Startups: A nova fonte de inovação para o sector agrícola – Cristina Mota Capitão

Startups: A nova fonte de inovação para o sector agrícola – Cristina Mota Capitão

O sector agrícola enfrenta diversos desafios que têm implicações à escala global, como sejam a escassez de água e outros recursos, as alterações climáticas e o crescimento da população mundial, entre outros. A utilização da tecnologia aparece como uma ferramenta útil para enfrentar estes desafios, sendo a digitalização e a utilização de aparelhos móveis fatores-chave para a sua penetração na agricultura. No entanto, a agricultura é um dos sectores menos digitalizado a nível mundial.

Nos últimos anos, particularmente desde 2014, tem-se assistido a um crescimento considerável no aparecimento de startups que desenvolvem soluções tecnológicas para o sector agrícola em todo o mundo. O investimento em startups agtech tem tido um crescimento exponencial e em 2017 este investimento já ultrapassou os 100 milhões de dólares.

O sector agrícola tem captado especial atenção por parte destas startups que o têm alterado em diversos aspetos, trazendo a tecnologia para resolver muitos dos seus desafios. Software de gestão agrícola, agricultura de precisão e análise preditiva, robótica e drones, sensores e irrigação inteligente, são algumas das áreas em que as startups estão a trazer disrupção ao sector.

A tecnologia está a mudar a vida dos consumidores e das empresas a uma velocidade sem precedentes e o sector agrícola não é exceção. Aqueles que não acompanharem esta transformação irão tornar-se obsoletos mais rapidamente do que se possa imaginar.

As empresas do sector agrícola terão necessariamente de começar a olhar para as startups como uma fonte de inovação e de tecnologia. Num mundo cada vez mais global e em rede, a capacidade para uma dada empresa se manter disruptiva é reduzida, já que ninguém detém todo o conhecimento e as competências para inovar sozinho. É preciso inovar em conjunto e atualmente assiste-se a um movimento único, onde grandes empresas colaboram com startups.

Quem é a Amazon ou a Uber da agricultura? Quais são as tendências de negócio que estão a surgir globalmente? Identificar estes modelos disruptivos será fundamental para perceber como se dará a evolução do sector agrícola nas próximas décadas.

Posso afirmar que a colaboração com as startups é uma nova fonte de inovação para as empresas. Tradicionalmente, a inovação é desenvolvida recorrendo a núcleos internos de I&D ou a colaboração com as entidades do sistema científico e tecnológico, como sejam as universidades ou os centros de investigação e desenvolvimento.

E por que serão as startups esta nova fonte de inovação para as empresas estabelecidas? Porque as startups têm na sua essência aquilo que as empresas estabelecidas não têm e que no mundo global em que vivemos é o factor-chave para o sucesso: agilidade.

Dois dos princípios gerais desta agilidade são:

1. Em detrimento de passar meses a planear e a investigar, as startups aceitam que tudo o que possuem no dia em que começam é uma série de hipóteses não testadas (ou seja, apenas têm bons palpites…).

2. As startups utilizam a abordagem Get Out of the Building, ou seja, “vão para a rua” testar as suas hipóteses, reunindo evidências para verificar se estas são verdadeiras ou falsas. Neste processo é dada uma grande ênfase à agilidade com que as startups conseguem construir um Produto Minimamente Viável (MVP – Minimum Viable Product), que é depois apresentado aos potenciais utilizadores. Após o seu feedback, as startups revêem as suas hipóteses e mudam-nas ou validam-nas consoante os resultados obtidos.

Esta agilidade no desenvolvimento de soluções é uma das grandes vantagens de trabalhar com startups, já que muito do trabalho duro já está feito, estando a solução (geralmente) construída. A empresa irá atuar como escala e máquina de distribuição, alavancando a tecnologia da startup e acelerando o seu time to market.

Mas como em tudo na vida, não há bela sem senão. Trabalhar com startups pode ser, à partida, uma tarefa difícil, já que são dois mundos muito distintos e com linguagens diferentes.

A entrada de uma entidade parceira que facilite esta relação entre startups e empresas é fundamental para parcerias de sucesso. Esta entidade deve conhecer as startups e entender as necessidades das empresas. Em Portugal, uma das entidades que tem potenciado este processo de inovação colaborativa é a INOVISA, através da iniciativa cropUP.

O objetivo é apoiar empreendedores e startups a desenvolverem soluções que tragam inovação ao sector, por um lado, e, por outro, apoiar as empresas do sector agroalimentar e florestal a colaborarem com estas startups. Está a ser criado um ecossistema de inovação agtech em todo o mundo e Portugal não pode ficar de fora. É fundamental que mais empreendedores olhem para o sector agrícola como mercado potencial para as suas soluções tecnológicas e que mais empresas do sector absorvam esta inovação. Sendo Portugal altamente qualificado em termos de quadros técnicos relacionados com tecnologia e sendo um país com agricultura de excelência, teremos todos os ingredientes para podermos vir a criar diversos negócios agtech competitivos à escala global.

Cristina Mota Capitão

Coordenadora – BOOST

Receba este artigo na Newsletter do Agroportal

Aceito a Política de Proteção de Dados e consinto a recolha e tratamento de dados pessoais para as nossas newsletters.

Comente este artigo
Anterior Top articles Les cinq sujets incontournables de la semaine
Próximo Five things you need to know today

Artigos relacionados

Nacional

Paderne recebe sessão dos Fóruns de Modernização da Agricultura do Crédito Agrícola

[Fonte: Gazeta Rural]

O Grupo Crédito Agrícola vai promover no próximo dia 15 de Maio, […]

Comunicados

Dia Mundial da Alimentação Oportunidade para algumas considerações estratégicas

Assinala-se, hoje, o Dia Mundial da Alimentação. […]

Opinião

A aclimatação ao calor estimula a imunidade das plantas – Sílvia Palma Ferreira

Há mais de 20 anos que foi reportado um conjunto de estudos pioneiros que realçavam a importância da relação entre a temperatura elevada, […]