Rendimento da atividade agrícola deve aumentar 0,6% em 2018

Rendimento da atividade agrícola deve aumentar 0,6% em 2018

O rendimento da atividade agrícola em Portugal deverá aumentar 0,6% em 2018, face a 2017, após um crescimento de 5,4% no ano passado, segundo a primeira estimativa das contas económicas da agricultura esta quinta-feira divulgada pelo INE.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), esta evolução estimada “resulta fundamentalmente da combinação de um aumento de 3,5% perspetivado para o Valor Acrescentado Bruto (VAB) com um decréscimo de 2,9% dos outros subsídios à produção”. “A evolução nominal prevista para o VAB resulta do efeito conjugado do acréscimo da produção do ramo agrícola (+1,6%), mais acentuado do que o do consumo intermédio (+0,4%)”, refere o INE.

Contudo, acrescenta, “em termos reais, estima-se uma diminuição do VAB (-1,5%), refletindo uma redução mais pronunciada do volume da produção comparativamente com a do consumo intermédio (-1,2% e -1,0%, respetivamente)”.

O aumento nominal da produção do ramo agrícola em 2018 resultou de acréscimos quer da produção vegetal (+0,9%), quer da produção animal (+2,2%), tendo-se registado, em termos globais, um decréscimo do volume (-1,2%) e um aumento dos preços de base (+2,8%). Já os preços no produtor e os subsídios ao produto aumentaram 2,9% e 0,9%, respetivamente.

Em 2018, o consumo intermédio deverá apresentar um “ligeiro acréscimo” em valor (+0,4%), em resultado de uma diminuição em volume (-1,0%) e de um aumento de preços (+1,4%), devendo-se esta evolução “sobretudo ao aumento dos alimentos para animais (+2,4%), da energia (+1,3%) e dos adubos e corretivos do solo (+7,5%)”.

“Estima-se que o consumo de alimentos para animais tenha aumentado em volume (+2,0%), com aumentos nos alimentos simples e compostos”, reporta o INE, acrescentando que “o aumento da produção pecuária, em particular de bovinos, conduziu a um consumo mais elevado de alimentos para animais”. Já o preço dos alimentos para animais deverá ter sido este ano “ligeiramente superior” ao de 2017 (+0,3%), refletindo o aumento de preço dos alimentos compostos (+1,8%).

Segundo o instituto estatístico, a importância relativa do ramo agrícola na economia nacional deverá manter-se em 2018 nos 1,7%, estimando-se também que o volume de mão-de-obra agrícola se mantenha em valores próximos do ano passado (+0,3%).

Numa comparação internacional, o INE reporta que, entre os triénios 2000-2002 e 2015-2017, o peso do VAB do ramo agrícola no VAB nacional “decresceu na generalidade dos Estados membros e na União Europeia a 27, mantendo-se Portugal acima da média europeia (1,6% versus 1,3%)”.

Já o rendimento da atividade agrícola em Portugal evoluiu, entre os triénios de 2001-2003 e 2015-2017, “de forma menos favorável do que a média dos Estados-membros (+30,9% versus +42,6%), ultrapassando, no entanto, países mediterrânicos como França, Espanha, Itália e Grécia”. Em 31 de janeiro de 2019, o INE irá disponibilizar uma segunda estimativa das contas económicas da agricultura.

O artigo foi publicado originalmente em Observador.

Comente este artigo
Anterior Descarbonização não se vai resolver através dos bovinos - Capoulas Santos
Próximo PDR 2020 abre novo aviso para investimentos na fruticultura no primeiro semestre de 2019

Artigos relacionados

Sugeridas

Grécia deteta primeiro surto de peste suína

As autoridades veterinárias gregas detetaram o primeiro surto de peste suína africana numa pequena criação doméstica de suínos na região de Serres, […]

Vídeos

Faça Chuva Faça Sol – T.2 Ep. 21

Neste programa conhecemos a produção de arroz em Portugal, um trabalho que envolve muita tecnologia […]

Últimas

“Ensinar inteligência artificial irá criar mais 20% de postos de trabalho”

A inteligência artificial está na moda, aparece com frequência nas notícias e traz promessas de que podem mudar a forma como vivemos. […]