UÉvora desenvolveu processo tecnológico para a produção em massa de túberas

UÉvora desenvolveu processo tecnológico para a produção em massa de túberas

Com utilização em diversos setores, como farmacêutico, cosmético, alimentação e agricultura, investigadores da Universidade de Évora (UÉ) desenvolveram um processo tecnológico para a obtenção de plantas inoculadas visando a produção de túberas lançando as bases para uma nova forma de produção de alimentos com propriedades nutracêuticas e a exploração sustentável deste recurso micológico, de uma forma sustentável, resiliente e economicamente rentável.

As túberas são a frutificação hipógea (cogumelos subterrâneos) de fungos micorrízicos que se associam tradicionalmente a raízes de plantas anuais e o desafio de conseguir a associação micorrízica deste fungo com plantas perenes, como o Cistus salviifolius  (sargaço) e Cistus ladanifer  (esteva), foi alcançado, permitindo a partir de agora a sua produção em massa para utilização em diversos setores.

As túberas ou criadilhas (Terfezia arenaria e T. fanfani)  caracterizam-se por permanecer debaixo da terra até à maturação dos esporos, possuírem uma forma arredondada, medir em média 4 a 8 cm diâmetro, podendo atingir 10 cm, surgindo apenas na primavera e sendo mais comuns no sul do nosso país, região Alentejo, em solo arenosos e ácidos, ocorrendo também, com menos expressão, na Beira Litoral e na Beira Baixa.

Esta importante descoberta aguarda atribuição de patente europeia e segundo Celeste Santos e Silva, professora do Departamento de Biologia e investigadora no MED uma das etapas cruciais deste processo tecnológico foi o isolamento do micélio de Terfezia em cultura pura, ou seja “conseguir fazer crescer este fungo numa caixa de Petri com ágar-ágar, que dá ao meio uma consistência gelatinosa, e com uma determinada composição de nutrientes e minerais”.

Um resultado só possível graças a muitas tentativas, até porque, como explica a investigadora, “muitas cepas não podem ser sub-cultivadas, e assim até agora, as poucas tentativas bem-sucedidas, principalmente com Terfezia, apresentavam um crescimento muito lento e deficitário para que fosse possível produzir micélio nas quantidades adequadas”.

Esta invenção, desenvolvida na Universidade de Évora, refere-se assim ao processo que permite melhorar o isolamento e a manutenção da cultura de micélio de espécies do género Terfezia. Este género é considerado o mais diverso, rico em número de espécies, do grupo das “trufas-do-deserto”. “Conseguimos melhorar as taxas de isolamento e aumentar a proliferação de Terfezia spp de forma confiável e reproduzível” destaca assim a investigadora da academia eborense.

Esta investigação lançou ainda as bases para uma nova forma de produção de alimentos com propriedades nutracêuticas” destaca a Investigadora referindo-se à combinação dos termos “nutrição” e “farmacêutica” mostrando utilidade, entre outros para o sector agro-florestal e “que permitirá a exploração sustentável deste recurso micológico, de uma forma sustentável, resiliente e economicamente rentável”.

Celeste Santos e Silva, frisa ainda que a disseminação de plantas inoculadas com Terfezia spp., “previne a desertificação e erosão do solo, reforça a integridade e a multifuncionalidade da paisagem e permite a recuperação de áreas ardidas e/ou com solos degradados’‘. A concretização desta nova forma de produção assegura a investigadora do MED, “possibilitará a criação de mais emprego, invertendo a tendência atual para a desertificação das áreas rurais”.

Investigadores descobrem novas espécies de túberas

Foi também no âmbito do projeto “Micorrização de Cistus spp com Terfezia arenaria  (Moris) Trappe e sua aplicação na produção de túberas”, que o grupo de investigadores liderados por Celeste Santos e Silva realizou uma prospecção exaustiva na procura de túberas e descreveu duas novas espécies para a ciência, referimo-nos a Terfezia lusitanica e Terfezia solaris-libera.

É muito difícil identificar novas espécies dadas as características morfológicas de Terfezia, que são visualmente muito semelhantes entre si, e aqui a biologia molecular foi absolutamente fundamental” explica a investigadora destacando que foi possível “atualizar e resolver problemas sobre a taxonomia e filogenia (relação evolutiva entre grupos de organismos), deste género”.

Comente este artigo
Anterior Live: II Jornadas de Inovação e Valorização das Raças Autóctones - 1.º dia
Próximo FIPA lança The Foodies em Portugal: Prémios europeus para PME do setor agroalimentar

Artigos relacionados

Nacional

Dos 6800 incêndios detectados este ano, apenas dois lavraram mais de 24 horas

O presidente da LBP defende a utilização de um retardante na água e sugeriu que, no próximo contrato, o Estado tenha em conta a contratação de meios que possam fazer “a calda”. […]

Internacional

Avian influenza: virus spreading rapidly in Europe

The risk of avian influenza moving into previously unaffected European countries is high, according to an update published today by EFSA which shows that the virus is spreading […]

Nacional

Investimento: África terá de ser mais do que Angola e Moçambique 

Quando um empresário português começa a estudar o mercado africano para fazer investimentos, os primeiros dois destinos em que pensa são, […]