Sobre a exibição na escola do documentário Cowspiracy

Sobre a exibição na escola do documentário Cowspiracy

Tomámos conhecimento de que amanhã, dia 9 de Outubro, será exibido, pelas 9h00, nas instalações da Escola Secundária de Barcelos e dirigido aos alunos do 11º ano (turmas B, D, E e F), o documentário “Cowspiracy: The Sustainability Secret” de 2014 que, de acordo com a apresentação publicada no site do Agrupamento de Escolas de Barcelos: “… promove o veganismo enquanto expõe os problemas ambientais causados pela alimentação à base de animais.” A visualização é justificada pela “recente tomada de posição da Universidade de Coimbra em não servir carne de bovino nas suas cantinas e da emergência climática ser um assunto que não permite adiar discussões”. O cartaz do evento, ainda disponível no site da Escola e que esteve afixado ao público que foi votar na manhã do passado domingo, refere a presença, como convidado, de um militante de um partido político que defende a doutrina vegan e o fim da produção animal.

Oportunamente manifestámos à Direção da Escola a nossa perplexidade pela presença de alguém que não é perito em agricultura, produção animal ou alterações climáticas e disponibilizamo-nos para enviar representantes com experiência e formação que estariam presentes a explicar a criação de bovinos para produção de leite carne em Barcelos, que envolve centenas de famílias. Tivemos como respostas a abertura para agendar no futuro a exibição e debate de alguma obra alternativa ao filme em questão e a ausência do militante político que fora anunciado, o que saudamos, pese embora o facto de permanecerem motivos de preocupação face ao conteúdo do documentário.

 O documentário Cowspiracy, cujos promotores são ativistas vegan, apresenta uma imagem distorcida da produção animal e que não deve ser generalizada. Há que contextualizar e apresentar aos alunos qual a realidade do nosso país e da região onde se inserem, bem como as práticas legais na União Europeia.

O documentário apresenta dados de emissões de gases com efeito estufa (GEE) errados e contestados por diversas entidades independentes e isentas. O ponto central da “teoria da conspiração” do Cowspiracy é o suposto “facto” de que um estudo de 2009 descobriu que 51% de todos os gases de efeito estufa são originados pela produção animal. Os próprios autores reduziram em declarações posteriores esse valor para 18%, enquanto o consenso científico aponta valores na ordem dos 14,5% a nível mundial. Em Portugal, dados de 2017 indicam que os bovinos produzem apenas 4,5% dos gases de efeito de estufa, conforme imagem abaixo.

O documentário tem muitas outras incorreções que já foram publicamente denunciadas e que seria extensivo enumerar agora. Toda a doutrina vegan na vertente ambiental ignora ostensivamente que o carbono libertado pelos animais foi captado pelas plantas cultivadas pelos agricultores, da mesma forma que deturpa os dados relativos à utilização da água na agricultura e na pecuária.

Têm surgido inúmeros testemunhos de jovens que se converteram ao veganismo após visualizar este documentário e que depois o abandonaram por motivos de saúde. Pedimos a pais e professores para estarem atentos às escolhas alimentares dos jovens e recomendamos que sejam aconselhados por nutricionistas e não por ativistas.

 É urgente assegurar de que os nossos jovens não são doutrinados unilateralmente, mas antes incentivados a questionar, discutir, inquirir sobre o porquê das coisas, formando uma opinião individual baseada em factos, devendo ser fomentado o pensamento critico, que só se consegue promovendo um debate de ideias, livre, plural e com direito a contraditório.

As tentativas de partidarização no interior e no âmbito de atividades letivas em escolas públicas são inaceitáveis e devem merecer atenção redobrada das respetivas direções.

A Direção da APROLEP

Comente este artigo
Anterior “Houve muitos projetos, certamente meritórios, a que não foi possível dar sequência”
Próximo Seminário “Novas competências para a agricultura digital” - 5 e 6 de fevereiro - Aranjuez, Espanha

Artigos relacionados

Nacional

Syngenta lança novo fungicida para o olival

A Syngenta acaba de lançar no mercado nacional o Amistar Top, uma nova solução de proteção do olival contra o Olho-de-Pavão. […]

Dossiers

Bióloga portuguesa ganha 1,5 milhões de euros para produzir cevada sustentável

Na Irlanda, Sónia Negrão recebeu uma bolsa de 1,5 milhão de euros no âmbito do prémio Líderes do Futuro na Investigação. A portuguesa quer […]

Últimas

Guiné-Bissau. Fundação João XXIII entrega duas ambulâncias, material hospitalar e agrícola

A Fundação João XXIII entregou esta quinta-feira, em Bissau, duas ambulâncias e material hospitalar e agrícola no âmbito do apoio que tem dado à […]