Torres Vedras avança com aproveitamento hidroagrícola de Sizandro e Alcabrichel

Torres Vedras avança com aproveitamento hidroagrícola de Sizandro e Alcabrichel

O concelho de Torres Vedras vai avançar com o aproveitamento hidroagrícola dos rios Sizandro e Alcabrichel. O Executivo Municipal aprovou, esta terça-feira, 4 de Fevereiro, as minutas de protocolo a celebrar com a Alcabrirega – Associação de Rega do Vale do Alcabrichel, a Sizanrega – Associação de Rega do Vale do Sizandro, a Direcção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo e a Águas do Tejo Atlântico que irão permitir que a água destes dois rios seja utilizada para rega.

Explica fonte da autarquia que os protocolos “garantem os estudos necessários ao desenvolvimento de uma solução técnica e de um regime de utilização comuns do uso de recursos hídricos para rega, tendo em conta os 40 kms de extensão do Rio Sizandro e os 25 kms de extensão do Alcabrichel. Em simultâneo será efectuada a identificação de proprietários necessária à implementação de aproveitamento hidroagrícola”.

Pequenos açudes são insuficientes

Há cerca de 10 anos que estas associações de regantes têm construído pequenos açudes. Contudo, segundo o protocolo, os mesmos “são manifestamente insuficientes e mal dimensionados”. Estas associações reúnem os principais e potenciais beneficiários dos recursos hídricos e das infraestruturas que, no futuro, irão permitir uma rega mais eficiente a custos energéticos adequados.

Serão criados gabinetes de missão, de forma a garantir a sua execução, assim como comissões de acompanhamento para a elaboração dos planos.

Programa Nacional de Regadios

Os protocolos contemplam a apresentação de candidaturas ao Programa Nacional de Regadios, que pretende expandir, reabilitar e modernizar os regadios existentes e a criação de novas áreas regadas, contribuindo para o combate às alterações climáticas e a utilização mais eficiente dos recursos. O Programa Nacional de Regadios é financiado através do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR 2020), pelo Banco Europeu de Investimento (BEI) e pelo Banco de Desenvolvimento do Conselho da Europa (CEB).

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior Corredor ecológico de 120 mil hectares vai atravessar o Vale do Côa
Próximo Incêndios: Observatório considera confusa consulta pública do Plano de Gestão Integrada

Artigos relacionados

Comunicados

Psila africana dos citrinos: Trioza erytreae – atualização da zona demarcada

A DGAV atualizou o mapa bem como a lista de Freguesias que integram total ou parcialmente a zona demarcada respeitante a Trioza erytreae. […]

Últimas

Oferta de estágio – Retail Manager Trainee – Licenciado em Engenharia Zootécnica ou Alimentar – Porto

Terás oportunidade de explorar a dinâmica do Comércio e conquistar o teu lugar na Auchan Retail Portugal […]

Nacional

“Não há uma única rutura no abastecimento de sementes”

O cultivo do girassol e do milho, bem como das hortícolas que chegarão à mesa dos portugueses no verão, estão a decorrer “com toda a normalidade, […]