Segurança em tratores agrícolas: um debate que importa ser alargado e não decidido por regimes sancionatórios – Luís Alcino da Conceição

Segurança em tratores agrícolas: um debate que importa ser alargado e não decidido por regimes sancionatórios – Luís Alcino da Conceição

Há alguns dias, a convite de uma entidade que representa o setor agrícola, escrevi um pequeno texto acerca das minhas preocupações sobre o uso de tratores e as questões de segurança que lhe estão envolvidas. No mesmo, deixei algumas reflexões que partilho aqui convosco:

– porque não foi ainda constituída uma plataforma comum que permita de forma objetiva apurar o conjunto de acidentes com estes veículos, independentemente dos mesmos se verificarem em estrada ou em campo?;

– porque tarda a implementação de um sistema de inspeção periódica de tratores no nosso país, atendendo a que este mesmo procedimento já o é realizado em muitos países europeus e inclusivamente no nosso arquipélago dos Açores?;

– porque é que em Portugal, contrariamente ao que já foi implementado em Espanha com o plano ‘PIMA Tierra 2014’, nunca foi proposto um programa de abate de veículos agrícolas antigos com a sua substituição por novos e assim proporcionar a oportunidade aos agricultores de terem tratores de maior eficiência energética, menos poluidores e mais seguros!?

No passado dia 27, ficamos a saber que o Conselho de Ministros deliberou no sentido de aplicar um regime sancionatório aos titulares de tratores agrícolas cujos veículos não estejam equipados com o conhecido arco de Sto António, ficando o seu incumprimento sujeito a uma coima de 120 a 600 euros. Parece-me uma medida precipitada, com baixo impacto na resolução do problema que se pretende ver solucionado, e reativa para com a necessidade de sensibilizar o agricultor para esta problemática, já que da forma como surge, vai ser interpretada como mais uma multa a somar a tantas imposições a que já vai estando sujeito nos últimos tempos..

Comparando; não é multado nenhum condutor titular de uma viatura ligeira anterior a 1966 por não ter cinto de segurança, nem creio que exista na Europa Comunitária idêntica legislação à que agora se pretende impor aos utilizadores de tratores agrícolas em Portugal.

Passo assim a explicar-vos o meu ponto de vista sobre este assunto.

As estruturas de proteção são obrigatórias nos tratores matriculados após 1 de janeiro de 1994, tratores estes que contam 25 ou mais anos, cerca de duas vezes a vida útil prevista para este tipo de bens que numa utilização normal somam com facilidade mais de 20 000 horas de funcionamento, com tudo o que isso significa numa máquina. Assim, a questão em aberto é desde logo, qual o valor comercial de um veículo destes que justifique ainda a montagem de um arco de segurança, ou de outra forma, qual o valor de montagem deste dispositivo (que requer homologação, bem como homologado o conjunto do arco e do trator) que compense ainda a sua montagem num trator desta idade e grau de utilização…?? Será que nestes tratores a única falha de segurança é a ausência do arco de Sto António…??

Mas indo um pouco mais atrás, não deixando de reconhecer a importância deste dispositivo na prevenção de acidentes, recordo que a utilização do mesmo só per si, e nomeadamente sem a alteração do banco do operador e/ou montagem de um dispositivo de retenção (cinto de segurança) hoje obrigatória em todos estes veículos, reduz em muito a sua eficácia já que o embate com capotamento faz frequentemente com que o operador saia da sua zona de segurança e possa ficar novamente sujeito ao risco de esmagado causado até pelo próprio arco. Por aqui resulta que a ser obrigatória uma medida, outra relativa à montagem de um elemento de retenção devia ser implementada para garantir a sua eficácia.

Considerando a elevada percentagem do parque tratores agrícolas com idade superior a 25 anos, soma-se a isto a necessidade imperiosa de fabrico e homologação destes dispositivos em massa, sob pena, de mesmo querendo ir ao encontro da lei, não haver resposta do mercado em tempo útil para fornecimento, montagem e homologação deste equipamento permanecendo até lá em incumprimentos milhares de veículos e utilizadores.

