Seguro vitícola abrange risco desavinho a partir da atual campanha – Governo

Seguro vitícola abrange risco desavinho a partir da atual campanha – Governo

Os produtores cujas vinhas sejam afetadas por desavinho podem acionar o seguro de colheitas este ano, depois de este risco ter passado a ser coberto, esclareceu o Ministério da Agricultura à Lusa.

“[…] Os contratos de seguro vitícola celebrados em data anterior à nota informativa poderiam já cobrir o risco de desavinho, caso esse fosse o entendimento entre as partes: segurado e companhia de seguros”, indicou, em resposta à Lusa, o Ministério da Agricultura.

Segundo o executivo, este risco pode ser contratualizado como cobertura a ser aplicada “na presente campanha e seguintes”.

Assim, conforme precisou o ministério liderado por Maria do Céu Antunes, um produtor cuja a produção seja afetada pelo desavinho ainda este ano pode acionar o seguro.

O desavinho resulta da ausência da transformação das flores da videira em frutos, impedindo a normal maturação dos cachos.

Em 12 de maio, o Instituto da Vinha e do Vinho (IVV) publicou uma nota informativa a apontar que o desavinho é um risco cuja proteção é abrangida pelo seguro vitícola de colheitas, caso a sua ocorrência seja “comprovadamente ocasionada por acidente climático adverso”.

O esclarecimento do IVV foi publicado em data posterior à altura em que, por norma, é contratualizado o seguro vitícola de colheitas.

Desde 2013, que, no caso da vinha para vinho, o prémio de seguro passou a ser concedido, “exclusivamente”, através do seguro vitícola de colheitas.

Uma portaria de 10 de fevereiro de 2012 determinou as condições de aplicação da medida de apoio à contratualização deste seguro.

O Ministério da Agricultura disse ainda que, na sequência da nota informativa do IVV, “não houve publicação de qualquer despacho”, tendo em conta que a portaria prevê que “podem ser cobertos outros riscos comprovadamente climáticos, a definir no contrato de seguro”.

Comente este artigo
Anterior Cotas mais baixas na albufeira da Boavista devem-se a maior consumo para rega este mês - APA
Próximo Barragem do Pisão: “vai ser fator de intensificação da agricultura e retirar caudal ao Tejo” - Associação Ambientalista Zero

Artigos relacionados

Blogs

Exocortis | Encontrada solução para combater a doença dos citrinos?

[embedded content]
O exocortis dos citrus (também conhecido como “scalybutt”) é uma doença que afeta as árvores de citrinos e, […]

Nacional

Quais foram as principais medidas laborais aprovadas?

Decorreu nesta terça-feira a última reunião do grupo de trabalho para a lei laboral, com o PS, o PSD e o CDS a rejeitarem as alterações ao trabalho por turnos, […]

Notícias florestas

Mais uma taxa contra quem gera riqueza – Manuel Carvalho

Saberá o Bloco quantas pequenas serrações existem em zonas sensíveis como a do pinhal interior? Conhecerá o seu papel na criação de […]