Ruas critica desvio de fundos comunitários do interior para “a gorda Lisboa”

Ruas critica desvio de fundos comunitários do interior para “a gorda Lisboa”

O cabeça de lista do PSD pelo círculo de Viseu acusou o Governo de “esmifrar os orçamentos municipais” e denunciou o o desvio de verbas comunitárias destinadas à coesão do interior para Lisboa.

O cabeça de lista do PSD pelo círculo de Viseu, Fernando Ruas, denunciou e criticou esta terça-feira o desvio de verbas comunitárias destinadas à coesão do interior para “a gorda Lisboa”, considerando que é preciso “dizer basta” a esta situação.

Fernando Ruas, cara conhecida da região, fez esta terça-feira um discurso de cerca de 15 minutos na abertura do primeiro jantar-comício da campanha social-democrata para as eleições legislativas de domingo, no pavilhão multiúsos de Viseu.

Acusando o Governo de “esmifrar os orçamentos municipais”, o antigo autarca de Viseu durante duas décadas, apontou que os presidentes de câmara sabem “como lhes é exigido, para terem investimentos da responsabilidade do Governo, investimentos públicos, [que] têm que comparticipar”.

Notando que “não é isto que tem acontecido em Lisboa”, Fernando Ruas lembrou que o atual primeiro-ministro, António Costa, foi anteriormente presidente da Câmara de Lisboa.

“Eu não sei se foi pela conveniência do senhor primeiro-ministro vir da Câmara de Lisboa, enquanto nestes concelhos do nosso distrito se queremos a escola é necessário que a câmara arranje os terrenos, é necessário que a câmara tenha alguma comparticipação, se queremos os hospitais é necessário que a câmara disponibilize os terrenos, em Lisboa tudo é pago à Câmara Municipal”, criticou.

Na opinião do candidato, esta situação acontece à custa do “desvio de verbas comunitárias”, mas, advogou, “isto não é forma de tratar, de facto, este interior”.

“Nós pertencemos a um distrito que está situado nas duas regiões mais pobres do país, e não é justo que os dinheiros que vêm da coesão, exatamente para pôr o desenvolvimento destas regiões ao nível das regiões da Europa, seja desviado por artifícios que conhecemos para a gorda Lisboa”, defendeu.

O candidato social-democrata assinalou que é altura de “dizer daqui ‘basta’”, prometendo “denunciar estas situações” até que a voz lhe doa.

Assim, Ruas advogou que “os 11 milhões de euros por dia” que Portugal recebe da União Europeia “têm de chegar” à região, justificando que “não é justo que o investimento público apenas chegue” ao interior “pela mão das autarquias e que não haja decisões governamentais” nesse sentido.

No seu discurso, que antecedeu o do presidente do partido, Fernando Ruas aproveitou para convidar também o secretário-geral do PS a repetir a corrida que fez enquanto candidato à presidência da Câmara de Loures, mas na estrada nacional 229.

Quando concorreu à Câmara de Loures, em 1993, António Costa organizou uma corrida entre um burro e um Ferrari na Calçada de Carriche, que liga aquele município a Lisboa, como forma de salientar que era necessário resolver o problema dos engarrafamentos no acesso à capital.

Esta quarta-feira, num jantar-comício na capital de distrito, o histórico autarca convidou Costa a repetir a iniciativa, mas na estrada nacional que liga Viseu a Sátão, antecipando que se repetiria o pódio de há 26 anos e chegaria mais depressa ao destino montado no animal do que dentro do carro.

Nós vivemos no interior porque queremos, nós vivemos no interior porque gostamos, não deixamos que o interior continue a ser esquecido como tem sido feito até agora”, sublinhou o cabeça de lista do PSD, afirmando que “o país está cada vez mais assimétrico, cada vez mais desigual”.

Assinalando que daqui a quatro anos vai voltar para “prestar contas”, Ruas prometeu levar estes problemas a público até que a “situação seja alterada”.

O candidato social-democrata referiu ainda as grandes votações que o antigo líder Aníbal Cavaco Silva conseguiu em Viseu e aproveitou a deixa para profetizar um bom resultado do PSD no domingo: “Eu não sei agora que ‘quistão’ é que nos vão chamar, mas seguramente há de ser um ‘quistão’ bom, de certeza absoluta”.

Antes de Fernando Ruas, o palco foi do líder da distrital, Pedro Alves, que considerou que “nada de relevante aconteceu” nos últimos quatro anos de executivo socialista e defendeu que “este foi o pior Governo para o interior do país”.

Em 2015, nas anteriores eleições legislativas, a coligação PSD/CDS-PP conseguiu eleger seis deputados por Viseu, cinco dos quais sociais-democratas.

O artigo foi publicado originalmente em ECO - fundos comunitários.

Comente este artigo
Anterior Cotações – Ovinos e Caprinos – Informação Semanal – 23 a 29 Setembro 2019
Próximo Mais de 130 autarquias candidatas a apoios para destruir ninhos de vespa asiática

Artigos relacionados

Dossiers

Se paran las subidas en el mercado de las canales de vacuno

Repeticiones en las canales de vacuno, después de las subidas de las últimas semanas. Las ventas se mantienen animadas, con los mostradores trabajando y haciendo pedidos para reponer, con los lomos y solomillos siendo los más demandados, […]

Últimas

Cascas de ovo podem ser utilizadas para melhorar regeneração óssea

Investigadores da Universidade de Massachusetts Lowell, nos Estados Unidos da América, descobriram recentemente um novo uso para as cascas de ovo – […]

Últimas

Combate ao fogo no Fundão está a decorrer “favoravelmente”

O combate ao fogo que deflagrou esta sexta-feira, em Peroviseu, Fundão, distrito de Castelo Branco, está a decorrer “favoravelmente” e a expectativa é […]