Recentemente, e em resposta aos acidentes com tratores agrícolas que infelizmente ocorrem um pouco por toda a Europa, foram os próprios fabricantes que propuseram um conjunto de novas soluções de segurança através da implementação da conhecida TMR – Tractor Mother Regulation, demonstrando que a segurança e a prevenção de acidentes vai muito além da simples utilização do arco de Sto António. Já não estamos em 1994 e hoje discute-se, por exemplo a importância do uso de sistemas ABS em tratores agrícolas.

Efetivamente o posto de trabalho que hoje representa o posto de condução de um trator agrícola, não acarreta apenas o risco de capotamento. Outros riscos estão associados com a integridade física do operador, como os resultantes da falta de manutenção do veículo, o ruído, as vibrações, o nível de emissões poluentes, ou a necessidade de proteção contra a utilização de produtos fitofarmacêuticos.

Soma-se a isto, o facto dos tratores serem instrumentos que se querem eficientes do ponto de vista energético, com baixos custos de utilização e cada vez mais amigos do ambiente utilizando motorizações que cumpram as metas ambientais de redução dos GEE e assim contribuam para os objetivos propostos no roteiro de neutralidade carbónica, apenas possível de ser alcançado com veículos atuais e com bons níveis de manutenção.

Para obviar esta situação, muitos recorrem à importação de tratores usados. Esta, também não me parece ser a melhor alternativa, já que um agricultor português não faz necessariamente menos horas de utilização que um congénere seu europeu, porque é particularmente importante conhecer a origem desses tratores para não se correr o risco de adquirir “gato por lebre”.

Por este conjunto de motivos, parece-me que mais importante do que deliberar sobre um regime sancionatório para quem nas circunstâncias anteriormente referidas não tem arco de segurança no seu trator, é pensar o problema no seu todo, e não apenas tratando-o como uma ferida que se resolve colocando um penso. Devemos pensar nas inspeções, devemos pensar na substituição de veículos antigos por novos, devemos continuar a aposta na formação e sensibilização dos operadores, e neste caso em concreto multar sim, mas aqueles que tendo o arco de segurança o usem indevidamente.

Infelizmente em Portugal a mecanização agrícola face a outras áreas tecnológicas já teve um papel de maior relevo e fórum alargados de discussão, mas a importância que lhe é dada pelos agricultores e demais entidades públicas e privadas que com ela se relacionam, fez com esta valência fosse recentemente uma das três objetivamente visadas no recém criado Centro de Competências InovTechAgro.

Neste sentido, teria sido oportuna a consulta a este Centro sobre as medidas a tomar nesta matéria, atendendo às 65 entidades que o subscrevem, nomeadamente o Ministério da Agricultura.

Neste contexto, mais consistente do que a criação de um regime sancionatório teria sido importante o debate de um conjunto de medidas e a sua aplicação, que de forma integrada contribuíssem para a redução de acidentes com tratores agrícolas.

Luis Alcino da Conceição

InovTechAgro

Professor Adjunto do Instituto Politécnico de Portalegre

Coimas para tratores agrícolas sem arco de proteção entre os 120 e os 600 euros

Sociedade Civil: Acidentes Rurais

InovTechAgro – Inovação, mas não só! – Luís Alcino da Conceição

Comente este artigo
Anterior Asoma la tendencia alcista en el mercado de vacuno
Próximo Diciembre arranca con pocos cambios en los precios del aceite

Artigos relacionados

Nacional

Smurfit Kappa cria embalagem biodegradável para uvas

A Smurfit Kappa, líder do sector da embalagem de papel e cartão canelado, desenvolveu para um dos seus clientes um punnet para uvas, […]

Nacional

Jornadas Técnicas “O Medronheiro e o Medronho”

Jornadas Técnicas “O Medronheiro e o Medronho” para dar valor aos recursos do território
Aprofundar o conhecimento sobre as suas qualidades, […]

Nacional

Fundo Ambiental financia 228 municípios para estudar recolha de biorresíduos

O Fundo Ambiental vai financiar 228 municípios, correspondentes a 91 candidaturas, no âmbito do «Programa de Apoio à Elaboração de Estudos Municipais para o Desenvolvimento de Sistemas de […]