Trem de aterragem em baixo causou acidente com avião na barragem de Castelo de Bode

Trem de aterragem em baixo causou acidente com avião na barragem de Castelo de Bode

O relatório dos investigadores do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários sobre o acidente ocorrido a 3 de julho, na albufeira de Castelo de Bode, revela que o piloto, um espanhol de 49 anos, não recolheu o trem de aterragem do avião de modelo Fire Boss durante a manobra de reabastecimento na albufeira.

O alerta para o acidente ocorrido na zona de Trízio, no concelho da Sertã foi dado pela aeronave que fazia parelha com o piloto do avião acidentado, sem conseguir informar ao serviço de informação de voo o estado da aeronave acidentada.

Após o acidente, o piloto recolheu alguns bens soltos na cabine, abandonou o cockpit e nadou até à margem, onde reportou o que tinha ocorrido pela via telefónica.
O homem conta com mais de 4.300 horas de voo, 1.200 delas em Fire Boss. A aeronave foi dada como destruída.

O relatório dos investigadores aponta outros fatores que contribuíram para o acidente – durante a descolagem, as comunicações de missão interromperam os procedimentos habituais, a carga de trabalho a que o piloto foi sujeito desviou a sua atenção das tarefas essenciais de voo e os procedimentos para impedir a má configuração do trem de aterragem não se mostraram eficazes.

O relatório teceu críticas à intensa comunicação de rádio registada durante o voo, e recomendou às entidades responsáveis para que restrinjam as comunicações não essenciais durante os voos de combate aos incêndios.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Correio da Manhã.

Anterior Lousã regista “aumento significativo” da presença da vespa velutina
Próximo Investigadores alertam que reformas da PAC são um retrocesso

Artigos relacionados

Nacional

PCP quer água gerida pelas associações de regantes e barragens prometidas construídas

[Fonte: Publico]

Comunistas defendem construção de algumas das albufeiras que o actual Governo suspendeu e uma rede de transvases entre barragens para evitar o transporte por autotanques, […]

Nacional

Azeite alentejano é reconhecido como sabor do ano 2018

O Azeite de Moura DOP Virgem Extra, da CAMB (Cooperativa Agrícola de Moura e Barrancos), acabou de ser reconhecido como Sabor do Ano 2018 – um reconhecimento provado e aprovado diretamente pelos consumidores, […]

Nacional

Gerir património devoluto é a competência mais aceite pelos municípios com vista à descentralização

O património imobiliário público sem utilização, no âmbito da descentralização, é a competência mais aceite, por 157 municípios, que decidiram assumir a transferência em 2019, […]