Setembro de 2020: prados e pastagens de sequeiro sem biomassa disponível e reduzido valor nutritivo

Setembro de 2020: prados e pastagens de sequeiro sem biomassa disponível e reduzido valor nutritivo

Ao longo de Setembro de 2020, os prados e pastagens de sequeiro mantiveram-se secos, praticamente sem biomassa disponível e com reduzido valor nutritivo. Apenas as espécies forrageiras anuais e os prados de regadio continuam a fornecer algum alimento às espécies pecuárias em pastoreio.

Desta forma, diz o Boletim Mensal da Agricultura e Pescas – Outubro de 2020, do Instituto Nacional de Estatística (INE), a alimentação da generalidade dos efectivos explorados em regime extensivo foi assegurada com recurso a palhas e fenos, pontualmente suplementados com rações industriais em quantidades que se consideram normais para a época e semelhantes ao registado a igual período do ano anterior.

A produção forrageira foi superior ao normal (globalmente o INE prevê que 20% superior) e, apesar de estar já a ser utilizada, deverá ser possível armazenar quantidades suficientes para assegurar as necessidades nutricionais dos efectivos nos próximos períodos de maior escassez das pastagens (ou de impossibilidade de acesso às mesmas).

Setembro quente

Acrescenta o Boletim Mensal da Agricultura e Pescas – Outubro de 2020 que o mês de Setembro caracterizou-se, em termos meteorológicos, como quente em relação à temperatura do ar e normal quanto à precipitação. O valor médio da temperatura, 21,3º C, foi 1,1º C superior à normal 1971-2000, sendo que foram as temperaturas registadas durante a primeira quinzena do mês que contribuíram para esta anomalia.

De referir que entre os dias 2 e 13 ocorreu uma onda de calor em alguns locais do Centro. Quanto à precipitação média, 36,3 mm, foi ligeiramente inferior à normal 1971-2000 (42,1 mm). Esta precipitação ocorreu principalmente entre os dias 17 e 19, associada à passagem da tempestade subtropical Alpha.

No que diz respeito às charcas e albufeiras de pequena dimensão as disponibilidades de água continuaram a diminuir ao longo do mês, quer pelo consumo quer pelas perdas por evaporação, encontrando-se a um nível de armazenamento inferior ao normal.

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior Previsões agrícolas do INE: produção de pêra cai 35%, a pior campanha da última década
Próximo Previsões agrícolas do INE: campanha do milho com rendimento de 9,2 toneladas/hectare

Artigos relacionados

Nacional

Brasil lança sistema biológico de produção de mangas

Investigadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) desenvolveram o primeiro sistema biológico para a produção de manga. Elaborado com base em testes realizados na localidade de Lençóis, na Chapada Diamantina […]

Últimas

Bruxelas lança programa de empréstimos destinado a jovens agricultores

A Comissão Europeia e o Banco Europeu de Investimento (BEI) lançaram esta segunda-feira um programa de empréstimos para jovens agricultores europeus, […]

Internacional

Research for the AGRI Committee – The Green Deal and the CAP: policy implications to adapt farming practices and to preserve the EU’s natural resources

This document is the final report of the study developed by INRAE and AgroParisTech for the European Parliament: “The Green Deal and the CAP: policy implications to adapt farming practices […]