burndown use in corn (all types except sweet corn), cotton, soybeans and wheat. Proposed post-emergence uses include directed […]

Nacional

Beira Interior prevê ano normal na produção de vinho

O presidente da Comissão Vitivinícola Regional da Beira Interior (CVRBI), Rodolfo Queirós, disse hoje à agência Lusa que espera um ano normal de produção e […]