Saúde: Tratado sobre pesticidas e alimentação em 6 partes

Saúde: Tratado sobre pesticidas e alimentação em 6 partes

A revista GLP – Genetics Literacy Project acaba de publicar a sexta parte de uma série de textos sobre pesticidas e alimentação. Entre as conclusões que sobressaem destacam-se estas: a segurança dos agrotóxicos é constantemente avaliada; os seus resíduos nos produtos são muito baixos para causar problemas de saúde; os níveis de pesticidas detetados nos produtos convencionais é semelhante aos dos produtos biológicos.

Os pesticidas ainda estão no topo da lista de preocupações dos consumidores  norte-americanos no memomento de decidir que alimentos ou produtos comprar. Mesmo em níveis mínimos, os pesticidas ainda são considerados perigosos e prejudiciais para o meio ambiente. Mas muitas dessas opiniões baseiam-se em crenças e em evidências científicas atuais, como sustentam os autores da série de textos sobre pesticidas e alimentação que a revista Genetics Literacy Project tem vindo a publicar.

Na verdade, dizem Kayleen Schreiber e Marc Brazeau, o uso de pesticidas tem diminuido muito e a sua toxicidade e impacto ambiental terem melhorado significativamente nas últimas décadas. Ainda assim, muitas pessoas continuam preocupadas com a sua aplicação.

O texto 6 da série sobre pesticidas e alimentação tem como título“Resíduos de pesticidas – Há algo com que se preocupar?” e nele os autores destacam algumas das principais questões que preocupam os consumidores nos EUA, acabando por desmontar muitos argumentos divulgados nos órgãos de informação: dizem que esses argumentos “são demasiado redutores em comparação com o real desafio de produzir alimentos da maneira mais saudável e eficiente possível”.

Alegando queé fácil considerar boa a agricultura biológica e má a agricultura convencional, os autores sustentam que isso “não corresponde à verdade e não é a melhor maneira de melhorar as práticas agrícolas daqui para frente”. Muitas mudanças e melhorias surgiram ao longo das últimas décadas nos pesticidas e nas práticas agrícolas e para para continuar esta evolução é necessário avaliar individualmente cada pesticida, cada tecnologia e cada prática agrícola e compará-los constantemente com alternativas viáveis. Alegam Kayleen Schreiber e Marc Brazeau que esta “é a única maneira de enfrentar com precisão científica os desafios do futuro”, como o aumento da população e as alterações climáticas.

Leia o texto 6 completo aqui.

Não perca também os textos:

1 – O uso de pesticidas diminuiu?

2 – Os pesticidas melhoraram?

3 – Quão perigoso é o glifosato?

4 – Como é que os pesticidas biológicos se comparam aos pesticidas de sintese?

5 – Saúde do solo – Quando os pesticidas químicos de síntese são mais sustentáveis ​​do que os ‘naturais’.

O artigo foi publicado originalmente em CiB - Centro de Informação de Biotecnologia.

Comente este artigo
Anterior Executivo angolano começa sexta-feira a combater praga de gafanhotos que atinge duas províncias
Próximo Incêndios: MAI anuncia criação de 58 novas equipas de intervenção nos bombeiros voluntários

Artigos relacionados

Eventos

Webinars: Gestão da Água e do Solo – 10, 17 e 24 de março

A uma escala temporal realista, o Solo tem de ser considerado como um recurso não renovável, razão pela qual o uso do […]

Dossiers

Cotações – Azeite e Azeitona – Informação Semanal – 16 a 22 Setembro 2019

Análise SIMA – Sistema de Informação de Mercados Agrícolas
Conjuntura semanal
Na semana em análise, não foram registadas cotações de azeite a granel. […]

Últimas

Montemor: Feira da Luz/Expomor organiza colóquio sobre o Toiro Bravo a 31 de Agosto

O Toiro Bravo vai estar presente pela primeira vez na Feira da Luz/Expomor, que decorre em Montemor-o-Novo de 28 de Agosto a 2 de Setembro. […]