Seguros de rendimento da batata – um ano depois

Seguros de rendimento da batata – um ano depois

A Safe-Crop, com a Lusitania e a Porbatata, desenhou uma proteção de seguro ao rendimento. Assim, sempre que o organismo oficial de estatística disser que o preço da batata caiu, é provável que seja paga uma compensação. O seguro está em comercialização e já pagou indemnizações em 2021, para aqueles que se quiseram proteger para as flutuações de rendimento.
Estamos há um ano com esta oferta no mercado, pelo que creio que faz sentido fazer um balanço. Apesar do sucesso comercial, há muito que fazer. Tal como outros seguros, o seguro de rendimento tem ainda uma baixa penetração. É importante aumentar a cultura de gestão de risco e o conhecimento que há mecanismos de proteção ao rendimento do produtor.

Há duas grandes críticas têm sido feitas ao seguro de rendimento:

  • “O produto só serve para quem tem grandes margens”. Não é verdade! O seguro de rendimento da Batata protege contra as perdas financeiras e é ainda mais adequado para quem tem margens pequenas.
    Repare-se no exemplo muito extremado: Um produtor tem uma margem de lucro sobre as vendas de 1% e tem um mau ano de venda, em que nada consegue vender. Este produtor precisará de 99 bons anos para recuperar os custos que teve.
    Claro que nunca ninguém perde tudo. Mesmo num ano mau, alguma coisa conseguir-se-á aproveitar. E a margem nunca será tão pequena. Contudo, o que este exemplo mostra é que quem tem margens pequenas é quem mais precisa de se proteger face aos riscos de preço.
  • “Os indicadores de preço do INE não correspondem à minha realidade”. De facto, os números oficiais do INE são nacionais e há especificidades regionais que não conseguimos contemplar. Também há diferentes variedades de Batata que não seguem directamente a mesma evolução de preços.

A resposta a esta crítica é clara: O seguro está desenhado para cobrir grandes quedas de rendimento. E tipicamente, quando há grandes quedas, estas afectam todas as regiões e variedades. Não é credível que o preço só caia nas batatas do Montijo e aumente na Lourinhã e na zona de Aveiro.

Além disso, se quiser estar sempre protegido, poderá escolher um capital mais elevado, resistindo a qualquer queda de preço. Poderá ainda ajustar o seu mês de produção para um mês que tenha o risco adequado à sua experiência de comercialização.

Com as indemnizações que pagámos este ano, acreditamos que o índice nacional traduz a realidade com bastante rigor.

A fileira da Batata está em plena transformação. Mas com esta proteção poderá proteger hoje o rendimento de amanhã.

Conte connosco!

Fonte: Porbatata

Comente este artigo
Anterior Porbatata: Balanço da Agroglobal
Próximo Diálogo Independente "Revalorizar os Sistemas Alimentares Mediterrânicos" - 6 de outubro - Évora

Artigos relacionados

Últimas

CAP pede esclarecimentos sobre Cumprimento de Condicionantes PDR até 31 de MAIO

Sobre o email da Autoridade de Gestão do PDR 2020 que solicita o envio, com urgência, de documentação que o IFAP considera em falta, a CAP pediu […]

Nacional

eSpai Café abre wine bar em parceria com a Sogrape

O restaurante eSpai Café, localizado em Lisboa, conta agora com espaço totalmente dedicado à degustação de vinhos fruto de uma parceria com a Sogrape. […]

Blogs

Área ardida em Portugal é um dos piores registos da Europa

Em 2017, ano dos mais severos incêndios rurais de que há memória, a área ardida em Portugal representou 41% de todo o território europeu […]