Sessão Oficial de Encerramento do Centenário da Direção-Geral dos Serviços Pecuários e de Abertura do Ano Internacional da Sanidade Vegetal – 17 de fevereiro – Lisboa

Sessão Oficial de Encerramento do Centenário da Direção-Geral dos Serviços Pecuários e de Abertura do Ano Internacional da Sanidade Vegetal – 17 de fevereiro – Lisboa

A Ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, e o Secretário de Estado da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, Nuno Russo, participam na Sessão Oficial de Encerramento do Centenário da Direção-Geral dos Serviços Pecuários e de Abertura do Ano Internacional da Sanidade Vegetal – 2020.

A sessão, organizada em colaboração com a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) e cujo programa também se remete, será aberta à Comunicação Social e terá lugar no Salão do Marquês, no Ministério da Agricultura (Lisboa), a partir das 15 horas.

Local: Salão do Marquês, Ministério da Agricultura (Lisboa)

Sobre o Ano Internacional da Sanidade Vegetal

Em 2020 celebra-se o Ano Internacional da Sanidade Vegetal. Neste contexto e em parceria com a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária, o Ministério da Agricultura irá assinalar este ano com diversas iniciativas, visando sempre sensibilizar a população de que, tal como sucede com a saúde humana ou animal, a prevenção também é melhor remédio na proteção das plantas, alertando para os efeitos devastadores das emergências fitossanitárias na agricultura, na floresta e nos ecossistemas naturais.

Com esta proclamação, em dezembro de 2018, pela Assembleia Geral das Nações Unidas, pretendeu-se reforçar a consciencialização global sobre o fundamental contributo da sanidade vegetal para erradicar a fome, reduzir a pobreza, proteger o ambiente e impulsionar o desenvolvimento socioeconómico. A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) estima que até 40% das culturas alimentares sejam perdidas anualmente devido a pragas e doenças das plantas.

Sendo um tema que marca a atualidade e representando uma prioridade que supera fronteiras, são desenvolvidas, a nível internacional, normas técnicas que visam a proteção das plantas, garantindo segurança no comércio global de vegetais e produtos vegetais e prevenindo a dispersão de pragas e doenças para novos territórios. Neste domínio, Portugal esteve na génese do primeiro acordo internacional, assinado em 1881, visando, na época, estabelecer normas para se evitar a dispersão da filoxera, que dizimava as vinhas nacionais e europeias. Também a nível da União Europeia, está estabelecido um extenso acervo legislativo que incide sobre a prevenção, controlo e erradicação de pragas e doenças das plantas.

Comente este artigo
Anterior Trazidas pelo clima, seca e moscas destroem laranjas no Algarve
Próximo Seminário "As maiores ameaças fitossanitárias aos citrinos" - 20 de fevereiro - Faro

Artigos relacionados

Nacional

Abertas candidaturas a apoios para reforço da defesa floresta


As candidaturas aos apoios disponibilizados pelo Governo, no montante de 20 milhões de euros, para reforçar a defesa da floresta contra os danos causados por pragas e doenças já […]

Últimas

Eurodeputados portugueses admitem crise na UE por orçamento a longo prazo

“Não queremos uma crise institucional, mas só estamos dispostos a dar o nosso consentimento, como temos vindo a dizer, se tivermos um orçamento à […]

Nacional

CDS afirma falta de água de rega na Ponta do Sol

O deputado municipal do CDS na Ponta do Sol, João Aníbal Garanito, afirma haver “escassez de água de rega, não só […]