Responsabilidades políticas começaram com o primeiro Governo de Cavaco Silva

Responsabilidades políticas começaram com o primeiro Governo de Cavaco Silva

[Fonte: Sic Notícias]

Miguel Sousa Tavares esteve esta segunda-feira na edição especial da SIC Notícias sobre a tragédia de Pedrógão Grande. O comentador da SIC diz que é preciso meditar sobre o “erro coletivo” do país, não pensar no futuro; e defende que as responsabilidades políticas deste incêndio começaram em 1987, com o primeiro Governo de Cavaco Silva. Miguel Sousa Tavares defende ainda que Portugal precisa de parar para pensar.

O comentador da SIC acredita que as responsabilidades políticas pelo estado da floresta portuguesa começaram em 1987, com o primeiro Governo de Cavaco Silva.

Miguel Sousa Tavares diz que o ministro da Agricultura desta altura defendeu o abandono da agricultura a “troco de indemnizações” e que o da Indústria e Energia defendeu a “eucaliptização” do país, lembrando ainda que o ministro disse que os eucaliptos eram “o nosso petróleo verde”.

O comentador aproveitou até para deixar uma mensagem a Mira Amaral: “o seu petróleo não é verde, é da cor do fogo”.

Para Miguel Sousa Tavares, estes fatores estão todos ligados, pois acredita que vamos ter cada vez mais incêndios em zonas que a agricultura foi abandonada e onde não há ninguém.

O comentador da SIC criticou ainda o país e, em especial, os políticos que “insistem em não aprender a lição”.

Apesar de estarem criadas as condições atmosféricas “perfeitas” para uma ignição, isto não justifica a dimensão da tragédia, segundo Miguel Sousa Tavares. O comentador defende a prevenção da floresta e acredita que houve uma falha de previsão meteorológica relativamente aos incêndios.

Sobre os sistemas de comunicações para situações de emergência, o comentador diz que o sistema, apesar de ter sido muito caro na altura em que foi comprado, falhou e impossibilitou o combate dos incêndios da” melhor maneira”.

O corte dos sapadores, que fazem um trabalho essencial na prevenção, é uma das críticas do comentador.

Por fim, defende a mobilização das forças armadas, para trabalharem na prevenção.

Clique aquipara ver as declarações.

Comente este artigo
Anterior Capoulas Santos está com o "coração destroçado" mas de "consciência tranquila"
Próximo IPMA explica o que aconteceu em Pedrógão Grande

Artigos relacionados

Nacional

Casa das Talhas de portas abertas na Feira Nacional de Agricultura 2019

[Fonte: Gazeta Rural]

A Adega Cooperativa de Vidigueira, Cuba e Alvito continua a fazer a pré-divulgação do seu novo projeto de enoturismo, a Casa das Talhas, que será inaugurado no final do terceiro trimestre. Desta vez em Santarém.
A pouco mais de três meses da data da inauguração da Casa das Talhas, […]

Sugeridas

Entrevista de Eduardo Oliveira e Sousa à Antena1 e ao Jornal de Negócios

Conversa Capital com Eduardo Oliveira e Sousa

Ainda há esperança, diz o presidente da CAP referindo-se à situação da agricultura decorrente da seca. Se em abril chover abundantemente os efeitos podem ser minimizados, caso contrario, adianta em entrevista à Antena1 e ao Jornal de Negócios, a situação será idêntica à vivida em 2017. […]

Últimas

Incêndios: Assembleia quer consagrar 17 de junho como Dia Nacional em Memória das Vítimas

[Fonte: O Jornal Económico]

O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, enviou esta quarta-feira aos líderes parlamentares um projeto de resolução para consagrar 17 de junho como Dia Nacional em Memória das Vítimas dos Incêndios Florestais. A iniciativa deverá […]