Suplemento Agrovida de Janeiro Vida Económica – Editorial Teresa Silveira + Suplemento Agrovida

Suplemento Agrovida de Janeiro Vida Económica – Editorial Teresa Silveira + Suplemento Agrovida

Portugal viveu um 2017 “estranho e contraditório”. É o Presidente da República quem o diz e obriga-nos a recapitular as “reconfortantes alegrias” que vivemos, mas, acima de tudo, as “profundas tristezas” em que mergulhámos durante o ano que findou.

Os cidadãos, coletivamente, viveram boas emoções – “o triunfo europeu da nossa música, os excecionais galardões no turismo, o sucesso reiterado no digital, os êxitos nas artes, na ciência, no desporto, colocando Portugal como um destino cimeiro” – e, verdade seja dita, as empresas e os operadores económicos também sentiram bons sinais.

Atentemos: as finanças públicas estabilizaram (a execução orçamental até Novembro revela uma melhoria do saldo das Administrações Públicas de 2326 milhões de euros), a economia e o emprego cresceram (o desemprego reduziu para 8,5% em outubro e é o mais baixo desde Abril de 2008), os juros baixaram e a dívida pública idem (esta reduziu 2,5 mil milhões em Novembro), a Europa ditou o fim do défice excessivo (o de Portugal em 2017 ficará muito próximo de 1% do PIB) e confiou em Mário Centeno para liderar o Eurogrupo, a Standard & Poor’s subiu o ‘rating’ de Portugal para BBB- e a Fitch levantou a notação de alto risco que atribuía a Portugal desde 2011 passando-a de BB+ para BBB e, por fim, o indicador de confiança da indústria transformadora aumentou entre Setembro e Dezembro, retomando o perfil ascendente iniciado em Junho de 2016, segundo dados desta semana do INE.

Como diz Marcelo Rebelo de Sousa, se 2017 tivesse findado a 16 de Junho, ou, então, se os mortíferos incêndios de 17 desse mês, a juntar aos de 15 e 16 de outubro, não tivessem revelado falhas imperdoáveis do Estado português e a anedota do furto em Tancos não nos tivesse feito corar de vergonha, o balanço de 2017 era francamente positivo. Assim, não foi. Houve estranhezas e contraditoriedades pelo caminho e pelo menos estas duas nódoas negras pairarão na nossa memória nos tempos mais próximos.

Em 2018, precisamos de nos reinventar e de reganhar o futuro. Para que, nos momentos absolutamente críticos que a imprevisibilidade do futuro nos reserve, a missão essencial do Estado não falhe nem se isente de responsabilidade.

 →Descarregue aqui o suplemento AGROVIDA – JANEIRO 2018←

Comente este artigo
Anterior Suinicultores portugueses comemoram 6 meses do projecto Porco.PT - 6 de Janeiro 2018 - Lisboa
Próximo Seja o primeiro a receber a Newsletter Emprego

Artigos relacionados

Comunicados

CEPAAL mostra Azeite do Alentejo a bloggers e jornalistas estrangeiros

O Azeite do Alentejo vai estar em destaque esta semana durante uma visita de bloggers e jornalistas estrangeiros à região, organizada pelo Centro de Estudos e Promoção do Azeite do Alentejo (CEPAAL).
Entre 13 e 15 de dezembro, o grupo de seis participantes oriundos do Brasil, […]

Últimas

Hubel Verde aposta em soluções biotecnológicas para a agricultura e inaugura filial em Alpiarça

A Hubel Verde inaugurou, a 26 de Janeiro, as instalações requalificadas da sua filial de Alpiarça, numa cerimónia onde estiveram presentes cerca de 200 convidados, entre os quais a Diretora Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo e o Presidente da Câmara Municipal de Alpiarça. […]

Últimas

Em Silves há espaço e vontade para crescer num setor histórico para o município

[Fonte: Voz do Campo]

Destacar e promover a citricultura que se faz no concelho são apenas dois dos propósitos da 3.ª Mostra Silves Capital da Laranja que decorre de 15 a 17 de fevereiro. Depois de alguns anos em estagnação, ultimamente a área de citrinos no concelho tem aumentado exponencialmente, […]